Conheça Bosco Farias: deficiente visual e ritmista de um bloco de carnaval de Fortaleza

O Bosco Farias, 34 anos, é deficiente visual e toca na bateria do Camaleões do Vila, escola de percussão e bloco de carnaval de Fortaleza, no Ceará.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Bosco perdeu a visão quando tinha 13 anos por causa de um glaucoma conjunto. Ele nasceu com a doença, mas ela só se manifestou a partir dos 12 anos. A falta de visão, no entanto, não o impediu de aprender a tocar instrumentos de percussão. Ele tinha vontade de tocar em um bloco de carnaval e não deixou escapar a oportunidade quando ela apareceu.

“Eu já tinha interesse e quando veio a oportunidade aproveitei. A noção de tempo e ritmo eu já tinha por conta do pagode que eu toco desde 2000. Nunca fiz aula, quando eu comecei foi sempre muito de ouvido. Os meninos que tocavam comigo que me ensinaram muita coisa”, disse em conversa com o Razões para Acreditar.

Leia também: Ela desenvolveu um jeito próprio de tocar violino por causa de doença rara e encanta com uma sonoridade única

Ele conheceu o Camaleões do Vila através de um amigo, que também toca na bateria do bloco. Participou de uma seleção e foi aprovado. Surgiu então o desafio: como Bosco participaria do cortejo na Avenida Historiador Raimundo Girão?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

deficiente visual ritmista bloco carnaval fortaleza
Bosco e Rafael no cortejo do bloco Camaleões do Vila

O diretor de tarol e caixa, instrumento que Bosco toca na bateria, Ítalo Nobre, desenvolveu uma série de sinalizações no corpo de Bosco para ele saber o momento de executar as bossas e breques das músicas. Um ritmista veterano, Rafael Gomes, aceitou o convite para acompanhar Bosco no cortejo e marcar as sinalizações no seu corpo.

“Especificamente, pra andar, eu coloco a mão no ombro esquerdo; quando é pra parar, eu dou dois toques no ombro; quando é a virada de segundo, dou dois toques no ombro e tiro; pra dar a virada de terceira, eu dou dois toques no ombro direito; pra parar, dou um toque na barriga. Aí tem outros sinais que são da própria bateria”, explica Rafael.

Até o dia da nossa conversa, Bosco tinha participado de um cortejo. Segundo ele, a sensação é inigualável. “É uma energia muito boa! Embora eu já tocasse e já tivesse me apresentado em público, ali é outra energia. A caminhada foi muito tranquila e, inclusive, dá pra você caminhar no ritmo”, afirma Bosco, sorrindo.

“Foi uma das maiores experiências que eu já tive na avenida, sabe? O que eu falar não chega nem perto do que foi lá na avenida”, comenta Rafael, lembrando que o bloco inteiro se emocionou com a presença de Bosco.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Nossa bateria é inclusão e exemplo de como samba pode mudar a vida das pessoas! Esse é o Bosco, nosso ritmista da caixa. Ele é deficiente visual e está desfilando pela primeira vez com nosso bloco. O diretor de caixa e tarol, Italo Nobre, desenvolveu uma série de sinalizações no corpo do Bosco para que ele saiba executar as bossas e breques das músicas! O Rafael Gomes é um ritmista veterano que acompanha o Bosco na avenida, guiando e sinalizando para ele os movimentos que ele deve fazer com seu instrumento! Nós estamos muito felizes e orgulhosos em ter pessoas tão especiais com a gente! #camaleoesdovila #ondaverde #inclusao

Uma publicação compartilhada por Camaleões do Vila (@camaleoesdovila) em

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Estudante cria dispositivo que ajuda menina a tocar violino com uma mão só

Toda a preparação foi feita na base da tentativa e erro. Bosco pesquisou outros ritmistas deficientes visuais, mas não encontrou nenhum caso. “Eu pesquisei na internet, consultei amigos cegos em outros estados, se alguém sabia de algum ritmista de escola de samba que tivesse deficiência visual. O máximo que eu encontrei foi um grupo de bateria de pessoas com deficiência visual.”

deficiente visual ritmista bloco carnaval fortaleza

deficiente visual ritmista bloco carnaval fortaleza

“Eles que se superaram”

Bosco não considera tocar no bloco uma “superação” sua. Ele diz que a superação é de Ítalo, que desenvolveu as sinalizações, e de Rafael, que o acompanhou no cortejo. Até porque todo mundo tem dificuldades e precisa se superar a cada dia, acredita.

“Não é só porque uma pessoa tem deficiência que ela é exemplo de superação. Superação é quando a gente se dispõe a sair da nossa zona de conforto pra que outra pessoa atinja seus objetivos. Então, pra mim, quem se superou foi o Ítalo e o Rafael. Eles que se superaram! Eu só tô fazendo o que eu gosto, com a ajuda deles dois e do bloco”, finaliza Bosco.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

deficiente visual ritmista bloco carnaval fortaleza

crédito das fotos: Reprodução/Instagram @camaleosdovila

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,637,823SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menino retorna às aulas usando camiseta com recado aos coleguinhas solitários: “Serei seu amigo”

Ao término das férias, as crianças geralmente se comportam de duas maneiras com a volta às aulas: ou ficam felizes por saberem que poderão...

ONG que ajuda crianças e jovens de abrigo faz vaquinha para verem ‘Pantera Negra’ e conseguem 200% da meta

"Que a representatividade do herói negro, a força da mulher, o poder das virtudes, da verdade e do amor inspirem essas crianças e jovens!"

Desconhecido doa boneco Woody para menino autista que perdeu o dele em SP

Além do Woody, Deni deu seu Buzz Lightyear para Nathan.

Barbeiros cortam cabelo de autistas onde eles se sentem mais seguros

Dois barbeiros do Reino Unido cortam o cabelo de crianças e jovens autistas onde eles se sentem mais seguros e confortáveis. "Atendemos algumas crianças autistas....

Pai faz time-lapse compilando o aprendizado de sua filha até começar a andar

Nick Turner teve uma ideia simples, mas genial: filmar diariamente todo o processo de tentativa e erro de sua filha Lucy aprendendo a andar. Vemos Lucy tropeçando...

Instagram