Cientistas britânicos testam proteína sintética que repara danos no cérebro e na medula espinhal

Um grupo de cientistas britânicos trouxe mais esperança para pacientes com problemas neurológicos. Eles desenvolveram uma proteína sintética, capaz de restaurar danos no cérebro e na medula espinhal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com esse avanço, uma série de condições devastadoras, como o Alzheimer, a epilepsia e a paralisia, podem ser curadas.

A proteína é capaz de restaurar as conexões perdidas entre os nervos, melhorando sensores como a memória, a coordenação e o movimento.

De acordo com Dr. Radu Aricescu, neurocientista do Laboratório de Biologia Molecular MRC, em Cambridge, os primeiros testes realizados tiveram resultados surpreendentes.

Como a proteína sintética funciona?

A nova proteína vai atuar como uma “ponte molecular”. Assim, ela restabelece ligações neuronais, que foram destruídas por acidente ou doença.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em um dos testes, foi observado que uma lesão da medula espinhal se restruturou em apenas oito semanas. E foi preciso apenas uma injeção no local para obter o resultado.

Dr. Radu disse que toda a equipe ficou muito encorajada pela forma como a proteína funcionou bem nas célula. Eles também notaram que a proteína aumentou a capacidade da memória, que é perdida no Alzheimer.

A gente torce para que todos os testes gerem resultados positivos e possamos ter um tratamento eficiente para essas doenças!

FONTE: Good News Network

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,864,101SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Amor atemporal: fotos antigas de casais homossexuais

Apesar de toda a luta pelos direitos dos homossexuais, a homofobia ainda é uma realidade. Os posicionamentos do deputado Marcos Feliciano no Brasil e...

Colecionador de frutas, esse paulista já plantou mais de 1.300 espécies

É a maior coleção de plantas frutíferas do país, recorde registrado pelo RankBrasil em 2015, com 1.311 espécies agrupadas em quase 100 famílias botânicas.

Após mais de 70 anos juntas, elas finalmente puderam se casar nos EUA

As norte-americanas Vivian Boyack, de 91 anos, e Alice “Nonie” Dubes, de 90, finalmente se casaram mais de 70 anos depois de começarem a...

Documentário traz luta por direitos da comunidade LGBT e reação dos conservadores e fundamentalistas religiosos

A produtora Lente Viva vem rodando o país há mais de dois anos para levar às telas a luta por direitos da comunidade LGBT...

Instagram