Cientistas descobrem espécie de micróbio que vive na grama que pode ser a mais nova arma contra infecções resistentes

Eleftheria terrae é o nome científico da espécie de bactéria que poderá revolucionar a chamada antibioticoterapia. Após mais de uma década de buscas por novas fontes para a produção de antibióticos, pesquisadores americanos e alemães reportaram ter isolado um componente promissor de uma bactéria extraída de um campo gramado no estado do Maine, nos Estados Unidos. Se passar pela fase de testes clínicos em humanos, esta talvez seja a mais poderosa arma contra infecções difíceis de serem tratadas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para suprir as dificuldades do cultivo de bactérias em laboratório, cientistas da Northeastern University desenvolveram uma técnica denominada iChip, que consiste na reinserção de amostras do solo contendo cepas no mesmo local de onde foram extraídas. Essas amostras retornam em uma câmara envolvida por membranas que permitem o contato do conteúdo com outros fatores e organismos presentes naquele nicho, possibilitando a colonização bacteriana no interior da mesma.

chip

 

Foi assim que os pesquisadores Losee Ling e Tanja Schneider conseguiram cultivar a bactéria E. terrae para a obtenção do elemento capaz de matar uma ampla variedade de outras bactérias, inclusive patógenos. As bactérias testadas também não desenvolveram resistência contra esse componente que ganhou o nome de Teixobactin. Além disso, não foram observados indícios de toxicidade contra células de mamíferos nas avaliações preliminares.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ação do componente se dá em duas importantes moléculas de lipídios utilizadas na composição da parede celular das bactérias o que as impede, portanto, de se reproduzir. Teixobactin foi considerado eficaz contra bactérias gram positivas, o que significa ser de grande valia para o tratamento de tuberculose, de infecções por Enterococcus não responsivas a drogas disponíveis e infecções por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina.

Se o composto realmente funcionar, teremos uma arma de controle contra infecções hospitalares e menor risco de infecções pós-operatórias. O estudo é apontado como uma porta de entrada para a descoberta de outros potenciais agentes provenientes do solo.

A descoberta foi originalmente publicada aqui. Foto de capa: Melissa Dankel / CDC.

Texto da Mayara Flint especialmente para o RPA.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,230,881SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Amigos no Rio fazem vaquinha para levar crianças com deficiência a assistirem os Jogos Paralímipicos

Fazer boas ações resulta numa cadeia de trocas que abraça e promove o espírito coletivo. Pensando em levar crianças com deficiência para ver os jogos...

Professores de rede pública criam aplicativo que ensina idioma africano a crianças

A história e a cultura afro-brasileira devem estar presentes no currículo oficial da rede de ensino no Brasil, como prevê a Lei 9.394/1996, mas sabemos...

Instituto cria campanha para salvar crianças indígenas de morte por água contaminada

As crianças da aldeia Novo Natal da etnia Kaxinawá estão adoecendo e morrendo com o consumo de água contaminada, para ajudá-las, é preciso urgente da instalação de um poço.

Nutricionista oferece aula a preço acessível e 100% do lucro será revertido para abrigo de animais

"É um jeito de manter vivo em mim o amor que eu ainda sinto pelo meu cachorrinho que partiu em Outubro, ele era o amor da minha vida".

Garoto autista começa a conversar após fazer terapia com cães

Com a ajuda da cinoterapia, a terapia realizada com o auxílio de cães, promovida pelo Projeto Bicho Terapeutas, o menino Raylon Lomeu, 8 anos, começou...

Instagram