Funcionário de supermercado surpreende pela paciência em atendimento com deficiente visual em Praia Grande


Funcionário de supermercado surpreende pela paciência em atendimento com deficiente visual em Praia Grande 1
PUBLICIDADE ANUNCIE

Como você imaginaria um atendimento entre um funcionário e um cliente deficiente visual? Talvez um pouco complicado, afinal quem o atendesse teria que ser suficientemente paciente para ajudá-lo em quaisquer dúvidas. E olha, foi exatamente isso que o funcionário João Lucas Haydou fez ao encontrar um cliente cego no Atacadão de Praia Grande. A cena toda foi registrada por Maurício Luiz dos Santos, um dos clientes do Atacadão. Assíduo, ele estava fazendo suas compras normalmente por lá quando percebeu um deficiente visual sendo acompanhado por um funcionário. “Nunca havia presenciado esse tipo de atendimento naquele mercado e achei interessante. O que me chamou a atenção não foi o simples fato do atendimento. Colocar os produtos no carrinho qualquer um poderia fazer., afinal o rapaz falava o produto que procurava e o funcionário ia com ele até o corredor para mostrar as opções”, conta Maurício.

Mas havia algo de diferente naquele atendimento que ele não podia deixar de notar. “O funcionário tinha um diferencial porque ele não economizava  nos detalhes do produto. Não falava apenas do preço, ele deixava a cliente tocar, cheirar, apalpar a textura, sentir o tamanho, o peso enquanto falava das marcas,  as mais conhecidas, as mais procuradas, custo benefício afinal nem sempre o produto mais caro é o melhor”, diz. Segundo Maurício, João fazia isso tudo sorrindo, sem demonstrar em momento algum que aquilo era uma obrigação e que ele queria se livrar logo. Pelo contrário, “ele repetia as informações sempre que o rapaz tinha alguma dúvida e no final, não influenciava na decisão. Deixava que o rapaz reunisse o máximo de informações para depois tomar a decisão final, usando os outros sentidos como olfato e tato. Achei muito legal”, revela.

Funcionário supermercado surpreende paciência atendimento deficiente visual Praia Grande

Para o cliente, existem pessoas com uma certa sensibilidade não só com pessoas com deficiência, mas também para a honestidade e pra caridade. Porém, é algo que nós praticamente não vemos mais no dia a dia. Essa gentileza que tanto prezamos, infelizmente, não é tão fácil de se ver. “Ver esse tipo de atitude renova em nós a sensação de que a humanidade tem jeito, nem tudo está perdido e que vale a pena investir nas pessoas. Porque isso é contagioso… O bem que você vê ou recebe acaba sendo repassado de você pra alguém e assim por diante.  Eu acredito nisso. Por isso compartilhei e falei com outras pessoas, tentei mostrar que vale a pena ser gentil, vale a pena acreditar nas pessoas, vale a pena trabalhar com excelência mesmo que ninguém reconheça, tipo, quando você planta coisas boas, coisas boas voltam pra você”, conta o funcionário.

Leia também: Funcionário de cinema na Bahia se aproxima de garotinho autista e o conquista com gesto emocionante

E não é que esse é o mesmo pensamento de João? Para o atendente de 22 anos, ele não fez mais do que sua obrigação, afinal é dever dele poder ajudar qualquer cliente que apareça com alguma dificuldade.

Levando em conta que seu começo de vida também não foi nada fácil, João tem a ideia fixa na cabeça de sempre dar sua total atenção e ajuda para quem mais precisa. Com a separação de seus pais, ele relembra que aos sete anos de idade foi expulso de casa pela mãe, vivendo com seu pai desde então. Passou por diversas cidades antes de chegar em Praia Grande onde conseguiu o emprego no Atacadão. Com um filho recém-nascido, ele estava realmente precisando da oportunidade. E foi lá que aprendeu muito sobre atendimento ao cliente. Apesar de já ter passado por diversas situações diferentes durante sua vida, João passou por treinamento no Atacadão. “Assim que eu entrei no Atacadão, a empresa me orientou não só com clientes especiais, mas com os clientes no geral também. A gente tem que tratar todos não só como clientes, mas como uma família”, conta ele.

E foi lá que, em uma plena terça-feira, tudo aconteceu. O homem, precisando de ajuda, a recebeu de João que atendeu seu pedido em relação a um suco de garrafa. “Fui dando na mão dele, explicando que sabor que era, a validade, qual era o mais em conta. Ele perguntava pra mim qual era o melhor e eu explicava pra ele’’, revela. O funcionário sabia, desde o início, que era essencial ser mais do que atencioso com um cliente especial como era o caso. Porém, ele entende que o ‘jeito para a coisa’, ter essa atenção e paciência, varia de pessoa para pessoa. “Acho que no dia a dia é um pouco difícil. Mas eu creio que eu não seja a única pessoa que tenha essa paciência. Eu acho que várias pessoas também tem, sabe? É só ter paciência e ser humilde. Não é só ter paciência, porque não adianta você ter a paciência e não ter humildade. Porque a humildade é fundamental. A gente nunca sabe o dia de amanhã”, revela.

Funcionário supermercado surpreende paciência atendimento deficiente visual Praia Grande

PUBLICIDADE ANUNCIE

Em relação a toda a repercussão que teve, João se declarou mais surpreso pelo fato de um ato simples como aquele ter sido tão ‘falado’ do que pela ação que ele teve em si. “Quem me conhece, depois da repercussão que teve, não ficou surpreso por causa da minha atitude. Pelo contrário, eles já sabiam que eu era daquele jeito. Eles falaram ‘tá vendo, eu avisei que Deus ia te abençoar um dia por tudo o que você vem fazendo’, sabe? E aquilo foi uma coisa que veio de mim, não foi tipo ‘ah, não, a pessoa é especial, vou ter que ser mais atencioso, vou ter que ficar mais tempo’. Não, é uma coisa minha, sabe? Eu sei lidar com as pessoas. Todo o tipo. Não importa a deficiência ou se é uma pessoa sem deficiência. Como eu tratei o deficiente eu trato qualquer outro, sabe? Foi uma coisa normal de dia a dia”, declara.

Para João, o mais incrível após ter sido flagrado durante aquele atendimento foi perceber que aquele mesmo cliente que já vinha fazer as compras no Atacadão há algum tempo e sempre comprava dois ou três produtos; com ele, fez praticamente a compra do mês. “Ele veio com o carrinho cheio pela paciência que eu tive, pela educação, pelo carinho, ne?”, diz ele. Pela repercussão em si, João se chateia apenas pelo fato de esses atos não serem mais corriqueiros. “Eu sou o que sou. Não importa se é dentro da empresa ou fora da empresa. Então eu não fiquei surpreso, eu fiquei surpreso pela repercussão, porque foi um ato simples. Eu fico até meio chateado, porque todos deviam fazer isso, eu acho, ne? A gente não sabe o dia de amanhã. Então quando eu vi aquele cliente eu não imaginava ele como um cliente apenas, eu pensava que podia ser um irmão meu, um tio meu, um vô meu, sabe? Alguém próximo a mim. Eu pensava que podia ser um familiar pedindo ajuda pra alguém”, revela.

Realmente um atendimento que todos merecem ter, não é mesmo?! Para João, isso é fato. “Como eu falei desde o começo: a gente não sabe o dia de amanhã. Se uma pessoa deficiente, como é o caso dele, visual, pediu uma ajuda e você não ajudar. Amanhã pode ser você essa pessoa deficiente. Amanhã pode ser que você que está precisando dessa ajuda e você lá atrás não ajudou essa pessoa. Então fruto bom a gente colhe lá na frente. Uma oportunidade muito grande. Eu aprendi muito com esses atos, sabe? Muda muito tanto a pessoa que ajuda quanto a pessoa que tá sendo ajudada”, conta o funcionário. Você concorda com esse pensamento? Apesar de esses atendimentos serem bastante raros, sempre existem pessoas do bem com essa capacidade de transformar o dia dos outros.

Funcionário supermercado surpreende paciência atendimento deficiente visual Praia Grande

 

Mais exemplos de bom atendimento

Um outro bom exemplo aconteceu no Assaí Atacadista de Jandira, em São Paulo, recém-inaugurada. onde uma outra cliente, Karollyne Ferreira, presenciou uma cena emocionante. Ela relatou tudo em  uma postagem “Sou cliente do Assaí e costumo sempre fazer compras no início do mês, que é quando as unidades estão com grande fluxo de pessoas (…). Presenciei essa funcionária da foto, junto a uma cliente que possui deficiência visual, a mesma estava fazendo compras, e a funcionária estava auxiliando e guiando o carrinho de compras… A funcionária descrevia TODOS os itens do corredor, especificando MARCAS e VALORES, inclusive as vantagens de comprar em atacado ou varejo… Isso foi SENSACIONAL!!! Eu nunca vi isso em lugar nenhum, inclusive trabalho com PCD’s e acompanho as limitações do dia a dia deles, e acho incrível quando eles encontram anjos no caminho com tanto amor e prazer em ajudá-los. Gostaria de parabenizar essa atitude dessa funcionária, que inclusive tomei a liberdade em pegar o nome em seu crachá, DENILZA DIAS, uma fofa, atenciosa e um ser humano INCRÍVEL!”, contou.

Mas isso não foi tudo. Além de ter presenciado a ação de gentileza parecida com a que ocorreu no Atacadão, Karollyne também revelou o atendimento diferenciado que ela mesma recebeu quando percebeu que seu marido havia esquecido seu cartão de crédito. A atendente de caixa, Eliene Delfino, rapidamente chamou a fiscal e a gerente, permitindo assim que ele fosse buscá-lo sem que suas compras fossem canceladas. ‘Logo elas fizeram uma movimentação para que os demais clientes não fossem prejudicados e fossemos atendidos de uma maneira tão especial”, conta.

Funcionário supermercado surpreende paciência atendimento deficiente visual Praia Grande

Raro, porém, por incrível que pareça, esse atendimento totalmente diferenciado existe sim. São poucos aqueles que se dispõem para ajudar quem mais precisa, mas quem sabe essa consciência não muda? E aí, bora encantar?

Fotos: Reprodução, Divulgação/Atacadão.

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar