Conheça a cadeia sem policiais, nem armas e que nunca teve uma rebelião no país

Com os acontecimentos recentes, a crise carcerária brasileira está, enfim, em debate no país. Um bom exemplo de como existe solução para ter, na medida do possível, presídios que funcionem é a APAC, Associação de Proteção e Assistência ao Condenado. Por meio de um sistema humanizado inovador, a unidade visa novas práticas para detentos que não têm contato algum com algemas, polícia e violência enquanto cumprem suas penas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A primeira pergunta que devemos refletir em relação à isso é: violência se trata com mais violência? Muitos estudos, pesquisas e teorias afirmam que não. Na prática, especialmente no Brasil, onde há cerca de 82% de reincidência de crimes por parte de ex-presidiários, é notável que realmente esta não é a melhor forma de resolver as coisas. Segundo uma matéria do jornal Nexo, entre 1990 e 2014 a população prisional saltou de cerca de 90 mil para 600 mil presos, apresentando um crescimento de 575%. Seguindo esse ritmo, no ano de 2075 uma a cada 10 pessoas estará atrás das grades.

O preso é, acima de tudo, um ser humano, e desta forma ele é tratado na APAC. Na parede se lê “aqui entra o homem. O delito fica lá fora”. Com a premissa de que “todo homem é maior que o seu erro”, ou seja, ninguém é irrecuperável, a associação em Itaúna, em Minas Gerais, os trata com respeito e funciona muito mais como um lugar de acolhimento e recuperação do que detenção para cerca de 2 mil pessoas.

Ali eles são chamados de recuperandos ou reeducandos, não usam uniformes e tampouco são representados por números. O método, que foi finalista no Prêmio Innovare, da Justiça Brasileira, foi criado em 1973 pelo advogado Mario Ottoboni e inclui 12 elementos principais, somados à evangelização, já que esta é uma fundação essencialmente cristã.

A confiança também é a base de tudo. Cabe ao condenado escolher se vai seguir outros caminhos ou se vai continuar nos mesmos erros que o levaram à cela, que ali funciona muito mais como um quarto. Muitos deles trabalham no próprio local, frequentarem cursos supletivos e profissionais, fazem a segurança, cuidam da limpeza, da alimentação, da padaria e demais atividades, mantendo a mente ocupada e a boa conduta com horários sempre cumpridos rigorosamente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As parcerias com voluntários e instituições também geram frutos para que estes homens sigam em frente, com palestras motivacionais e oficinas, além do tratamento conjunto com as famílias. Quem não tem família, ganha um padrinho, que faz visitas regulares por vontade própria. Os recuperandos contam ainda com assistência espiritual, médica, psicológica e jurídica prestada pela comunidade.

apac_itauna

Sem rebeliões, motins e sangue derramado, hoje há apenas 10% de reincidência entre os membros das APACs, número que nem se compara com o das cadeias convencionais. As chances de um recomeço, muito mais digno, cheio de possibilidades, é o maior prêmio que a Apac concede aos que passaram por uma das 43 unidades espalhadas pelo país e outras tantas espalhadas pelo mundo, em lugares como Nova Zelândia, Inglaterra e Alemanha. Até mesmo os custos por encarcerados são menores, correspondendo a um salário e meio na APAC contra os quatro salários mínimos de custo por cabeça para o Estado.

Os Centros de Ressocialização servem para conduzir os apenados que não têm envolvimento com o crime organizado e pena inferior a 10 anos de condenação, permitindo ainda a continuidade de ensino (de alfabetização ao ensino médio), além de ocupação profissional. Tais medidas garantem a remissão da pena por bom comportamento e bom desempenho nas atividades. A FUNAP – Fundação Nacional de Amparo ao Preso, também implanta tais medidas e criou ainda o DASPRE, que capacita as mulheres em cárcere, onde desenvolvem técnicas de artesanato.

Ouvido pelo Razões para Acreditar, o ex-presidiário L.S.S atribui a culpa pelos massacres ao principal vilão de todos, o Estado. “Primeiro acho que deveriam separar os presos de acordo com o grau do crime cometido, porque um homem que roubou um pacote de bolacha não pode ficar junto de quem cometeu um assassinato, por exemplo. Segundo é que a Justiça não acelera seus processos para liberar logo quem nem deveria estar na cadeia. Terceiro é que se não há ocupação, trabalho mesmo, para quem está atrás das grades, a chance de fazerem loucuras lá dentro é imensa. É preciso ocupar essas pessoas para que elas consigam retomar suas vidas dentro e fora da cadeia”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Depois de frequentar um Centro de Ressocialização por um ano e quatro meses, acredita que a união de forças entre Estado e empresas privadas é a única saída viável para a situação atual. “As empresas só têm a ganhar com isso, porque conseguem mão de obra por um valor muito menor do que um funcionário, além de ocupá-lo e capacitá-lo enquanto cumpre sua pena. Isso facilita seu convívio social, resgata a dignidade e ainda dá a chance de ajudar a família com o salário que recebe”, argumentou.

Projeto Daspre

Essa é, em muitos casos, não uma segunda chance, mas a primeira para centenas de pessoas que estão encarceradas. Crimes são movidos por atitudes de ódio, inclusive contra o Estado, que não dá as devidas condições mínimas para que todos tenham oportunidades, e geralmente são respondidos com mais ódio ainda, gerando um ciclo infinito de sentimentos e ações ruins que não levam nem presidiários, nem vítimas a lugar algum. Propor novas maneiras de realocar aquele que cometeu um crime e oferecer ferramentas para que o mesmo se recupere é um passo à caminho da construção da paz.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apac2

APACs

Apac-Itauna

Apac Itauna

Apac

Fotos: reprodução/APAC

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,056,852SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cão recebe diploma de universidade após acompanhar cadeirante nas aulas

A norte-americana Brittany Hawley e seu cachorro Griffin são inseparáveis: onde ela vai, ele vai junto. Portadora de uma doença rara que a faz sentir...

Mãe e filho se reencontram em SP após ficarem separados por 24 anos e 9.500 km

Em maio do ano passado, o edifício Wilton Paes de Almeida, no centro de São Paulo, veio abaixo, deixando centenas de famílias sem teto,...

Artista desafia as convenções em torno da masculinidade em sua nova série de pinturas

Paul Richmond é um artista renomado de Ohio e em sua nova coleção, chamada "Pintura de Guerra" ele "investiga a construção de identidade" e masculinidade. A...

Bebê cervo se recusa a sair do colo de eletricista que o resgatou

Um filhote de cervo chorou feito uma criança quando esse eletricista tentou devolvê-lo para a natureza após ser resgatado. O rapaz e outros colegas trabalhavam...

Paris vai ganhar primeira aldeia flutuante no meio da natureza

Em poucos anos, um estacionamento à beira de Paris vai se transformar no que os arquitetos chamam de "uma aldeia flutuante no meio de uma...

Instagram

Conheça a cadeia sem policiais, nem armas e que nunca teve uma rebelião no país 2