Cientista brasileira cria ‘caneta’ que detecta câncer durante cirurgia

A cientista brasileira Livia Schiavinato Eberlin, de 33 anos, formada em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desenvolveu um dispositivo semelhante a uma caneta capaz de detectar células tumorais (câncer) em questão de segundos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar da pouca idade, Livia já é chefe de um laboratório de pesquisa da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos. Ela iniciou sua pesquisa há quatro anos, quando criou um dispositivo capaz de extrair moléculas de tecido humano e analisar se no material há a presença de células cancerígenas.

Ainda é um protótipo, mas os resultados têm sido promissores: 800 amostras de tecido humano já foram analisadas com sucesso.

Livia mora nos Estados Unidos há dez anos, desde que se mudou para fazer o doutorado. Ela veio ao Brasil neste mês para apresentar suas descobertas no congresso Next Frontiers to Cure Cancer (Próximas Fronteiras para a Cura do Câncer, em tradução livre), promovido pelo A.C. Camargo Cancer Center todos os anos em São Paulo.

Em solo americano, a pesquisadora brasileira ganhou destaque na comunidade científica ao ser incluída numa lista de personalidades selecionadas para receber a prestigiada bolsa da Fundação MacArthur, comumente conhecida como a “bolsa dos gênios” e destinada a pessoas com “atuação destacada e criativa em sua área”. A bolsa-prêmio de US$ 625 mil (R$ 2,6 milhões) é de uso livre do bolsista.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A pesquisadora explicou durante uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que a caneta, batizada de MacSpec Pen, tem como principal objetivo “certificar durante uma cirurgia oncológica, que todo o tecido tumoral foi removido do corpo do paciente. Isso porque nem sempre é possível visualizar a olho nu o limite entre a lesão cancerosa e o tecido saudável.”

“Muitas vezes o tecido é retirado e analisado por um patologista ainda durante a cirurgia para confirmar se todo o tumor está sendo retirado, mas esse processo leva de 30 a 40 minutos e, enquanto isso, o paciente fica lá, exposto à anestesia e a outros riscos cirúrgicos”, explicou.

Cientista brasileira cria 'caneta' que detecta câncer durante cirurgia
Pesquisadora mora nos EUA há dez anos, para onde se mudou para um doutorado, e voltou ao país para um congresso internacional. Foto: John D. and Catherine T. MacArthur Foundation

A partir de uma técnica de análise química, a caneta é capaz de dar a mesma resposta que um patologista daria. “A caneta tem um reservatório preenchido com água. Quando a ponta dela toca o tecido, capta moléculas que se dissolvem em água e são transportadas para um espectrômetro de massa, equipamento que caracteriza a amostra como cancerosa ou não”.

Leia tambémInteligência artificial consegue prever o câncer de mama cinco anos antes

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A amostra pode ser caracterizada como maligna ou não graças a uma tecnologia que usa, além dos equipamentos de análise química, técnicas de inteligência artificial para que a máquina “responda” se as células são tumorais.

Para que isso acontecesse, foram utilizadas centenas de amostras de tecidos cancerosos para embasar e enriquecer o banco de dados do modelo. Assim, a pesquisadora “ensinou” a máquina a identificar tecidos tumorais.

“Na primeira fase da pesquisa analisamos mais de 200 amostras de tecido humano e verificamos uma precisão de identificação do câncer de 97%”, conta Livia.

Cientista brasileira cria 'caneta' que detecta câncer durante cirurgia
Foto: John D. and Catherine T. MacArthur Foundation

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Apesar dos bons resultados em amostras de tecido, o modelo ainda precisa ser validado em testes clínicos. Se os resultados forem confirmados, ainda deve demorar de dois a três anos para a caneta ser lançada como produto”, afirma Livia. O MacSpec Pen já foi testado em tecidos cancerígenos do cérebro, ovário, tireoide, mama e pulmão. Em breve, será testado em tumor de pele.

“Uma das coisas mais importantes quando a gente fala de tratamento cirúrgico é que o cirurgião consiga retirar completamente o tumor. As taxas de cura vão estar relacionadas a isso, mas temos limitações em garantir que toda a circunferência do tecido retirado esteja livre de células tumorais. Então, uma tecnologia como essa, se validada, tem muito a agregar,” concluiu.

Leia tambémCientistas imprimem coração 3D utilizando células do próprio paciente

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Rondo Notícias

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,839,934SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pai refugiado que vendia canetas na rua agora tem três empresas e emprega outros refugiados

Abdul Halim al-Attar, um refugiado da Síria que foi fotografado vendendo canetas nas ruas de Beirute, agora é dono de três empresas na cidade após uma campanha de crowdfunding on-line em seu nome que arecadou US$ 191.000.

Jovem é adotado após viver 13 anos em abrigo. “A adoção foi algo surpreendente para mim”

Ouvir histórias como a do Antonio Jucier da Silva Filho, hoje com 21 anos, é de trazer mais esperança para nossos corações! Ele foi...

Tom Brady faz linda declaração de amor à Gisele Bündchen, após seu último desfile

Gisele Bündchen é um fenômeno, em todos os aspectos, seja por sua carreira impecável, seja pela forma discreta, mas muito amorosa como conduz sua vida...

OAB do Ceará faz história ao conceder primeira carteira a homem trans

Pela primeira vez em 89 anos, a entidade máxima de representação e regulamentação da advocacia brasileira - a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) -...

Publicitário cria plataforma que lista empresas que incluem pessoas negras em suas campanhas

De acordo com o Instituto Locomotiva de Ricardo Meirelles, até o final de 2017, a comunidade negra brasileira terá movimentado aproximadamente R$ 1,62 trilhões...

Instagram