Pesquisadores estudam gerar eletricidade a partir da palha da cana-de-açúcar

Com grande potencial para geração de energia, a palha da cana-de-açúcar infelizmente é mal aproveitada: a destinação mais comum tem sido o descarte no campo de colheita ou a queima.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Visando melhorar o aproveitamento desse potencial, quase todo perdido, cientistas do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas estão desenvolvendo maneiras de dominar a emissão de compostos clorados durante a combustão, gaseificação e pirólise da palha de cana-de-açúcar.

A palha da cana tem conteúdo energético similar ao do bagaço, mas apresenta um teor de cloro entre 0,1% e 0,7%, bem maior do os 0,02% do bagaço.

Leia também: Lego lança linha de produtos sustentáveis feitos de cana de açúcar

Um volume maior de cloro propicia a formação do ácido clorídrico (HCl), por exemplo, que tende a corroer as tubulações de vapor que canalizam a combustão. Esse teor elevado pode propiciar a formação do ácido clorídrico (HCl) e corroer as tubulações de vapor utilizadas durante a combustão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Além disso, a combustão também pode gerar a emissão de poluentes atmosféricos como gases ácidos, dioxinas e furanos”, explica Ademar Hakuo Ushima, cientista e pesquisador do Laboratório de Engenharia Térmica do IPT.

Pesquisadores estudam gerar energia a partir da palha da cana-de-açúcar
O material possui potencial para geração de energia similar ao do bagaço da cana. Foto: Reprodução.

De modo a iniciar uma nova fase da pesquisa neste ano, o IPT construiu dois equipamentos em escala laboratorial que avaliam o rendimento energético e também o nível de emissão de poluentes gerado nos processos de pirólise (transformação por aquecimento de uma mistura ou de um composto orgânico em outras substâncias), gaseificação e combustão de resíduos agrícolas.

Por meio desses equipamentos e dominando os mecanismos de formação de produtos clorados no reaproveitamento da palha de cana, os pesquisadores acreditam que encontrar uma solução para o problema da corrosão de reatores e tubulações seja uma questão de tempo. “O objetivo é dar suporte técnico ao setor sucro-alcooleiro do estado e desenvolver novas tecnologias para o aproveitamento energético de resíduos”, finaliza o pesquisador.

Leia também: Brasil terá primeira usina que gera energia por meio de esgoto e lixo no Paraná

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Ciclo Vivo/Foto destacada: Reprodução

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,972,916SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Filho vestido de Wally se esconde no aeroporto para surpreender a mãe que não via há 3 anos

Esta pode ser a versão mais legal de "Onde está o Wally?" que você já viu. Depois de passar os últimos três anos na Austrália,...

Uma gata que tem o rosto metade preto, metade caramelo e olhos de cores diferentes

Essa gatinha da foto se chama Venus, ela mora na Carolina do Norte, EUA, e ela nasceu com uma mutação genética bastante diferente e...

Festival matinal Wake acontece em SP com renda revertida para projeto Chef Aprendiz

Cidade receberá edição da festa que reinventa a lógica urbana e traz DJs, performances, yoga e gastronomia saudável a partir das 7h da manhã.

Colégios equipam ônibus escolares parados com Wi-Fi para alunos sem internet

Olha só que iniciativa legal! Um grupo de colégios dos EUA está transformando seus ônibus escolares em pontos de acesso (hotspots) para estudantes que...

Giorgio Armani anuncia que não usará mais peles de animais nas suas coleções

A decisão é uma conquista de anos de luta de várias organizações protetoras dos direitos dos animais. A Giorgio Armani se junta ao time de grifes formado pela Hugo Boss, Calvin Klein, Tommy Hilfiger e Ralph Lauren que aboliram o uso de peles nas suas coleções.

Instagram