Cientistas desenvolvem enzima que come o plástico

Uma descoberta incrível foi feita totalmente por acidente, por pesquisadores dos Estados Unidos e Reino Unido. Os cientistas da Universidade de Portsmouth e do Laboratório de Energias Renováveis do Departamento de Energia dos EUA, estavam concentrados em estudar uma bactéria descoberta no Japão, há alguns anos atrás, quando descobriram que este organismo, de ocorrência natural, se alimenta do plástico.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionado: Pesquisadores brasileiros desenvolvem plástico orgânico comestível que se decompõe em 3 meses

Eles acreditam que a bactéria Ideonella sakaiensis tenha se desenvolvido nos últimos anos, em um centro de reciclagem e, aparentemente, ela se alimenta apenas de Politereftalato de Etileno (PET), amplamente utilizado na fabricação de garrafas. Tudo começou quando eles estavam tentando compreender o funcionamento de uma das enzimas desta bactéria, denominada PETase e, esta descoberta pode ajudar o mundo em uma questão séria e mundial, que é a reciclagem do plástico, um dos materiais que mais demoram para se decompor na natureza.

“Eles acabaram avançando um passo à frente e acidentalmente desenvolveram uma enzima que consegue desmembrar ainda melhor os plásticos PET”, afirma o relatório divulgado na publicação científica americana Procedimentos da Academia Nacional de Ciências (PNAS).

Ao modificar a PETase, transformando-a em uma enzima parecida com a cutinase, encontrada em fungos e bactérias, os cientistas criaram algo que pode degradar o plástico. Esta é uma descoberta de importância mundial e, o próximo passo é fazer melhorias no estudo, para que em um futuro breve, ela possa ser usada em escala industrial, no mundo inteiro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O professor John McGeehan, da Faculdade de Ciências Biológicas de Portsmouth, afirma que o acaso não diminui a importância desta descoberta: “O acaso muitas vezes tem um papel significativo na pesquisa científica fundamental, e nossa descoberta não é exceção. Ainda que modesta, a descoberta inesperada sugere que há espaço para desenvolver ainda mais essas enzimas, nos aproximando de uma solução para reciclar as montanhas de dejetos de plástico que não param de crescer”.

Só para você ter uma ideia da importância desta descoberta: estima-se que em média, mais de oito milhões de toneladas de plástico são despejadas anualmente nos oceanos e um estudo recente afirmou que, se não encontrarmos uma solução rápida, em 2050 os oceanos terão mais plástico do que peixes. Esta bactéria pode ser a solução para um dos problemas ambientais mais sérios que a humanidade está enfrentando.

Com informações de Só Notícia Boa

Fotos: Reprodução DW

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,434,652SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Marido com Alzheimer esquece que é casado há 34 e pede esposa em casamento pela segunda vez

Parece filme romântico, mas é a vida real e por mais que possa ter seu lado triste, é também lindo! Michael Joyce tem 68...

BARRACO#55: a kombi que conecta o asfalto e a favela no RJ

O projeto consiste em oferecer aos jovens da comunidade do Complexo do Alemão um ambiente favorável à produção e reflexão. Criar e inovar por...

Menina dança hip hop em cima de cadeira de rodas e dá um show! [VÍDEO]

Lauren tem uma doença nos ossos e, por isso, precisa usar uma cadeira de rodas. Mas isso não a impede de dançar, e como dança! Veja o vídeo dela dançando hip hop: um show!

Gwen Stefani chama fã que foi vítima de bullying para subir ao palco e brilhar

Durante o último show de sua turnê “This Is What The Truth Feels Like", na Flórida, a cantora Gwen Stefani se deparou com o...

Youtuber deficiente visual discute acessibilidade e compartilha sua paixão pela música

“Não gosto quando nos definem com rótulos de superação e heroísmo. Somos pessoas com deficiência. Tem que haver um equilíbrio neste pêndulo.”

Instagram