Garoto cria “Cordelteca” aos 13 anos de idade e conta com doações para manter espaço com mais de 2 mil obras

Aos 13 anos de idade, Pedro Popoff, hoje com 15, trocou a sua festa de aniversário pelo grande sonho de ter uma Cordelteca em Bauru (SP). Atualmente, o lugar reúne mais de 2 mil obras e outros objetos da cultura nordestina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas com a pandemia, manter o projeto do próprio bolso e alugar equipamentos tem sido bem difícil. O espaço precisa de recursos como cadeiras, projetor, computador, caixa de som e amplificadores, para atender mais crianças e jovens. Para dar uma força e não deixar que a Cordelteca encerre suas atividades, estamos com a sua vaquinha. Clique aqui e contribua!

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Sobre a Cordelteca

A Cordelteca “Gonçalo Ferreira da Silva”, em homenagem a um poeta de Ipu, no Ceará, conhecido por ser um dos fundadores da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, foi montada com o apoio de vários poetas e academias especializadas.

Pedro também tem o projeto Brincando de Cordel, em que ele visita escolas e participa de eventos para falar sobre a cultura nordestina e usa o cordel para falar sobre bullying e violência. Nos ajude a manter esse espaço aberto, contribuindo com a vaquinha.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Paixão pelo cordel

“Sou apaixonado por cordel e por toda a cultura nordestina. Tive meu primeiro contato com a arte feita nessa região do país quando tinha 5 anos de idade. Ocorreu de forma espontânea, pois estava no computador, acessando a internet, quando encontrei por acaso um filme sobre o cangaço. Foi “Lampião – Rei do Cangaço”, de Carlos Coimbra. Por pura curiosidade, assisti ao filme e fiquei maravilhado. A partir daí, comecei a pesquisar mais e uma coisa levou a outra”.

Que coisa linda, né?! Vamos dar essa força para a Cordelteca não parar?! Os recursos da vaquinha serão destinados à compra de todos os equipamentos que o local necessita: cadeiras, projetor, telão, computador, caixa de som e amplificadores. Vêm ajudar!

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

“Eu não tenho nenhum parente nordestino, mas amo o Nordeste”

Desde os cinco anos de idade, depois de assistir ‘Lampião, o Rei do Cangaço’ (1964), Pedro Popoff nutre interesse e admiração pela cultura nordestina. Daquele encontro em diante, ele começou a desbravar as diferentes manifestações artísticas do Nordeste brasileiro, principalmente o cordel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Antes disso, com 3 anos, eu vi uma vez no DVD do Chico Bento, né? Uma cena que ele cantava a música ‘Menino da Porteira’. E daí, com 5 anos de idade, mais ou menos, apareceu no meu computador, no YouTube, o filme do Lampião”, contou o rapaz.

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Com 8 anos, uma escola de Bauru (SP), onde Pedro mora, convidou ele para fazer um bate-papo com os alunos e falar sobre cordel, sua grande paixão. ❤️

“E daí outras escolas foram chamando, e outras e mais outras, e hoje em dia, tenho o projeto ‘Brincando de Cordel’, que eu falo sobre essa minha paixão, além de temas sociais como a Lei Maria da Penha (em cordel), que é do Tião Simpatia, e também sobre bullying”, disse.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Projeto destinado para crianças

“Já com meus 10 anos, meu tio pegou o carro e foi comigo e com a minha mãe lá para o Rio de Janeiro, para a feira de São Cristóvão. Fiquei duas semanas lá, cantei com Alceu Valença lá, no aniversário de 70 anos dele”. O encontro foi mais uma razão para Pedro se apaixonar pela cultura nordestina. ✨

Agora, com 15 anos, Pedro mantém o projeto ‘Brincando de Cordel‘, onde aborda aspectos da cultura brasileira em geral, extrapolando fronteiras e regionalismos. Daí a importância da cordelteca… Clique aqui para ajudá-la a continuar funcionando!

Até aqui, a iniciativa já passou pelo estado de São Paulo, Minas Gerais, pelo nordeste, e já impactou cerca de 21 mil crianças.

“Minha família, graças a Deus, me apoia em tudo que eu faço. Meus pais são meus produtores que ajudam em tudo”, salientou Pedro.

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Espaço aberto ao público

Antes da pandemia, o espaço recebia cerca de 40 alunos por vezes. “Nós fazemos a visitação e vem turmas de alunos das mais diversas escolas”, disse Pedro.

Além de ser aberto ao público, há visitas monitoradas com a participação do rapaz, onde ele conversa com as crianças e apresenta a literatura de Cordel. “Também falo sobre a xilogravura – a capa do cordel, muitas vezes feita em madeira“.

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Trata-se de uma literatura muito versátil, enfatiza Pedro, com textos sobre Galileu (astronomia), cinemática, física, química, história… Porque a literatura de cordel tem essa leveza, esse modo de trazer na rima algo muito leve.

Nordeste, o melhor lugar do mundo. Viva meu nordeste! ❤

Ajude o Pedro a manter esse lindo projeto fazendo uma contribuição clicando aqui. Aceitamos Pix, sem doação mínima 😉

vaquinha voaa cordelteca pedro popoff

Você pode acompanhar o trabalho do Pedro pelo Instagram através desse link.

Assista ao vídeo:

Fotos: VOAA

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,642,968SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fotógrafa faz calendário com atletas nus para motivar pessoas e promover caridade

Dominika Cuda é fotógrafa e ex maratonista e teve uma ideia maravilhosa para começar 2018 com o pé direito:  ela reuniu atletas de várias...

Vídeo-campanha faz um alerta sobre a desvalorização do professor. Assista!

A rede Multisom produziu um vídeo-campanha que faz um alerta sobre a desvalorização dos professores colando em suas lojas cartazes com erros de português....

Papa Francisco envia carta desejando felicidades a casal gay que batizou filhos

Em suas declarações, o papa Francisco sempre ressalta a importância de amar e respeitar ao próximo, independente de raça, sexo, religião ou orientação sexual. Há...

Mãe e filho se reencontram após 30 anos de separação forçada graças a uma carta

Tudo tem sem tempo, né não? Depois de trinta anos sem saber o paradeiro da sua mãe biológica, o jornalista Rodolpho Rafael investigou um...

Homem salva filhote de elefante o carregando nas costas

O que você faria se estivesse andando e se deparasse com um filhote de elefante preso em uma vala? Apesar de ainda ser um...

Instagram