Com 20 anos, mulher trans quebra barreiras e inspira milhares de pessoas

Com 20 anos, Piyah Martell é uma cantora trans que tem a síndrome de redução caudal, uma rara condição que impede o desenvolvimento das pernas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sua trajetória de talento e superação é uma história inspiradora.

“Eu não vou deixar a deficiência me impedir de ser uma estrela”, defendeu ela em entrevista ao jornal britânico Daily Mail.

Nascida em Sacramento, na Califórnia, ganhou fama com sua participação especial no reality show RuPaul’s Drag Race. Além de suas redes sociais por causa de seus vídeos no Youtube, músicas e lip syncs (dublagens).

Mas para chegar até aqui, enfrentou muito preconceito e todo o tipo de agressões. “Quando estava no colégio, eu era muito tímida. Isso porque eu tinha a deficiência e ainda comecei a perceber que não me sentia feliz sendo um menino. Não tinha muitos amigos, até porque ficava um tempo fora da escola porque estava doente. Isso se tornou ainda mais difícil para mim”, declarou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Começou a perceber que era uma mulher aos 6 anos. “Em meu coração sabia que era uma menina”.

Aos sete sua mãe faleceu, deixando ela, um irmão e o pai. Na escola sofreu muito, tanto por causa de sua deficiência quanto pelo fato de ser trans.

“Eu sempre amei cantar para a minha família. Mesmo quando era pequena, eu gostava de me vestir, cantar e dançar para a minha mãe e o meu irmão. Eu podia ser eu mesma em casa, mesmo que fosse tímida na escola. Amei todas as cantoras, mas a minha inspiração é a Mariah Carey. Eu a amo, mas não quero ser ela, quero ser eu mesma”, explicando que foi na música que achou forças para lidar com os obstáculos.

“Quando eu era mais nova, eu costumava desejar ser como as outras pessoas. Levei muito tempo para aprender a ter orgulho de quem eu sou”, diz.

E, finalmente, aos 15 anos assumiu para sua família. “Nós estávamos na cozinha e eles estavam fazendo o jantar. Estávamos rindo e senti que era um bom momento. Foi um choque, mas acho que eles sempre souberam que me senti assim. Brenda foi ótima, pois começou a comprar lenços, tops e roupas de garota para mim”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enfim, assumida, passou a dedicar-se a sua grande paixão: a música.

Em 2015, mais uma perda, sua madrasta Brenda para um câncer no pulmão. “Foi realmente terrível, pois ela sempre acreditou em mim e sempre me apoiou. Fiquei tão feliz quando ela se tornou a minha mãe. Como ela sempre quis que eu alcançasse os meus sonhos, estou determinada a fazê-lo como cantora e performer pelo amor de Brenda”, emociona-se.

Sua empreitada recebeu muitos elogios e críticas. Mas as agressões externas não a desmotivaram de forma nenhuma. “Meus fãs são incríveis. O amor que ele me dão nos tornam uma família”, agradece.

Ano passado, a gravadora Recording Studio, de sua cidade, chamou a artista para gravar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2016, Piyah continua atualizando suas redes sociais com tudo um pouco. Verdades, músicas, família, o novo namoro e tudo o que possa inspirar e empoderar a todos.

“Eu me vejo como uma grande estrela, cercada de glamour e com muitos fãs”, finaliza.

13151793_10207970385350516_2118428318669267969_n

cantora trans

pai e mao

trans

Fonte: Nlucon

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,293,090SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Campanha encoraja casais homoafetivos a ficarem de mãos dadas em público

A mensagem no final pede: “Quando achar que vai soltar, segure firme”.

Com criatividade, casal ‘explica’ de onde vêm os bebês

O fotógrafo canadense Patrice Laroche e sua mulher, Sandra Denis, encontraram uma maneira lúdica e didática de demonstrar o processo da "criação" de um...

Padeiro desempregado que doa pães para famílias da Rocinha ganha a sua própria padaria com vaquinha (RJ)

O seu Isael já assou e doou centenas de pães para moradores da favela da Rocinha, no Rio.

Cadela de rua, grávida e com câncer consegue ser tratada graças a doações de campanha pioneira

Essa cachorrinha, tão pequenininha e fofa é a Cacau, uma cadela de rua guerreira! Cacau como todo cão que viveu nas ruas ou foi...

Jovem de 18 anos cria sutiã que detecta câncer de mama com mais precisão do que o autoexame

O EVA, como foi batizado o sutiã, é equipado com sensores de tato, temperatura e luz, que monitoram a saúde dos seios periodicamente.

Instagram

Com 20 anos, mulher trans quebra barreiras e inspira milhares de pessoas 2