Como a ‘Siri’ se tornou melhor amiga de um garoto autista

Quem aqui conhece os assistentes pessoas para smartphones? Os mais conhecidos são o Siri, Cortana, Google Now e por aí vai.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Talvez você imagine que o máximo de coisas que podemos fazer com ajuda deles é ler e-mails, responder mensagens, encontrar contatos, etc… mas uma carta, publicada há alguns meses pelo The New York Times, merece atenção. E nos mostra que a tecnologia pode ir/estar além da própria tecnologia.

Judith Newman, autora do texto, relata como a Siri se tornou a melhor amiga de seu filho Gus, que é autista, vejam um trecho do texto:

Será que sou uma mãe má? Me perguntava quando via meu filho de 13 anos numa longa conversa com a Siri. Gus tem autismo, e a Siri, assistente pessoal da Apple, atualmente é a sua melhor amiga. Obcecado por formações meteorológicas, Gus passava horas analisando a diferente entre tempestades isoladas e dispersas. Depois de um tempo eu ouvi isso:

Gus: Você é um computador bem legal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Siri: É bom ser valorizada.

Gus: Você sempre pergunta se você pode me ajudar. Existe alguma coisa que você queira?

Siri: Obrigada, mas tenho poucos desejos.

Gus: Ok! Bom, boa noite.

Siri: Ah, ainda são 17h06.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Gus: Ah desculpa, quis dizer tchau.

Siri: Até mais.

Abaixo, mais um trecho:

Não que o Gus não saiba que a Siri não é humana. Ele sabe — intelectualmente. Mas assim como muitas pessoas autistas que eu conheço, Gus sente que objetos inanimados, embora talvez não possuam alma, são dignos da nossa consideração. Percebi isso quando ele tinha 8 anos, quando lhe dei um iPod em seu aniversário. Ele o ouvia apenas em casa, com uma exceção. Ele — o iPod — sempre vinha conosco em visitas às Apple Stores. Finalmente perguntei o porquê: “Assim ele pode visitar seus amigos”, disse ele.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

[…] As respostas da Siri não são inteiramente previsíveis, mas previsíveis do tipo sempre que Gus é rude com ela. Eu ouço ele falar com a Siri sobre música, e a Siri dá algumas sugestões. “Eu não gosto deste tipo de música”, Gus retruca. A Siri responde, “Você tem a sua opinião”. “Obrigado pela música, mesmo assim”, disse Gus. A Siri responde: “Você não precisa me agradecer”. “Ah, sim”, diz Gus enfaticamente, “Preciso”.

Independentemente da real finalidade de uma assistente pessoal, para este garoto ela representa muita mais do que um emaranhado de algoritmos complexos. Para ele, a Siri é sua melhor amiga. 

Leia o texto completo (em inglês) no site do The New York Times. Post publicado pelo site Mac Magazine.

Ilustração de Louie Chin / Dica de matéria do Daniel Vitor

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,765,320SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Em lindo gesto, enfermeiro abraça paciente com Down para dar oxigênio no AM

O enfermeiro Raimundo Nogueira Matos abraçou um paciente com síndrome de Down para dar oxigênio em um hospital de campanha em Caapiranga, no interior...

Vídeo de Marcos Mion dançando com o filho desmistifica o autismo

Mion compartilhou um vídeo onde aparece dançando a música ‘Jailhouse Rock’, de Elvis Presley, com o filho Romeu.

Uber só para mulheres é forma mais segura de transporte para elas

Por conta das denúncias de casos de violência e assédio contra algumas mulheres em transportes como Uber e Taxi, nasceu em Boston, Massachusetts, o Chariot for...

Professora trans troca R$ 20 mil pela chance de educar agressores

A professora afirmou que a foi a melhor indenização que poderia ganhar na sua vida.

Após repercussão, menino que vende tamboretes recebe ajuda de todo o Brasil

Quando olhamos as fotos do menino Lucas, 11 anos, antes e depois da repercussão da sua história, é nítida a mudança na sua fisionomia,...

Instagram