Cientistas desenvolvem enzima que come o plástico

Uma descoberta incrível foi feita totalmente por acidente, por pesquisadores dos Estados Unidos e Reino Unido. Os cientistas da Universidade de Portsmouth e do Laboratório de Energias Renováveis do Departamento de Energia dos EUA, estavam concentrados em estudar uma bactéria descoberta no Japão, há alguns anos atrás, quando descobriram que este organismo, de ocorrência natural, se alimenta do plástico.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionado: Pesquisadores brasileiros desenvolvem plástico orgânico comestível que se decompõe em 3 meses

Eles acreditam que a bactéria Ideonella sakaiensis tenha se desenvolvido nos últimos anos, em um centro de reciclagem e, aparentemente, ela se alimenta apenas de Politereftalato de Etileno (PET), amplamente utilizado na fabricação de garrafas. Tudo começou quando eles estavam tentando compreender o funcionamento de uma das enzimas desta bactéria, denominada PETase e, esta descoberta pode ajudar o mundo em uma questão séria e mundial, que é a reciclagem do plástico, um dos materiais que mais demoram para se decompor na natureza.

“Eles acabaram avançando um passo à frente e acidentalmente desenvolveram uma enzima que consegue desmembrar ainda melhor os plásticos PET”, afirma o relatório divulgado na publicação científica americana Procedimentos da Academia Nacional de Ciências (PNAS).

Ao modificar a PETase, transformando-a em uma enzima parecida com a cutinase, encontrada em fungos e bactérias, os cientistas criaram algo que pode degradar o plástico. Esta é uma descoberta de importância mundial e, o próximo passo é fazer melhorias no estudo, para que em um futuro breve, ela possa ser usada em escala industrial, no mundo inteiro.

O professor John McGeehan, da Faculdade de Ciências Biológicas de Portsmouth, afirma que o acaso não diminui a importância desta descoberta: “O acaso muitas vezes tem um papel significativo na pesquisa científica fundamental, e nossa descoberta não é exceção. Ainda que modesta, a descoberta inesperada sugere que há espaço para desenvolver ainda mais essas enzimas, nos aproximando de uma solução para reciclar as montanhas de dejetos de plástico que não param de crescer”.

Só para você ter uma ideia da importância desta descoberta: estima-se que em média, mais de oito milhões de toneladas de plástico são despejadas anualmente nos oceanos e um estudo recente afirmou que, se não encontrarmos uma solução rápida, em 2050 os oceanos terão mais plástico do que peixes. Esta bactéria pode ser a solução para um dos problemas ambientais mais sérios que a humanidade está enfrentando.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações de Só Notícia Boa

Fotos: Reprodução DW

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,764FãsCurtir
1,764,214SeguidoresSeguir
8,645SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram