Delegada de polícia transexual dá depoimento inspirador sobre respeito e aceitação

Através de um vídeo feito pelo Ministério dos Direitos Humanos, Laura, uma delegada de polícia transexual conta sua história e afirma que merece estar onde está hoje. Ela diz que sempre se viu como uma mulher transexual, desde que era criança e que por volta dos 3o decidiu fazer a operação de redesignação sexual.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela diz que apesar da polícia enquanto instituição ser considerada extremamente machista, ela se sente acolhida e respeitada e que as pessoas só deveriam ter o direito de julgar o trabalho dos outros e mais nada, pois é só isso que importa no ambiente corporativo.

Laura vive e trabalha em Goiás e neste vídeo ela conta um pouco de sua trajetória e afirma como é importante que as pessoas respeitem as diferenças e que aprendam a conviver com elas. Ela trabalha como delegada de polícia há 7 anos e que o fato de ela ser delegada, ajudou ela a fazer sua transição de maneira mais elaborada, sempre preservando a instituição que ela trabalha.

Ela, inclusive afirma que sempre teve muita receptividade com seus colegas de profissão e que os preconceitos que ela sofreu no começo, até mesmo exercendo sua profissão, sempre foram superados com muita tranquilidade. Se você quiser assistir o vídeo inteiro é só clicar aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações de Yahoo

Fotos: reprodução vídeo Yahoo

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,752FãsCurtir
1,764,126SeguidoresSeguir
8,645SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram