Crianças autistas fazem crossfit para ampliarem sua autoconfiança e interação social no Havaí

Muito se engana quem pensa que academia de musculação é uma coisa puramente superficial, aquela imagem passada pelos vários espelhos de um Instagram.

Indo além dos estereótipos, mostramos uma academia – e mais especificamente uma de crossfit no Havaí, que oferece aulas especiais para crianças com autismo ampliarem sua autoconfiança, autoestima e interação social.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O programa é uma parceria entre a academia de crossfit Hi Town e as ONGs Hawaii Chapters of Easter Seals e Talk About Curing Autism (TACA), focadas em atender pessoas com autismo e/ou necessidades especiais. Através dos movimentos propostos em aula, que inclui exercícios funcionais baseados em tarefas diárias, as crianças são acompanhadas por instrutores e profissionais de saúde mental.

Academia no Havaí tem aulas para crianças com autismo

Como o crossfit é baseado em motivação e tem escala universal, acaba sendo uma prática inclusiva, que não depende de experiências e habilidades específicas. Direcionado para o público infantil, o projeto havaiano é organizado por Ian Ajimine, dono da academia, que tem uma conexão pessoal com o transtorno de desenvolvimento. “Meu primo é autista, então eu cresci vendo minha tia e o tio criá-lo. Não tinha um monte de coisas que ele poderia fazer, então eu queria dar um lugar, usar meu ginásio, meus recursos, meus talentos para devolver e ajudar essas crianças a correr e ficar em forma”, disse ao jornal local, KITV.

Criando ações em conjunto com as instituições, atendem 12 crianças por aula com apoio de 25 voluntários. Atualmente, eles estão estudando os resultados para aperfeiçoar o programa. Pelo autismo ser extremamente pessoal, diferente para cada indivíduo, pode ser que seja interessante dividir as turmas por idade, nível de desenvolvimento psicológico ou habilidades.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Academia no Havaí tem aulas para crianças com autismo

As estatísticas mais recentes do CDC – Center for Disease Control and Prevention – mostram que uma em cada 50 crianças está vivendo com autismo na América do Norte. Surpreendentemente, os convênios médicos no Havaí não cobrem os custos de tratamento para o autismo. Por causa do projeto, elas ao menos têm a acesso à atividades gratuitas que certamente tornam seu dia melhor e auxiliam na vida familiar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Academia no Havaí tem aulas para crianças com autismo

Academia no Havaí tem aulas para crianças com autismo

Academia no Havaí tem aulas para crianças com autismo

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fotos: divulgação/Hi Town Crossfit

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,560,438SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Muro da Gentileza estimula o gesto de doar para pessoas que vivem em bairros pobres

A Pestalozzi de Campo Grande (MS) educa e atende uma média de 700 pessoas portadoras de necessidades especiais, físicas e psicológicas, oferecendo diversas atividades,...

Menina síria que o pai fazia rir das bombas escapa da guerra: ‘Não há mais explosões’

Duas semanas atrás, o sírio Abdalla Mohamed, 32 anos, pai da pequena Sawa, 3 anos, gravou um vídeo brincando com a filha tentando acobertar...

Brasileiras são finalistas em programa de empreendedorismo social de Harvard

A Universidade de Harvard nos EUA está organizando o primeiro programa chamado “Village to Raise a Child”, que visa selecionar e tornar conhecidos os projetos...

Projeto facilita você a doar comida que sobrou em sua casa e que iria para o lixo

O mais legal é que a ideia pode ser levada para o lugar onde você mora!

Hospital abona dívida e oferece tratamento integral a bebê de noiva que morreu

A noiva Jéssica passou mal um pouco antes de entrar na igreja, ela estava grávida, foi submetida a um parto de emergência e o bebê sobreviveu. O noivo Flávio estava com uma dívida de mais de 20 mil reais referente ao atendimento.

Instagram