Ajude seu pequeno a lidar com sentimentos difíceis! Saiba como

Se para nós, adultos, lidar com desafios como inveja, tristeza e solidão é complicado, imagine para quem ainda dá seus primeiros passos neste mundão. Com essas dicas, entenda como apoiar uma criança diante de situações tão difíceis quanto humanas!

Invista no acolhimento

Sentimentos desafiadores, como de perda, pedem cuidado. Ao dar uma notícia difícil, escolha um ambiente apropriado, em que o pequeno se sinta seguro. E use uma linguagem direta e de fácil compreensão. “Para as crianças menores, de 3, 4 anos, é legal trazer a questão do brincar, usar bonecos para representar as pessoas, contar uma história”, sugere Silvia Vasconcelos, psicóloga, especialista em comunicação não violenta, de Belém. Já para as maiores, a partir de 6 anos, você pode comentar sobre filmes que tenham aquela situação, desenhos ou livros.

Chame pelo nome

Muitas vezes a criança não saberá dizer o que está dentro dela. Pergunte a ela o que está sentindo e, então, nomeie. É raiva? Vergonha? Inveja? Isso ajudará o pequeno ou pequena a se expressar, o que diminui o impacto do desconforto. “Assim, a criança pode se organizar internamente”, diz Mariana Clark, psicóloga especialista em acolhimento e perdas. Essa também é uma forma de autoconhecimento: ao conferir um nome, ela vai, aos poucos, diferenciando um sentimento do outro e pode refletir, antecipadamente, sobre como reagir a cada um.

Olhe de frente

Após identificar o sentimento, explique sua definição e reforce que sentir-se assim é natural. “Ajuda muito se contar sobre você, dando exemplo de como lidou com isso antes”, diz a psicóloga Mariana Clark. No dia a dia, procure também nomear o que se sente. E reforce que primos, irmãos, amigos, todos têm aquele tipo de sentir. Assim, você encoraja a criança a lidar com seus desafios interiores, pois mostra que todos estão sujeitos a eles. “É importante desconstruir a positividade tóxica e explicar que esses sentimentos fazem parte da vida e vão aparecer”, diz Mariana.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fale durante e depois

Sempre que possível, converse sobre os desafios emocionais. Se estiver por perto, fale na hora ou logo após a situação difícil acontecer. Em uma briga no pátio do prédio, por exemplo, chamar a criança em um canto para saber o motivo da raiva, entender as razões da briga e compreender o que está em jogo. “Depois vale retomar a conversa para ensinar que aquele sentimento, assim como outros, que são agradáveis, é genuíno. Medo, raiva, alegria, felicidade: tudo faz parte da vivência”, reforça Silvia.

Nada mais que a verdade

Nunca recorra a mentiras. As crianças tendem a perceber e, com isso, se quebra um pacto de confiança entre você e ela. Em vez disso, ajude-a a entender como passar por aquilo. No caso de uma separação, por exemplo, explique ao pequeno que o pai e a mãe continuam sendo pais dele e que o amam. “Se oferecemos mentiras e silêncio a uma criança, estamos dando a ela desamparo e desconfiança. Ao passo que se oferecemos verdade e escuta, também oferecemos segurança e confiança”, diz Mariana Clark.

Respeite o tempo da criança

Às vezes, o pequeno não vai querer desabafar e nem se mostrará interessado em verbalizar o sentimento. Se for assim, dê um tempo, diga-lhe que estará disponível quando ele se sentir pronto para compartilhar. Ir para o quarto, ficar quieto e pensar no assunto são parte do processo de elaboração. Ainda sobre essa jornada de entendimento e aceitação: não reprima o choro da criança, as lágrimas ajudam a estabilizar o corpo e são uma forma de expressar o sentimento, um caminho para conseguir lidar com o desafio emocional.

Texto: Manuela Aquino
Ilustração: Isabella Magalhães
Conteúdo publicado originalmente na Sorria #83, em fevereiro de 2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

Após diagnóstico de doença rara e de transplante, irmãs criam ONG para incentivar doação de órgãos

Depois de muita espera para conseguir um transplante de rim, Eva Marques, de 40 anos, de Campinas (SP), e as irmãs decidiram ajudar quem...

Germana fundou uma associação para apoiar crianças com microcefalia. Conheça a história dela

Na União de Mães de Anjos (UMA), Germana Soares, de Recife (PE), se uniu a outras mães de criança com microcefalia, como seu filho,...

+ DO CANAL

Ela se formou pedagoga aos 52 anos e decidiu dar aulas para idosos

Por ter trabalhado desde muito nova, Eunice dos Santos só se formou na faculdade aos 52 anos, em 2014. Com o diploma de pedagoga,...

Após precisar fechar o próprio negócio, ele criou um curso sobre empreendedorismo na periferia

Depois de perceber a dificuldade de acesso a informações sobre administração e negócios, Luis e a sócia, Jennifer, de São Paulo, criaram um curso...

Germana fundou uma associação para apoiar crianças com microcefalia. Conheça a história dela

Na União de Mães de Anjos (UMA), Germana Soares, de Recife (PE), se uniu a outras mães de criança com microcefalia, como seu filho,...

Ele fundou e mantém circo em homenagem a mãe, artista circense. Conheça a história de Círio

Filho de artistas circenses, Círio Brasil, de 47 anos, de Fortaleza (CE), tem paixão pelo picadeiro. Em 2002, sua mãe, famosa por seus números...

Ela fundou um projeto que incentiva crianças em abrigos a contar suas histórias para transformar a própria vida. Veja!

A psicóloga Cláudia Vidigal, de São Paulo (SP), criou o Instituto Fazendo História, em que crianças que vivem em abrigos são encorajadas a registrar...

Instagram