Homem é condenado por ter dito ofensas homofóbicas a casal em SP

Após proferir ofensas homofóbicas a um casal num transporte público em São Paulo, um homem foi condenado pelo Tribunal de Justiça local a indenizar em quatro salários mínimos as vítimas do insulto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A juíza Maria Lucinda da Costa em sua decisão frisou que a “a vida em sociedade requer tolerância e respeito, o que não foi observado na fala do agressor”.

Foi caracterizado crime de injúria, consistindo no fato do condenado ter perguntado, de forma agressiva, qual deles seria “a mulher” da relação e qual o sentido dois dois estrarem juntos “já que não podem procriar”.

De acordo com informações do tribunal, o processado afirmou que as “carícias trocadas pelo casal era uma depravação moral” e que eles poderiam “dar o c* onde quisessem, desde que fosse em outro lugar”. As vítimas disseram que o caso ainda gera repercussão na vida de ambos e que isso acaba impactando negativamente em suas esferas pública e privada, apesar de ressaltarem terem sido apoiados por todos os presentes durante a agressão verbal no metrô.

Leia tambémEstudantes espalham cartazes contra homofobia na escola após colega sofrer ofensas

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É claro que a pena ainda é baixa e falta a criminalização da homofobia no Brasil, mas essa decisão é importante para dizermos: não iremos nos calar diante de atos de agressão” — disse por meio de uma publicação no Facebook o escritório de advocacia que representou o casal na justiça.

Durante o julgamento e todo o andamento processual do caso, o homem negou ter sido “tão agressivo”. Disse, em interrogatório, que abordou o casal “educadamente”, pedindo que eles “se contivessem nas carícias” porque supostamente havia enxergado um “excesso na demonstração de afeto”.

Para a juíza Maria Lucinda, a versão do réu apenas confirmou, em suas palavras, “que o que lhe ofendeu foi o fato de um deles ter acariciado o peito do outro”. Na conclusão do caso, os depoimentos de testemunhas corroboram a versão do casal e ressaltou o tom agressivo do condenado no momento da injúria.

Leia tambémPadre Julio Lancellotti faz discurso poderoso contra o machismo e a homofobia

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A vida em sociedade requer tolerância e respeito. Ainda que a parte não tenha capacidade para compreender a diversidade, fato que prejudicaria somente a ela, é obrigada a respeitar a pessoa alheia, pois um não pode ser prejudicado pelas limitações do outro”, disse a magistrada. “E mais, aquele que não é capaz de conter seus impulsos e deseja impor ao outro seus desejos, deseja subjugar o próximo a seu julgamento pessoal, age em desrespeito à norma penal, pelo que deve sofrer as consequências de seus atos”, concluiu.

A magistrada havia sentenciado o réu a quatro meses de detenção, porém, como o homem é réu primário e não possui antecedentes criminais, a pena de detenção foi trocada por uma multa. Caso haja descumprimento da pena alternativa, o sentenciado deverá cumprir a pena corporal em regime aberto.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: O Globo
Foto: Reprodução / Marcos Alves

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,415,745SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Esta marca de roupa não só faz roupas para cadeirantes, promove também acessibilidade em sua comunidade

"Não é mais sobre as impressões que você compra. É sobre as impressões que você deixa". Esse é o lema do The Garden, uma...

Rapaz com Síndrome de Tourette encanta e emociona no X Factor

Esse simpático rapaz, de apenas 16 anos, chama-se Carlos Guevara e sofre de Síndrome de Tourette, uma desordem neurológica ou neuroquímica caracterizada por tiques,...

Antes de voltar pra selva, chimpanzé abraça mulher que o cuidou

Jane Goodall é uma criadora, engajada em causas dos animais, especificamente na salvação de chimpanzés do Congo, o instituto que ela coordena, trata animais...

Estudantes criam app que orienta o descarte correto de lixo eletrônico

Sabe aquele celular, laptop ou tablet encostado e fora de uso? Estes itens podem ganhar sobrevida se forem descartados corretamente. A opção pelo reaproveitamento...

C&A abre vagas de emprego exclusivas para travestis e transexuais

A C&A, maior rede de lojas de departamento do Brasil, em parceria com a ONG Transempregos anunciaram a abertura de mil vagas de emprego...

Instagram