Criança autista faz amizade com garis e supera medo de interagir com adultos em MG

O pequeno Eduardo Souza Sena, o Dudu, foi diagnosticado com autismo e sempre teve uma certa dificuldade de interagir com adultos. A mãe dele, Diana, conta que o filho sempre se escondia quando um adulto chegava perto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas Dudu, que tem apenas 5 anos, encontrou nos garis que recolhem o lixo em sua rua, uma forma de superar esse medo.

E, então, eles passaram a protagonizar uma das amizades mais lindas que a gente pode ver!

Menino vestido de Gari
Esse é o Dudu! | Reprodução: Google

O caminhão do lixo passa três vezes na semana na cidade de Governador Valadares (MG), onde Dudu mora com os pais. Os garis sempre que passavam em frente a casa dele, brincavam rapidamente, mas o menino se escondia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aos poucos, ele foi perdendo o medo e respondendo às brincadeiras. Hoje, Dudu já espera os amigos na porta de casa e, inclusive, já ajudou a recolher algumas sacolas.

Parte do time

Um dos garis achou uma forma de deixar Dudu ainda mais feliz. Ele deu de presente para o garoto um uniforme completo, com luvas e boné.

Agora com Dudu se sentindo um gari de verdade, ele não perde uma coleta e sai ajudando os amigos, sempre com a fiscalização da mãe.

Menino com equipe de gari
Dudu agora é parte do time! | Reprodução: Google

A mãe de Dudu conta que o menino sempre teve paixão pela coleta e que agora isso só se concretizou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desde os dois aninhos que ele gosta de caminhão de lixo. Ele ganhou um caminhãozinho de brinquedo e todo o lixo que tinha em casa ele colocava no caminhão. Até que ele começou a juntar os lixos da rua. Sempre que os garis passavam era a maior alegria”, conta.

menino com carrinho de brinquedo
Reprodução: Google

Diana diz ainda que nos dias de coleta, Dudu acorda muito cedo para poder se arrumar em tempo. Ela diz que o filho está sempre feliz com a ideia de poder ajudar os garis. “Antes, ele recolhia só o lixo daqui de casa, mas depois desse presente quer juntar o lixo da rua toda, se sente o próprio gari”, completa.

Leia também: Menina com suspeita de coronavírus cola bilhete fofo em saco de lixo e alerta garis

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Robert Pereira da Silva, 23 anos, é um dos garis e diz que o amor que sente do garotinho é algo que emociona ele.

Quando eu comecei a trabalhar, eu via muita gente que discriminava. Com o tempo, eu fui percebendo que muita gente gosta do nosso trabalho. Tenho bastante orgulho da minha profissão”, comenta Robert.

Os pais perceberam o amor do menino quando ele ainda tinha dois anos e gostava de observar o caminhão de lixo passando na rua pela varanda de casa.

Menino com garis recolhendo lixo
Reprodução: Google

Diana também fala que tem certeza que o filho seguirá essa profissão quando crescer. Ela também conta que não vê problema nisso, já que é um trabalho como todos os outros, mas entende que há o preconceito.

Leia também: Garoto comemora aniversário de 4 anos com garis em Rondonópolis (MT)

Viral

Um vídeo de Dudu ajudando os amigos garis tem viralizado nas redes sociais. E quando a gente viu, entendeu o porquê.

É um momento inocente e muito verdadeiro. Vale muito a pena ver e sorrir um pouquinho!

Mas esse Dudu é um fofo, não é?

[ASSISTA: Segundo episódio do programa do Razões para Acreditar: Era Só  O que Faltava!] 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,452,816SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menino grava vídeo dançando para acalmar família enquanto aguarda transplante

Um menino de 12 anos gravou um vídeo dançando no banheiro do hospital onde está internado para mostrar à família 'que está bem'. Jhonnathan Ribeiro...

Homem diagnosticado com paralisia cerebral desafia expectativa médica e brilha como bailarino profissional

Aos três meses de vida, Jerron Herman foi diagnosticado com paralisia cerebral do tipo hemiplegia. Para os médicos ele seria totalmente dependente para atividades...

O amor supera tudo, até o câncer

Em 2006, Gavin Snow descobriu que tinha um melanoma no estágio 3, uma doença geralmente encontrada em pessoas três décadas mais velhas. O tratamento começou,...

Menino de 9 anos usa sua mesada para comprar livros para detentos

"Se essas pessoas começarem a ler, vão ocupar a mente"

Coronavírus: médico atende de graça vizinhos para evitar idas desnecessárias à emergência

A iniciativa também é uma forma de desafogar as UPAs, PSFs, pronto-socorros da cidade para ajudar seus colegas de profissão lidar com a pandemia.

Instagram