Com ajuda do Facebook, mecânico devolve quase 3 mil reais e cartão com senha que havia encontrado

Qual seria sua atitude se você encontrasse um porta-níquel com R$ 2,8 mil, um cartão de banco e uma senha numérica e outra alfabética que dão acesso irrestrito a uma conta corrente?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O mecânico de Guaíba Masoel Hermann, 35 anos, não teve dúvidas quando deparou com esses bens esquecidos sobre um caixa eletrônico, segundo o site Zero Hora, ele divulgou um aviso em sua página do Facebook e, em menos de duas horas, o aviso chegou à dona e ele consegui devolver os valores.

O post publicado por Hermann em busca da proprietária foi esse abaixo, e teve milhares de curtidas, comentários e compartilhamentos:

17319282

O responsável pelo gesto chegou a considerar exagerada a repercussão:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

— Não fiz nada demais. Esse dinheiro me ajudaria, mas não era meu — afirma.

A boa ação teve início quando o mecânico, pai de quatro filhos e atualmente afastado do trabalho por razões médicas, deixou a mulher na barca que faz a travessia para a Capital e foi a um posto de autoatendimento do Banrisul, por volta das 8h30min. Ali, tentou utilizar um caixa eletrônico que estava fora de uso, depois outro com o mesmo problema e, ao colocar a mão sobre o terceiro equipamento, percebeu uma pequena bolsa.

Perguntou a duas mulheres que se encontravam no local se a niqueleira pertencia a alguma delas. Como a resposta foi negativa, levou-a para casa, onde contou R$ 2.826 e localizou o cartão de banco e um papel com todas as senhas anotadas.

Imediatamente, publicou uma foto dos bens na rede social. Ainda pela manhã, localizou a responsável, cujo nome coincidia com o impresso no cartão. Encontrou-a próximo a um supermercado da cidade e devolveu o dinheiro.

— Ela me agradeceu muito e quis me dar R$ 100, mas eu não aceitei porque só devolvi o que não era meu — explica Masoel, que não ficou com nenhum contato da mulher, chamada Isabela.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela teria se atrapalhado com alguns papéis e, com pressa, esquecido o dinheiro sobre a máquina. Só se deu conta da perda quando chegou em casa, sem fazer ideia de onde poderia ter deixado os valores. O mecânico afirma que, quando trabalhava como cobrador de ônibus, já havia encontrado e restituído ao dono uma carteira. Segundo ele, o pai e o sogro lhe serviram como bons exemplos ao longo da vida.

— Do jeito que o país está hoje, se todo mundo fizesse pelo menos uma coisa honesta todo dia, já seria uma grande coisa — acredita.

Leia a matéria na íntegra aqui.  Fotos: Reprodução Facebook

Compartilhe esta história para mostrar que temos bons exemplos vindos do Brasil 😉

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,502,658SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Desempregado que virou doméstico causa comoção do bem na internet

O “Seu Zé”, como é conhecido, passou um ano e meio desempregado, fazendo bicos para poder se alimentar e pagar o aluguel da casa...

Dez anos depois, esta menina pedindo autógrafo para Phelps nem imaginava onde estaria

Muito antes de Katie Ledecky começar a acumular suas próprias medalhas de ouro em Olimpíadas, ela sempre foi grande fã de outra lenda da...

Garotinho faz vídeo para explicar como é a vida do seu irmãozinho autista

Garotinho explica, didaticamente, como é a vida do seu irmãozinho autista.

Delegado transforma vida de ex-usuária de crack que havia prendido em SP

Regiane foi usuária de crack durante 6 anos e chegou a roubar para sustentar o vício, até que foi presa. Porém, sua prisão, na...

Empresa compensa pausas feitas pelos funcionários fumantes dando dias extras de férias para os que não fumam

A iniciativa quer compensar o tempo extra que os funcionários usam para fumar, além de incentivar o abandono do vício

Instagram