Cinema só para crianças autistas emociona pais no Rio

0
1210

As crianças que têm autismo parecem não tomar consciência da presença de outra pessoa e, por isso, apresentam muita dificuldade de comunicação e repetição de comportamentos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por falta de informação, grande parte da população não consegue compreendê-las, principalmente em locais com regras claras de comportamento, como em um cinema, onde se deve ficar sentado na poltrona de boca fechada enquanto o filme passa na telona.

Uma pena que esse tipo de coisa aconteça, pois as opções de lazer e entretenimento dessas crianças são forçadamente limitadas. Mas, um projeto lançado recentemente em um cinema do shopping da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, mostra que isso pode mudar.

A primeira exibição gratuita de um filme para quase 30 crianças autistas levou os pais dessas crianças às lágrimas:

“Achei que meu filho não fosse ficar. Antes de começar a sessão, falei o que aconteceria e chegamos cedo. Entramos com o cinema ainda vazio, para ele se ambientar. Em casa, ele só presta atenção nos desenhos animados durante uns 15 minutos. O filme já está passando há uma hora e continuamos aqui”, comemorou Adriana Costa, mãe de João Pedro, 3 anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os pequenos assistiram ao filme “Carros”, que conta a história da amizade entre um automóvel de corrida e um guincho. A psicóloga Carolina Salviano de Figueiredo, organizadora do evento, ainda não sabe quando será a próxima sessão, mas tem uma certeza: o projeto vai continuar.

“O objetivo é a inclusão em todos os ambientes. Há duas semanas, levamos um grupo de crianças autistas para uma fazenda em Vargem Grande. Aos poucos, elas vão desenvolvendo suas habilidades, abrindo portas. Já estamos conversando com a empresa do cinema para repetir a experiência, inclusive em outras salas da cidade”, disse Carolina.

Segundo a ONU, existem mais de 70 milhões de pessoas com autismo no mundo todo: 2 milhões delas só no Brasil. O desconhecimento do transtorno por parte de muitos médicos, pais e professores dificulta o diagnóstico.

Fonte: O GLOBO

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.