Cientistas vencem Nobel de Medicina por terapia contra o câncer

Os vencedores do Prêmio Nobel de Medicina deste ano são dois cientistas que descobriram um tipo de terapia mais eficiente contra o câncer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo ganharam 4 milhões de reais pela descoberta da terapia que incentiva o ataque de células de defesa do organismo contra os tumores.

Trabalhando separadamente, a dupla conseguiu entender o funcionamento de duas proteínas (CTLA-4 e PD-1) que acabam paralisando o sistema imune do paciente durante o tratamento do câncer.

Leia também: Pesquisadores criam sorvete que ameniza efeitos da quimioterapia

Pesquisador da Universidade do Texas, o imunologista James P. Alisson estudou a proteína CTLA-4. Ele teve seu “Momento Eureka” quando descobriu que a criação de um bloqueio da proteína poderia sabotar o freio dos linfócitos T, permitindo que as células atacassem o tumor novamente.

“Os tumores produzem as proteínas, chamadas de checkpoints, que bloqueiam o linfócito T, que é a célula mais importante do sistema que ataca o tumor. Essas drogas [pesquisadas] retiram esse bloqueio e recuperam o poder de ataque dos linfócitos que estavam paralisados por essas proteínas”, explicou em entrevista para o G1 o oncologista Fernando Maluf, diretor associado do Centro de Oncologia da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

cientistas vencem Nobel de Medicina terapia contra câncer

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O também imunologista Tasuku Honjo, da Universidade de Kyoto, estudou a proteína PD-1, que também atuava sobre os linfócitos T, mas de forma diferente. Depois de experimentos em laboratório, um estudo de 2012 também demonstrou sua eficácia em tratar pacientes com diferentes tipos de câncer.

Allison disse para a agência de notícias alemã Deutsche Welle que buscou “compreender a biologia das células T, essas células incríveis que viajam pelo nosso corpo e trabalham para nos proteger”.

Ainda de acordo com a agência, Honjo compartilhou sua alegria de ouvir dos próprios pacientes que conseguiram se recuperar de doenças graves graças as suas pesquisas. Ele afirmou que deseja continuar com os estudos para salvar um número maior de pessoas.

A descoberta de Allison e Honjo enche de esperança Klas Kärre, membro do comitê do Nobel, que diz acreditar em “curar o câncer com isso”.

Essa não é a primeira vez que uma pesquisa relacionada ao câncer venceu o Nobel de Medicina. Antes dela, vieram o tratamento hormonal contra câncer de próstata (1996), a quimioterapia (1988) e o transplante de medula para tratar leucemia (1990).

crédito das fotos: Divulgação

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,692FãsCurtir
1,763,401SeguidoresSeguir
8,636SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram