Cientistas descobrem espécie de micróbio que vive na grama que pode ser a mais nova arma contra infecções resistentes

Eleftheria terrae é o nome científico da espécie de bactéria que poderá revolucionar a chamada antibioticoterapia. Após mais de uma década de buscas por novas fontes para a produção de antibióticos, pesquisadores americanos e alemães reportaram ter isolado um componente promissor de uma bactéria extraída de um campo gramado no estado do Maine, nos Estados Unidos. Se passar pela fase de testes clínicos em humanos, esta talvez seja a mais poderosa arma contra infecções difíceis de serem tratadas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para suprir as dificuldades do cultivo de bactérias em laboratório, cientistas da Northeastern University desenvolveram uma técnica denominada iChip, que consiste na reinserção de amostras do solo contendo cepas no mesmo local de onde foram extraídas. Essas amostras retornam em uma câmara envolvida por membranas que permitem o contato do conteúdo com outros fatores e organismos presentes naquele nicho, possibilitando a colonização bacteriana no interior da mesma.

chip

 

Foi assim que os pesquisadores Losee Ling e Tanja Schneider conseguiram cultivar a bactéria E. terrae para a obtenção do elemento capaz de matar uma ampla variedade de outras bactérias, inclusive patógenos. As bactérias testadas também não desenvolveram resistência contra esse componente que ganhou o nome de Teixobactin. Além disso, não foram observados indícios de toxicidade contra células de mamíferos nas avaliações preliminares.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ação do componente se dá em duas importantes moléculas de lipídios utilizadas na composição da parede celular das bactérias o que as impede, portanto, de se reproduzir. Teixobactin foi considerado eficaz contra bactérias gram positivas, o que significa ser de grande valia para o tratamento de tuberculose, de infecções por Enterococcus não responsivas a drogas disponíveis e infecções por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina.

Se o composto realmente funcionar, teremos uma arma de controle contra infecções hospitalares e menor risco de infecções pós-operatórias. O estudo é apontado como uma porta de entrada para a descoberta de outros potenciais agentes provenientes do solo.

A descoberta foi originalmente publicada aqui. Foto de capa: Melissa Dankel / CDC.

Texto da Mayara Flint especialmente para o RPA.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,575,137SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Como pequenos empréstimos estão ajudando empreendedores da periferia

Maria da Consolação Pimentel lidera uma confecção de roupas no Capão Redondo, gerando emprego e renda para a comunidade.

Campanha para ajudar menina com paralisia cerebral voltar a dançar bomba na internet

A pequena Finley foi adotada aos 9 meses com o diagnóstico de paralisia cerebral, que dificulta sua locomoção. Ela conta com a solidariedade dos...

Como criar um produto com alta tecnologia e preço acessível aos brasileiros

Muitas pessoas, principalmente os mais jovens, se perguntam como era possível viver sem acesso à internet há algum tempo atrás. Mas acreditem, as pessoas...

Pai volta do Iraque e se veste de Homem-Aranha em surpresa para o filho

Já mostramos alguma vezes aqui no RPA pais que voltam de missões no Iraque depois de meses e surpreendem família, amigos e pets com...

Jovem que deixou dinheiro voar conta com a honestidade dos pedestres em Salvador

O jovem caminhava pela Passarela do Iguatemi quando o vento levou seu dinheiro.

Instagram