O menino cego e autista de 6 anos que é um gênio do teclado

O menino Daniel, 6 anos, nasceu com uma doença chamada amaurose congênita de Leber, causadora da sua cegueira. Aos 2 anos, seus pais descobriram que ele também era autista. Porém, o que mais chama atenção no garoto é sua genialidade tocando teclado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nascido em Brasília, Daniel é capaz de tocar 700 músicas. Sua mãe, a administradora Hedrienny Cardoso, descobriu o autismo observando a irmã de Daniel, Júlia, que também é cega, ter um desenvolvimento motor e cognitivo superior ao de Daniel, mesmo sendo mais nova. Ao levar Daniel a um neuropediatra, veio o diagnóstico do autismo.

Leia também: Menino com autismo liga para emergência e salva a mãe

Desde pequenininho, Daniel nunca demonstrou interesse por brinquedos comuns, como carrinhos e bonecos. A música sempre foi sua maior a diversão. O primeiro contato com um teclado aconteceu durante uma visita a casa de um parente. Hedrienny percebeu um interesse do filho pelas teclas e decidiu comprar um teclado para Daniel brincar.

menino cego autista gênio teclado

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu não queria comprar um piano porque era muito caro. Resolvemos dar um teclado, por ter um preço mais acessível e porque a gente não sabia se ele ia gostar. Mas, pra minha surpresa, no dia que a gente deu o teclado, ele já tocou ‘Brilha, Brilha Estrelinha’. Eu fiquei louca porque foi a primeira vez que ele teve contato com um teclado”, disse Hedrienny em entrevista ao Razões para Acreditar.

Hedrienny começou a estimular o filho com a base musical que conseguiu quando tocava violão na adolescência. Para isso, ela teve que adaptar o teclado: colou texturas nas teclas para que Daniel conseguisse diferenciar os sons. Três meses depois, ela tirou as texturas porque o filho já conhecia todas as teclas.

“Eu comecei a ficar empolgada. Fiz uma lista de músicas que ele já tocava e começava a estimulá-lo para tocar todos os dias pelo menos um pouquinho. E foi quanto tive a ideia de criar o Instagram. Paralelo a isso, tentamos colocá-lo em uma aula de música. Porém, por mais boa vontade que as pessoas tivessem, elas não conseguiam acessar o Daniel.”

menino cego autista gênio teclado
Daniel já se apresentou em teatros

Depois de várias tentativas frustradas, Hedrienny conheceu um projeto de musicalização na Universidade de Brasília (UnB) e resolveu levar o filho. Porém, no início do ano, o garoto foi convidado a se retirar, porque disseram que não estaria bem assessorado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Falaram que o projeto não tinha pessoas capacitadas e foi convidado educadamente a se retirar. Eu fiquei arrasada porque nessa época ele tocava umas duzentas músicas. Estava ansiosa para ele ter essa aula de piano. Foi um baque muito grande. Mas aí eu pensei comigo, posso ficar triste e achar que meu filho não é capaz, ou mostrar para que ele conseguia tocar o que quisesse. Foi então que tive a ideia de criar um Instagram. Desde pequeno, ele gosta muito de ouvir os vídeos dele mesmo, tocando, conversando, enfim. Falei pra ele tocar todo dia uma música diferente e que eu faria vídeos para postar no Instagram.”

menino cego autista gênio teclado

Esse contato com a música virou parte da rotina de Daniel. Todo dia, ele toca um pouquinho. Graças à música, Daniel passou a interagir mais com a irmã e também melhorou seu desempenho na escola. “Memorizar tantas músicas ajudou muito no processo de alfabetização em Braille. Ele está bem avançado, vimos que ele tem uma memória muito boa. Ele consegue guardar as melodias e notas com muita facilidade.”

A expectativa de Hedrienny é que Daniel consiga entrar para a Escola de Música de Brasília e que possa construir uma carreira na música, tornando-se autônomo e independente. “Eu sei que lá existe um ambiente preparado para ele. O autismo traz um receio muito grande para os familiares. ‘Será que meu filho vai ser independente ou vai depender de mim para o resto da vida?’. Quero que seja o que ele quiser. Mas que ele possa aproveitar esse dom tão incrível com independência”, finaliza Hedrienny.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja alguns vídeos de Daniel tocando canções em seu teclado:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Hedrienny (@notasdadiversidade) em

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Hedrienny (@notasdadiversidade) em

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

menino cego autista gênio tecladocrédito das fotos: Hedrienny Cardoso/Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,406,489SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Projeto propõe isenção de impostos para empresas de Fortaleza que contratarem travestis

Um projeto referente ao público LGBT foi aprovado na Câmara Municipal de Fortaleza, o projeto propõe a isenção de impostos para empresas que contratarem o mínimo...

O mundo ainda vai precisar de carros? Sim, mas não do jeito que estamos acostumados a usar

O automóvel sempre vai fazer parte das soluções de mobilidade, mas não podemos pensá-lo como única solução.

Corinthians volta a ter estrela na camisa em homenagem a vítimas do Nazismo

Ação realizada em partida contra o Fortaleza resgata a memória da perseguição nazista aos judeus. As camisas dos jogadores serão leiloadas e toda a renda será revertida para o Memorial do Holocausto.

Aos 10 anos, professora autista falava 6 idiomas, hoje, tem seu método de alfabetização

Hoje professora de uma escola municipal de Itaboraí (RJ), Gisele Nascimento, 32 anos, teve uma infância brilhante, mas também conturbada, até o diagnóstico (tardio)...

Fotógrafa faz ensaio de pessoas que não se encaixam em formas padronizadas de identidade e orientação sexual

A fotografia queer de Molly Landreth revela o lado mais belo de pessoas especiais por serem elas mesmas, e não fingirem ser o que...

Instagram