Índia se torna a primeira médica de aldeia no MS. Conheça a Dra. Dara!

Nascida e criada na aldeia indígena Te’yikue, na cidade de Caarapó (MS), a jovem índia Dara Ramires Lemes, 25 anos, alcançou seu grande sonho de ser médica. Atuando em um posto de saúde no interior do Estado, ela tem um diferencial que a maioria dos médicos não tem: fala guarani.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Percebo que as pessoas se sentem mais à vontade falando a língua nativa. Todos eles, assim como eu, também falam português. Porém, é um conforto saber que estamos dialogando na mesma identidade cultural”, contou Dara ao site Campo Grande News.

A jovem médica sempre se destacou. Quando era pequena, ainda na escola indígena, suas habilidades com a bola no pé chamavam a atenção de todos. Dara começou a fazer escolinha de futsal e logo depois se viu nas categorias de base de um time de Campo Grande, capital do MS.

Do futebol à Medicina

Mas a menina não ficou muito tempo por lá e logo se mudou para Belo Horizonte (MG) para compor o time de base feminino do Atlético-MG. De acordo com ela, seu pai, Dario, passou a paixão pelo esporte no sangue da família, mas a vontade de ser médica ainda falava mais alto.

“Resolvi parar de jogar bola. Concluí o ensino médio, prestei vestibular e vi que precisava de muito mais para conseguir ser aprovada no meu sonho. Fui adiante. Entrei em um cursinho, estudava diariamente e finalmente consegui passar.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Centro-oeste, Sudeste e Sul

A saga da jovem tinha um novo destino. Após sair do Mato Grosso do Sul e passar por Minas Gerais, sua nova casa seria no Rio Grande do Sul, mais precisamente na Universidade Federal de Santa Maria. Depois de rodar parte do Brasil perseguindo seu sonho, Dara confessa que às vezes parecia difícil terminar sua jornada.

“As dificuldades eram tantas para uma menina indígena de aldeia. Parecia que eu não poderia sonhar tão alto, mas descobri que sim. O sentimento que fica agora é o da gratidão”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Grata por Deus ter me abençoado com pais maravilhosos, proporcionar na minha formação de médica em uma universidade federal e por jamais esquecer de quem realmente sou, de cultivar minhas raízes.”

Para Dara, o futuro de mulheres e homens que, assim como ela, saíram de aldeias indígenas e buscam a área de saúde, é promissor. Na visão da jovem médica, mais e mais pessoas de diferentes etnias terão acesso à universidade.

“Eu acredito que muito em breve teremos mais e mais profissionais assim como eu no sistema de saúde. Já existem universitários cursando Enfermagem, Odontologia e áreas afins que também são filhos de diferentes etnias. Com certeza, assim como eu, também irão se somar no futuro dos povos indígenas”, concluiu.


Gostou da história da Dara? Dá o play e conheça mais sobre este outro jovem!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,429,587SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovens internos criam aquecedor solar sustentável que será construído em abrigo

Jovens internos da Fundação Casa, na cidade de Batatais, interior de São Paulo, desenvolveram um aquecedor solar com canos de PVC e garrafas plásticas,...

Projeto #amornacaixa estimula uso do Instagram em campanha para arrecadar agasalhos

Estamos no inverno, e tradicionalmente temos várias campanhas de arrecadação de agasalho para os que precisam. Mas, para potencializar o uso das redes sociais,...

Por falta de detentos, Suécia fecha 4 presídios

Na Suécia, os problemas de super lotação e rebeliões não são noticiados, por lá, a notícia é outra: quatro presídios e um centro de detenção...

Implante permite que pessoas paralisadas controlem computadores com suas mentes

Poucas coisas superam o valor e a importância da tecnologia, quando ela é aplicada com sabedoria. Agora, graças a um implante que pode ser...

Após matéria do Razões, gari responsável pela sobrevivência de mais de 400 famílias reencontra filhas e irmãs

A gari Francisca reencontrou filhas que não via há mais de 10 anos e irmãs que não via há 18 anos.

Instagram