Cientistas descobrem bactéria capaz de “comer” as embalagens de PET

Clique e ouça:

Mais de 220 milhões de toneladas de plástico são produzidas a cada ano, e apesar de uma maior ênfase em programas de reciclagem, muito ainda é despejado em aterros sanitários e oceanos ao redor do mundo. Os EUA, por exemplo, só recicla cerca de 14% dos cerca de 33 milhões de toneladas de recipientes de plástico e embalagens que acaba em aterros a cada ano.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora, pesquisadores japoneses estão estreando o que poderia ser uma pequena solução para o grande problema de plástico. Ideonella sakaiensis 201-F6 é uma bactéria que come PET, um polímero utilizado em plásticos que é quase impossível de se biodegradar.

Com o I. sakaiensis, “você tem a chance de se livrar dos resíduos PET”, diz Uwe T. Bornscheuer, um bioquímico da Universidade de Greifswald na Alemanha.

Leia também: Máquina em SP troca garrafas PET e latinhas por créditos no bilhete único

O problema é que I. sakaiensis leva um tempo para degradá-lo. Em um laboratório, as bactérias levaram seis semanas para demolir uma fina película de PET, o que significa que não é uma solução rápida para as montanhas de shampoo vazio e garrafas de água que se acumulam.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas isso pode mudar logo. Os pesquisadores não só encontraram e isolaram as bactérias, eles também sequenciaram seu genoma, o que poderia permitir que futuros pesquisadores criem super bactérias que destruam PET mais rapidamente.

“Quando entendemos os princípios subjacentes, então podemos [potencialmente] melhorar a estirpe para torná-lo melhor e mais rápido”, diz Bornscheuer, acrescentando que as bactérias geneticamente modificadas teriam de ser usadas em ambientes controlados para evitar perturbar ambientes externos.

O I. sakaiensis não é o único organismo criado pela Mãe Natureza que come plástico. Certas variedades de fungos, micróbios marinhos e minhocas podem quebrar componentes plásticos, mas nenhum degrada tão completamente quanto o I. sakaiensis.

“No meu conhecimento, esta é a primeira bactéria que pode degradar totalmente PET”, diz. “Com certeza muitos cientistas vão ver isso como uma grande conquista, mas também como um novo ponto de partida para a sua própria investigação.”

3057700-inline-i-1-plastic-eating-bacteria

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

3057700-inline-i-2-plastic-eating-bacteria

Fonte: Fast Coexist / Imagens: Shutterstock

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,026,690FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
12,006SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Engenheiro cria próteses gratuitas para pessoas carentes em impressora 3D

Aos 24 anos, o engenheiro industrial Guillermo Martinez decidiu usar todo seu conhecimento e criatividade em prol das pessoas carentes. Depois de comprar uma...

Pela primeira vez o Solstício de verão de Stonehenge será transmitido online

Pela primeira vez na história poderemos acompanhar o solstício de verão de Stonehenge online, o evento marca o dia mais longo do ano e...

Instagram