Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE)

O catador de recicláveis Sebastião Duque, 66 anos, separa quase toda a renda que ganha do trabalho com o lixo para manter uma escola para crianças carentes do bairro Rio Doce, em Olinda (PE).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sebastião batizou o local de ‘Nova Esperança’, um nome apropriado para uma área que carece de escolas, projetos e ações sociais. Ali, centenas de famílias de baixa renda vivem em barracos de madeiras e em ruas de terra.

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 1

Sabia que agora o Razões tem um livro? O Que Eu Aprendi Até Agora – 50 Conselhos Inspiradores Para Uma Vida Cheia de Razões Para Acreditar! está em pré-venda até 15/08. Comprando o seu exemplar agora, ganhe um brinde especial + frete grátisclique aqui.

A escola Nova Esperança atende 40 crianças de 2 a 6 anos de idade com uma estrutura simples, formada por duas turmas e duas professoras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De modo a evitar o contágio pela Covid-19, foi necessário diminuir a quantidade de alunos na instituição, que já chegou a 100 alunos em 4 turmas. Antes da pandemia, também havia aulas de capoeira e judô.

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 2

Há uma mensalidade simbólica no valor de R$ 40, paga diretamente às professoras.

“Eu não tiro um centavo das crianças. Essa taxa é das professoras. E tudo da escola é comigo. Lanche, copo descartável, caderno, massa de modelar, água, luz. Tudo sou eu que pago”, afirmou o catador.

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 3

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Professora dali há 10 anos, Jacqueline Cavalcanti disse que a escola tem papel fundamental na comunidade. “A prefeitura só começa a receber crianças a partir de seis anos, e aqui a gente já aceita com dois. Elas vão tendo essa convivência, aprendendo o que é uma escola, como se comportar, começam a reconhecer as letras nas ruas.”

Seu Sebastião nasceu em Água Branca (PB) e conta que estudou pouco. Ficou órfão de pai e mãe aos 4 anos, e desde criança começou a trabalhar na roça.

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 4

Sua decisão de ajudar o próximo veio em 1988, quando havia se mudado para a capital pernambucana. Naquele ano, sofreu um atentado à faca e precisou ser internado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

À época com 33 anos, Sebastião vivia de bicos e era conhecido por se fantasiar de palhaço e vender raspadinha na praia. “Eu fiz uma promessa que se minha vida tivesse continuidade iria ajudar as pessoas”, lembra.

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 5

Desde 2014, quando uma senhora perdeu seu barracão levado pela chuva, Duque também passou a construir casas para a comunidade. Nos último sete anos, ele bate de porta em porta pedindo tijolo e materiais de construção para ajudá-la.

A iniciativa deu certo e tem continuado: atualmente, ele calcula ter ajudado a levantar mais de 30 casas, com construção total ou parcial da estrutura (inclusive doando os materiais).

E olha, o seu Sebastião faz de tudo… conserta cadeiras de rodas, faz muletas, entrega comida, roupas e brinquedos quando recebe doações. E não aceita ser pago por nenhuma dessas ações! Inclusive, rejeita doações em dinheiro. Quando insistem, o idoso pede que o valor seja entregue em materiais de construção.

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 6

Sabia que agora o Razões tem um livro? O Que Eu Aprendi Até Agora – 50 Conselhos Inspiradores Para Uma Vida Cheia de Razões Para Acreditar! está em pré-venda até 15/08. Comprando o seu exemplar agora, ganhe um brinde especial + frete grátisclique aqui.

“As pessoas pensam que eu faço alguma coisa, mas eu não faço. Quem faz somos nós. Todo mundo compartilhando, chegando junto, dando uma mão, a gente se torna maior”, afirmou, ressaltando o poder da colaboração e do trabalho voluntário.

“Até o final da vida, o que eu quero é mais um amigo perto de mim. Enquanto eu puder, e o povo me ajudar, todo ano vou entregar uma moradia para quem precisa”, completou.

Fonte: Leia Já
Fotos: Reprodução / Portal Leia Já

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,811,797SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Conheça uma iniciativa simples e que fez mais feliz o dia de algumas crianças

Pequenos gestos fazendo a diferença, talvez seja esse um dos caminhos para se fazer um país melhor ou a tão sonhada “sociedade mais justa”,...

Um encontro entre o ‘baixinho’ Sela, e o gigante Ivo Karlovic. Mais uma cena marcante no esporte

O tenista israelense Dudi Sela, de 1,75m de altura, não foi páreo para Ivo Karlovic, de 2,11m e dono de um dos saques mais...

Alunos surpreendem colega que perdeu tudo em incêndio dando a ele novos brinquedos

Uma semana após o incêndio, sensibilizados com o acontecimento, professores e colegas de sala se uniram para presentear Daniel com novos brinquedos - e muito mais!

Casal mostra que a diferença de altura jamais foi uma questão para o amor deles

O amor não vê diferença de tamanho e quem disser o contrário é por que não conhece a história da Lívia Vasconcelos e do João...

Menino com doença rara que paralisa os olhos faz desenhos incríveis no Paint para ajudar em casa

Pedro Rosa Santos, de 16 anos, tem uma doença rara, mas que não o impede de ser um artista e tanto! Fez seus primeiros...

Instagram

Catador de recicláveis mantém sozinho uma escola com 40 alunos funcionando em Olinda (PE) 8