Garoto de 13 anos reúne 2 mil cordéis e cria ‘cordelteca’ em Bauru (SP)

Desde os cinco anos de idade, após assistir ‘Lampião, o Rei do Cangaço’ (1964), Pedro Popoff nutre interesse e admiração pela cultura nordestina. Daquele encontro em diante, ele começou a desbravar as diferentes manifestações artísticas do Nordeste brasileiro, principalmente o cordel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Hoje com 13 anos, Pedro, que vive em Bauru, no interior paulista, ajuda a divulgar a cultura nordestina em sua escola e já recebeu muitas doações de cordéis. Boa parte vinda de autores!

Em 2017, Pedro começou a planejar a criação de uma biblioteca específica para obras de literatura de cordel e em abril de 2019, aos 13 anos, conseguiu realizar este sonho. Para isso, ele contou com o apoio de poetas e academias especializadas.

Adolescente reúne dois mil cordéis e cria 'cordelteca' SP

‘Cordelteca’

A cordelteca foi batizada de Gonçalo Ferreira da Silva, em homenagem a um poeta de Ipu, no Ceará, conhecido por ser um dos fundadores da Academia Brasileira de Literatura de Cordel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também:

O adolescente ficou conhecido na região, sendo chamado de Pedro do Cordel, especialmente por usar roupas características e acessórios típicos do sertão. Ao lado dos pais, ele desenvolveu o projeto Brincando de Cordel, onde visita escolas e participa de eventos para falar sobre a cultura nordestina.

Para inaugurar a cordelteca, Pedro fez uma vaquinha virtual, conseguindo arrecadar pouco menos da metade do valor necessário para reformar o espaço. Trocou então o presente de aniversário pelo restante em dinheiro necessário para concluir a reforma, com o apoio dos pais. Além disso, recebeu contribuições de familiares e de alguns empresários.

Pedro já conseguiu reunir cerca de 2 mil obras através de doações de diversos artistas.

Adolescente reúne dois mil cordéis e cria 'cordelteca' SP

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além do acervo literário, a cordelteca conta com objetos de origem nordestina, como uma coleção de chapéus e um gibão doado pelo poeta Chico Neto Vaqueiro, de Fortaleza (CE).

A cordelteca está localizada na Rua Treze de Maio, 12-45, na região central de Bauru. Fica aberta de segunda à sexta-feira, das 9h às 17h; aos sábados, das 9h às 13h. Visitas monitoradas devem ser agendadas pelo telefone (14) 99731-5676.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Folha/Fotos: Jaime Prado/Divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,833,091SeguidoresSeguir
24,677SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Empresário boliviano largou tudo para cuidar de cães abandonados

Todos os dias, logo antes do amanhecer, Fernando Kushner percorre as ruas de La Paz com sua van para alimentar os cães de rua...

Todos cantando o hino nacional no Metrô de SP

Lindo demais, vale a pena compartilhar com vocês o povo unido cantando em alto e bom som o nosso hino, que nunca foi tão...

Ex-prefeito e vereador reeleito analfabeto aplicou 37% do orçamento na educação

Ele conta que na infância não podia estudar porque o pai precisava dos filhos trabalhando na roça.

Crianças choram no mercado e são acalmadas por um anjo, diz mãe

A professora Rebecca Paterson é mãe de duas crianças, um menino de 2 anos e um bebê de 2 meses. Era uma tarde de...

Instagram

Garoto de 13 anos reúne 2 mil cordéis e cria 'cordelteca' em Bauru (SP) 3