Pesquisadores estudam gerar eletricidade a partir da palha da cana-de-açúcar

Com grande potencial para geração de energia, a palha da cana-de-açúcar infelizmente é mal aproveitada: a destinação mais comum tem sido o descarte no campo de colheita ou a queima.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Visando melhorar o aproveitamento desse potencial, quase todo perdido, cientistas do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas estão desenvolvendo maneiras de dominar a emissão de compostos clorados durante a combustão, gaseificação e pirólise da palha de cana-de-açúcar.

A palha da cana tem conteúdo energético similar ao do bagaço, mas apresenta um teor de cloro entre 0,1% e 0,7%, bem maior do os 0,02% do bagaço.

Leia também: Lego lança linha de produtos sustentáveis feitos de cana de açúcar

Um volume maior de cloro propicia a formação do ácido clorídrico (HCl), por exemplo, que tende a corroer as tubulações de vapor que canalizam a combustão. Esse teor elevado pode propiciar a formação do ácido clorídrico (HCl) e corroer as tubulações de vapor utilizadas durante a combustão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Além disso, a combustão também pode gerar a emissão de poluentes atmosféricos como gases ácidos, dioxinas e furanos”, explica Ademar Hakuo Ushima, cientista e pesquisador do Laboratório de Engenharia Térmica do IPT.

Pesquisadores estudam gerar energia a partir da palha da cana-de-açúcar
O material possui potencial para geração de energia similar ao do bagaço da cana. Foto: Reprodução.

De modo a iniciar uma nova fase da pesquisa neste ano, o IPT construiu dois equipamentos em escala laboratorial que avaliam o rendimento energético e também o nível de emissão de poluentes gerado nos processos de pirólise (transformação por aquecimento de uma mistura ou de um composto orgânico em outras substâncias), gaseificação e combustão de resíduos agrícolas.

Por meio desses equipamentos e dominando os mecanismos de formação de produtos clorados no reaproveitamento da palha de cana, os pesquisadores acreditam que encontrar uma solução para o problema da corrosão de reatores e tubulações seja uma questão de tempo. “O objetivo é dar suporte técnico ao setor sucro-alcooleiro do estado e desenvolver novas tecnologias para o aproveitamento energético de resíduos”, finaliza o pesquisador.

Leia também: Brasil terá primeira usina que gera energia por meio de esgoto e lixo no Paraná

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Ciclo Vivo/Foto destacada: Reprodução

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,829,971SeguidoresSeguir
24,599SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ford recicla mais de 1 bilhão de garrafas plásticas todo ano para fabricar peças de veículos

A fabricante multinacional de automóveis Ford Motor Company tem ajudado a promover a produção e uso de peças automotivas ecologicamente corretas. Os tapetes, placas de...

Morador de rua consegue emprego graças à ajuda de desconhecidos em Vitória

“Pai, coitado daquele homem, está muito frio para ele dormir na rua, vamos ter coragem de ir para casa comer pizza quentinha e deixar...

Foto de cachorra “cuidando” da barriga de dona grávida viraliza

Quem tem gato ou gosta de gatos provavelmente já conhece o canal da Isa Gateira. Ela sempre compartilha dicas sobre cuidados com a saúde...

Pela primeira vez, cientistas produzem coração completo em impressora 3D

Direto do laboratório de biologia molecular e biotecnologia da Universidade de Tel Aviv, em Israel, um grupo de cientistas conquistou um feito inédito! Pela...

Pai de vítima consola mãe de sequestrador morto na Ponte Rio-Niterói

“Tentei passar um pouco de conforto para ela, que perdeu um filho."

Instagram

Pesquisadores estudam gerar eletricidade a partir da palha da cana-de-açúcar 3