Cearense viaja 500 km para doar medula a paciente compatível no RN: ‘Gratificante salvar uma vida’

É muito gratificante poder salvar uma vida“. Assim resume Geovânia Rodrigues, auxiliar de enfermagem cearense que viajou cerca de 500 km para doar medula a uma paciente compatível no Rio Grande do Norte.

Não há distância ou limites que atrapalhem uma boa ação quando se há vontade e determinação!

Em entrevista ao portal “Diário do Nordeste”, Geovânia contou que recebeu uma ligação do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) e imediatamente se prontificou para ir até o outro estado fazer a doação.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No dia 30 de novembro (terça-feira), a partir das 17h, acontece o Razões Para Doar, uma super live para promover a cultura de doação em nosso país. Clique aqui para se inscrever e receber a notificação quando o evento começar!

 

Questionada sobre a motivação da viagem, a cearense disse que após tantos meses de pandemia, perdeu muitos amigos queridos e passou a valorizar mais a importância da vida.

Importância essa que a inspira a acordar todos os dias às 4h da manhã para trabalhar em um hospital público de Eusébio, na Região Metropolitana de Fortaleza (CE).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Doação de medula voluntária

Em 2011, a auxiliar de enfermagem participou de uma campanha de doação de sangue na cidade de Pindoretama, no interior do Ceará.

Na época, perguntaram se ela poderia se cadastrar no banco de doações de medula óssea. Sem pensar duas vezes, Geovânia aceitou.

Os profissionais de saúde retiraram uma pequena amostra do sangue dela, que fica no cadastro nacional de doadores, até um dia aparecesse alguém apto a ser receptor. E bem, esse momento chegou neste mês de outubro!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Viagem até as terras potiguares

Logo após receber a ligação do Redome, a cearense rapidamente arrumou as malas e partiu para Natal (RN), onde fez os exames de rotina antes da doação.

Apesar da curiosidade, Geovânia não sabe sobre quem receberá a medula, mas garante que faz questão de conhecer a pessoa logo após todo o processo.

“O incômodo da anestesia é um instante. O alívio para quem vai receber é para toda uma vida”, lembrou a auxiliar de enfermagem.

 

Assista à live do Razões Para Doar nesta terça, 30/nov, a partir das 17h. Clique aqui para se inscrever no evento!

 

Fonte: Diário do Nordeste
Fotos: Arquivo pessoal

Relacionados

Menino de 9 anos com leucemia aguda realiza sonho de se “tornar policial” por um dia

Há alguns meses, o pequeno Gonzalo, de 9 anos, foi diagnosticado com leucemia linfoide aguda, um tipo de câncer do sangue e da medula...

Jovem viaja mais de 2 mil km para doar medula óssea: “Com certeza faria de novo”

Uma estudante de psicologia viajou 2.199 km para realizar uma doação de medula óssea. Giovanna Venarusso Crosara, de 24 anos, deixou o conforto da...

+ DO CANAL

Ex-presidiário cria projeto de esportes para crianças da sua comunidade no RJ

"Se o Jefferson do passado tivesse acesso ao Jefferson do presente, a minha história teria sido diferente."

Policial ensina funcionária da PRF a ler e escrever nos intervalos de trabalho no DF

Toda manhã, os policiais rodoviários da Unidade Operacional de Ceilândia (DF), costumam ser recepcionados na base com um verdadeiro banquete preparado por Maria do...

Jovem viaja mais de 2 mil km para doar medula óssea: “Com certeza faria de novo”

Uma estudante de psicologia viajou 2.199 km para realizar uma doação de medula óssea. Giovanna Venarusso Crosara, de 24 anos, deixou o conforto da...

Anos depois de doar medula para salvar irmã, gêmea também doa seus óvulos para ela engravidar

Irmãos gêmeos possuem um vínculo muito estreito, mas o elo que une as irmãs Billie Jo Rose e Bobbie Jo Sullivan é especialmente forte. Quando...

Dona de casa de 63 anos doa sangue há 25 e já ajudou a salvar 832 vidas no RJ: ‘Sensação maravilhosa’

Dona Valéria é uma pacata dona de casa de 63 anos que já ajudou a salvar 832 pessoas em todo o Brasil através da...

Instagram