Serena Williams investe R$ 12 milhões para combater mortalidade materna


Serena Williams investe combater mortalidade materna
PUBLICIDADE ANUNCIE

Ainda na ativa, a tenista norte-americana Serena Williams é considerada uma das maiores atletas de todos os tempos, vencedora de incríveis 23 torneios de Grand Slam.

Em 2017, à época com 35 anos, a tenista deu à luz uma menina, Alexis Olympia, após uma gravidez relativamente tranquila. Infelizmente surgiram complicações graves no pós-parto que quase comprometeram sua vida.

Após a cirurgia de cesariana, a frequência cardíaca dela caiu perigosamente, fazendo-a desmaiar. Nos dias subsequentes ao parto, Serena sentia falta de ar. Uma tomografia computadorizada revelou que ela estava com múltiplos coágulos sanguíneos em seus pulmões.

A embolia pulmonar desencadeou tosses desenfreadas na atleta, fazendo com que sua incisão na barriga reabrisse. Os médicos a reencaminharam à sala de cirurgia, onde fecharam novamente o corte e inseriram um filtro na veia principal de ligação aos pulmões, impedindo a formação de mais coágulos.

Uma semana depois de tanta luta, Williams deixou o hospital, ficando de repouso em casa por um mês.

Serena Williams investe combater mortalidade materna Serena Williams investe combater mortalidade materna

Mortalidade materna no Brasil

A dramática história do parto de Serena está longe de ser incomum.

A taxa de mortalidade materna no Brasil – que ocorre durante a gravidez, parto ou até um mês e meio após o procedimento operatório – é um dos piores índices de saúde do nosso país, dez vezes maior do que nos países desenvolvidos.

Leia também: Coral de crianças surpreende espectadores para alertar sobre a mortalidade infantil

Para se ter uma ideia da gravidade do problema, em 2016 ocorreram 1.670 mortes maternas em nosso país, o que representa 58 mortes para cada 100 mil nascidos vivos. Em países desenvolvidos como Polônia, Suécia, Itália, Noruega e Japão, a taxa é menor que 6 para cada 100 mil. Curiosamente, os EUA têm a maior taxa de mortalidade materna no mundo desenvolvido.

PUBLICIDADE ANUNCIE

As principais causas de morte materna no Brasil são a hipertensão, as hemorragias, as infecções e o aborto, consideradas causas maternas diretas e evitáveis. Um cenário incompatível com o nível econômico do país e o acesso universal ao pré-natal e parto hospitalar. O mais agravante, no entanto, é que segundo o Ministério da Saúde, a mortalidade materna é evitável em 92% dos casos.

Serena Williams investe combater mortalidade materna

A angustiante história de Serena é notória porque lança luz à disparidade racial na qualidade, disponibilidade e acessibilidade dos cuidados perinatal e pós-parto para as mães negras, em especial, nos Estados Unidos.

Acesso a quem mais precisa

Ciente disso, a tenista criou a “Serena Ventures”, uma ONG de apoio aos cuidados perinatais e pós-parto para mães negras e seus bebês, com investimento inicial de US$ 3 milhões (R$ 12 milhões).

Leia também: Serena Williams dá melhor resposta às críticas sobre seu traje

A entidade filantrópica atuará por meio de um sistema que oferece acesso a uma equipe multidisciplinar, formada por médicos, especialistas, doulas, assistentes sociais e consultores de lactação 24 horas por dia durante os 7 dias por semana.

Serena Williams investe combater mortalidade materna

“Acredito que é absolutamente essencial investir em soluções que ajudem a proteger a vida de mães e bebês”, disse Serena Williams em nota à imprensa.

A expectativa da ONG é atender, ainda neste ano, cerca de 10 mil mulheres grávidas.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Revista Crescer/Fotos: Reprodução/Instagram

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar