Coletora recebe ajuda para filhos estudarem Medicina em universidades federais

A coletora de materiais recicláveis Maria Aparecida, 41 anos, é só alegria! Os dois filhos mais velhos dela foram aprovados no curso de Medicina em universidades federais!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Ainda está caindo a minha ficha. Estou muito feliz. A gente sabe da grandeza de Deus, mas não sabe o tamanho”, disse.

Mas Maria passou dias bastante difíceis antes de receber a melhor notícia da sua vida.

No ano passado, ela travou uma batalha contra o câncer. Maria teve que se afastar do trabalho e, sem essa renda, a situação financeira da família piorou.

coletoras de reciclaveis assaltada recebe doações para filhos medicina

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nesse meio-tempo, a coletora sofreu um assalto à mão armada praticado por dois homens em uma motocicleta. Os criminosos a arrastaram pelo asfalto e atiraram contra ela, sendo que um dos tiros atingiu Maria de raspão na cabeça.

Levaram dinheiro, documentos pessoais e o aparelho celular da mulher. Após a divulgação da história, a coletora recebeu uma série de doações e compensações financeiras.

“Vai ajudar demais. Até o final deste ano o dinheiro vai dar, depois Deus proverá”, diz ela, sempre alicerçada nos fundamentos de sua fé.

Com o passar dos dias, mais doações chegaram, desta vez, para os filhos de Maria Aparecida: Moisés, 22 anos, e Milene, 19 anos, que foram aprovados no curso de Medicina das Universidades Federais de Goiás e do Tocantins, respectivamente.

coletoras de reciclaveis assaltada recebe doações para filhos medicina

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Profissionais da área jurídica também ofereceram ajuda para Maria conseguir o Auxílio Doença da Previdência Social.

“Eu agradeço demais a todas estas pessoas. Não tenho nem palavras. Sei que Deus vai retribuir a cada uma”, crê.

Você pode fazer uma doação para Maria Aparecida via depósito bancário. O banco é Caixa Econômica Federal, Agência 0013, Conta Poupança 00131833-3, CPF 905.432.461-91.

Relembre a história da Raíssa, filha de uma empregada doméstica e também aprovada em Medicina em uma universidade federal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

[Nota de Redação]

O seu Zezinho tem 68 anos e nunca foi à escola. Ele queria muito aprender o alfabeto e finalmente poder escrever o próprio nome. Gentil toda vida, uma professorinha de 9 anos começou a ensinar o vendedor de picolé a ler e escrever.

[Ajude um jovem que montou uma escola no interior do Tocantins com materiais de um lixão para crianças carentes a construir uma escola de alvenaria. Clique aqui e doe.]

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: O Popular/Fotos: Reprodução/O Popular

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,644,941SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Huskies adotam gatinha e são a família mais fofa que você vai ver hoje

Com apenas três semanas de vida, "desnutrida, letárgica e morrendo", a vida desta gatinha mudaria para sempre graças a três huskies siberianos que a encontraram. Lilo, Infinity...

Surpresa inesquecível: noivo paraplégico fica ‘em pé’ para dançar valsa com a noiva

O amor não possui limites ou barreiras, conheçam a história de um ex-soldado americano paraplégico que causou emoção a todos os convidados no dia...

Ambulante faz sebo a céu aberto em BH, tem 3.000 livros queimados e ganha o triplo em 48 horas

Odilon Tavares é uma personalidade conhecida pelo bairro do Carmo de BH há cerca de 3 anos. Praticamente todo mundo que mora na cidade...

Documentário mostra a vida de pessoas com deficiência visual

Conheça o documentário Além da Luz, de Yves Goulart, que mostra o cotidiano de 7 brasileiros com deficiência visual. O trailer é tocante e faz refletir...

Jovem casal gay tem reação inesperada após baile de formatura

Ao invés de ouvir gritos de “Beija Ela” na rua, eles ouviram “Beija Ele”.

Instagram