Com medalha olímpica, Camila Castro diz que vôlei sentado a reviveu: “voltei a sorrir”

As Paralimpíadas Rio 2016 foram pura emoção não só com as disputas, mas com as lindas histórias de superação de cada um dos atletas presentes. Vencendo a Ucrânia em meio a 8,5 mil torcedores na arquibancada, a seleção brasileira de vôlei sentado feminino garantiu o bronze depois de muito suor. Com medalha olímpica no peito, Camila Castro conversou com o Razões Para Acreditar, dizendo que o esporte a reviveu: “voltei a sorrir”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Marcando sete pontos na última partida, que resultou num título inédito para a modalidade, a atacante realizou um sonho. “Ingressar nas Paralimpíadas foi literalmente um sonho! Eu tenho certeza que fizemos um excelente trabalho, com imensa dedicação, raça, honra e amor”, me contou. Animada com tudo o que está vivendo atualmente, ela diz defender o Brasil fazendo o que mais ama na vida é mais do que poderia imaginar. “Tenho imensa honra e amor por esse esporte e poder trazer a primeira medalha num esporte coletivo paralímpico para o Brasil é um sentimento inenarrável!, celebrou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

camila-castro2

Com a conquista de um lugar no pódio, Camila almeja melhorias para o esporte, esperando que possa ser mais divulgado e consequentemente mais disputado nacionalmente. Além disso, ela mandou um recado ainda mais importante do que o título. Que milhares de pessoas que estão em casa, se achando incapazes, diminuídas ou sem estímulo, possam conhecer o esporte adaptado e fazer crescer o número de paratletas no Brasil!”.

A carreira de Camila começou cedo, aos 8 anos de idade, quando iniciou a prática de vôlei. Depois de jogar federada no Rio de Janeiro, passar por São Paulo e defender um clube em Portugal, sofreu um acidente de moto que mudou o rumo de sua vida, aos 29 anos. O resultado foi uma grave e rara lesão no pé, chamada fratura-luxação de Lisfranc. Ficou sem andar durante um ano e adquiriu uma patologia na coluna que afeta os nervos de alguns músculos da perna direita. Assim, não consegue ficar mais de 10 minutos em pé por conta da dor.

paralimpiadas-volei-sentado

Na época, as limitações causaram profunda depressão, até mesmo porque não poderia mais exercer sua formação em fisioterapia, que era exercida com gosto. Sem o esporte, sem emprego e dependente de familiares e amigos, ela não tinha mais expectativas de voltar a sorrir. “Um dia disseram que nunca mais poderia jogar. Foi o pior pesadelo que vivi. Saber que nunca mais jogaria, nunca mais poderia voltar a ser eu, sentir aquela adrenalina, aquele prazer…”, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas a vida nos surpreende e depois de conhecer o namorado Rammon, jogador de vôlei sentado do Vasco da Gama (RJ), em 2013, viu uma chance de voltar para as quadras. “O vôlei é minha alegria. Sempre joguei vôlei, desde pequena sempre foi minha paixão, meu prazer, meu círculo  de amizades, meu desestresse. Dentro das quatro linhas me sinto realizada, plena, desafiada, feliz. O vôlei sempre foi a minha vida. Depois do acidente, novamente foi ele me fez reviver, literalmente!“.

rammon-e-camila

Pronta para estampar um sorriso no rosto e não tirar nunca mais, ela passou a treinar e conquistou muitas coisas, como a medalha de bronze na Copa Intercontinental (Março de 2016, na China), foi vice-campeã no campeonato brasileiro (2013 e 2014 – ano em que levou o troféu de melhor recepção), e ainda uma medalha de bronze no mesmo torneio, em 2015. Em sua primeira Paralimpíada, aos 34 anos, saiu vitoriosa. O que mais me motiva é evoluir como pessoa, como atleta, como ser humano. Saber que tem pessoas com limitações muito mais severas e que sabem sorrir em adversidades buscando um novo caminhar”.

Os esportistas, de maneira geral, encontram muitos obstáculos para conseguirem competir e ganhar títulos. Para os paratletas, a situação é ainda mais delicada e desafiadora. Camila me explica quais são as melhorias que devem ser feitas pra ontem dentro não só dos esportes, mas do convívio em sociedade. O que deve melhorar com urgência é a acessibilidade das pessoas com deficiência e o modo com o qual olhamos para elas, muitas vezes com pena ou as achando incapaz, quando na verdade é uma pessoa que pelo seu próprio dia a dia já vence barreiras e se fortalece nas coisas ‘mais simples’ e banais, sem lamentar ou se render, mas sim cada vez mais firme e capaz”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

volei-sentado-feminino

camila-castro

img_3967

img_3939
img_3918

img_3877

4 Fotos acima de ©Nossa Cria

selecao-volei-sentado-feminino

camilacastro

 *Agradecimento especial à Marina, irmã da Camila, pela ajuda 🙂

Fotos: reprodução/CPB/Camila Castro

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vítima de assédio em ônibus é salva por bilhete de mulher desconhecida

Uma jovem relatou em um post do Facebook um episódio em que foi vítima de assédio em um ônibus no Rio de Janeiro. A...

‘Holocausto sírio’: 8 maneiras práticas de ajudar as vítimas da guerra em Alepo

Cada um de nós pode dar a essas pessoas uma razão para acreditar que os bons são a maioria. É o momento de sermos solidários com as vítimas dessa tragédia de dimensões intoleráveis.

Agricultura do futuro terá fazendas verticais sem pesticidas e com 95% menos água

Há alguns anos, empresas e empreendedores começaram a pensar em novas formas de cultivo, produzindo alimentos em ambientes internos com técnicas variadas. Compactas, as...

Menino de 3 anos escreve carta para seu cão falecido e é surpreendido com resposta

A partida de um animal de estimação é sempre triste, ainda mais para uma criança pequena, como Luke, de 3 anos, que há poucoes...

Taxista devolve celular de passageiro e história viraliza na internet

O taxista Paulo Ribeiro foi até a casa do passageiro Rodrigo Nickel para devolver o celular que ele havia esquecido no seu carro, em...

Instagram