Catador que estudava com livros doados é aprovado em 2º lugar em curso de Medicina

Estudando com livros doados, o catador de recicláveis, Joel Silva, de 22 anos, foi aprovado em 2º lugar no curso de Medicina da Universidade Federal do Pará (UFPA). Por que decidiu fazer Medicina? Para ajudar as pessoas de sua comunidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O rapaz mora na periferia de Belém e tirou uma nota ponderada de 826 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A UFPA é velha conhecida de Joel. Ele estudava Direito na mesma instituição, mas teve que abandonar o curso para trabalhar e poder ajudar sua família.

Os pais do futuro médico ganham a vida como catadores de recicláveis há mais de 15 anos e sempre sonharam com um futuro diferente para o filho, incentivando-o nos estudos desde pequeno.

“Eu sempre fui incentivado a buscar a leitura. Como sou de uma área periférica, tinha poucas opções de lazer, e meu hobby se tornou ler”, conta.

Rotina desgastante

A resiliência de Joel foi colocada à prova. Acordava junto com o sol, às 6h, para se arrumar, tomar café e trabalhar. Depois de um dia de trabalho exaustivo, começava estudar às 19h e só parava entre 22h e 23h.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por sorte, sua caminhada não foi solitária e Joel pode se orgulhar de ter colegas de trabalho que o ajudaram a realizar seu sonho.

“Na cooperativa, eles têm roteiro fixo, passamos por determinadas ruas e batemos de porta em porta, conversando com moradores, coletando material. E sempre tem uma relação de confiança. E nessa situação, sempre tinha algumas pessoas com empatia, que queriam saber de nós. Muitos se solidarizaram, e alguns doavam material. Foi com eles que me preparei”, diz.

Medicina para quem precisa

Daqui a alguns anos, ele poderá retribuir a ajuda que recebeu cuidando das pessoas de sua comunidade.

“Aqui tem várias especialidades médicas que é bem difícil conseguir uma vaga. Precisamos de apoio, e quero ajudar”, afirma.

Joel venceu a batalha duríssima por uma vaga em um curso extremamente disputado. Porém, tem outro desafio pela frente, que é se manter no curso. A evasão é uma realidade comum a muitos estudantes de baixa renda.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Joel sabe disso, mas vai lutar para ser vitorioso, mais uma vez. Se depender da nossa torcida, o diploma de médico está garantido! 👊

Fonte: UOL

Ele nem tinha dinheiro pro vestibular e se tornou o médico da família 👇

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,518,910SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Sem surpresas: pais arranjam um jeito criativo para que o filho deixe a chupeta

Quem tem filho(a) ou cuida de uma criança sabe: fazê-los largar a chupeta pode ser uma tarefa muito difícil. Minha mãe, por exemplo, disse que...

Comemore o dia do ex-namorado: doe os objetos de quem você quer esquecer

O namoro acabou. Ele partiu. Ela se foi. Ficaram as lembranças, talvez a saudade, uma possível melancolia e, muitas vezes, objetos do(a) ex. E...

Vizinhos e padaria acolhem moradores de prédio que pegou fogo em Curitiba

“Eles foram descendo, alguns fizeram café. Todos tentavam achar maneira de acalmar essas pessoas."

Corredor de ultramaratona adota cachorrinha que correu com ele 123 quilômetros

O ultramaratonista Dion Leonard ganhou a companhia de uma cachorrinha enquanto corria a ultramaratona de 250 km no deserto de Gobi, na China. A...

Instagram