Detentas fazem perucas para crianças com câncer em Criciúma (SC)


Detentas fazem perucas para crianças com câncer em Criciúma (SC)
PUBLICIDADE ANUNCIE

Dezenas de detentas da Penitenciária Feminina de Criciúma, no sul catarinense, confeccionaram perucas de lãs inspiradas em personagens infantis populares para crianças e adolescentes que fazem tratamento contra o câncer.

O primeiro ciclo do projeto foi encerrado na segunda-feira passada (24), com uma cerimônia de entrega das perucas às crianças da entidade Casa Guido. Batizada de “Cabelos de Anjo”, a iniciativa foi idealizada pelo Conselho da Comunidade, entidade filantrópica e sem fins lucrativos de Criciúma.

A verba utilizada para a compra da lã e outros materiais é fruto de doações. Por ser um trabalho voluntário, a confecção das perucas reduz a pena das detentas participantes.

Detentas fazem perucas para crianças com câncer em Criciúma (SC)

Cabelos de Anjo

Uma vez por semana, a artesã Rovena Machado Zanella comparece à Penitenciária Feminina e orienta voluntariamente as participantes do Cabelos de Anjo, ensinando-as a fazerem as perucas. Cada ciclo do projeto tem a duração de um semestre.

Desenvolvido e acompanhado de perto pelo Conselho da Comunidade de Criciúma, o projeto motiva e desperta o interessas das detentas em aprender e se ressocializar. Segundo Regiane Medeiros Gonçalves, membro do conselho,”além de desenvolver habilidades manuais, a iniciativa desperta o empreendedorismo”.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Detentas fazem perucas para crianças com câncer em Criciúma (SC)

Para a juíza Débora Driwin Rieger Zanini, titular da Vara de Execuções Penais de Criciúma, o projeto “trouxe alento e alegria para as crianças, submetidas ao tratamento quimioterápico, dando força e esperança para lutar contra a doença. Além de ajudar na ressocialização, ensinado para as detentas que elas podem contribuir também para a felicidade das pessoas, suavizando a dívida que elas têm com a sociedade”.

Leia também:

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: G1/Fotos: TJSC/Divulgação

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar