Depois de “falir”, cozinheira prova sua capacidade de resiliência e leva quentinhas a lugares que nunca imaginou

A gastronomia é a grande paixão da chef pernambucana Maria da Conceição Melo, de 48 anos. Mas nem sempre foi assim, quando mais jovem ela queria ser recepcionista hospitalar. Achava linda a profissão e até fez um curso.

Anos atrás, cheia de esperanças, Ceiça, como é chamada pelos amigos mais próximos, foi deixar o seu currículo em um hospital do Recife, mas chegando lá, a recrutadora informou que a seleção era para serviços gerais.

Maria já vendia quentinhas nessa época, porém, precisava de uma renda extra para bancar o transporte e outras despesas da filha que havia ganhado uma bolsa de estudos em uma escola particular.

cozinheira atende cliente em sua barraquinha de comida debaixo de ponte
Maria com a sua barraquinha de quentinhas na rua. Foto: Maria da Conceição Melo/arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela pedia a Deus para que o trabalho no hospital fosse no período da noite, e assim não ter que parar de vender as Quentinhas da Cheff durante o dia. Suas preces foram ouvidas!

No hospital, Maria conheceu uma colega que estudava gastronomia. Ela, então, não pensou duas vezes e foi também fazer o curso para aperfeiçoar suas técnicas na cozinha. Seu negócio cresceu e nunca Maria vendeu tantas quentinhas.

“Às vezes, não acreditava que aquilo estava acontecendo comigo. O retorno financeiro era muito bom”, lembra.

“Praticamente perdi tudo”

Mas do mesmo jeito que a ascensão foi rápida, logo Maria precisaria se reinventar, mais uma vez. Depois que concluiu a faculdade, Maria passou por um período bem difícil na sua vida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Viu seu faturamento despencar com a queda nas vendas, também não estava mais trabalhando no hospital – as quentinhas eram sua única fonte de renda –, e, no meio disso tudo, se divorciou do pai da sua filha.

“Praticamente perdi tudo. Fui pro zero. Zerei, zerei. Só que eu não sou mulher de desistir, não. Tombo, mas me levanto!”, disse.

Desistir? Jamais!

Ceiça vendeu quentinhas no centro do Recife em cima de uma bicicleta durante quatro meses. Depois, retornou para seu antigo ponto, na avenida principal do bairro onde ela mora.

Após um período morando com uma tia até se estabilizar, pegou sua parte da venda da casa que dividia com o ex-marido e comprou uma casa nova. Foi vendendo quentinhas que Maria pagou as parcelas restantes, pois o valor que tinha não era suficiente para quitar a casa de uma vez só.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O que eu tiro de tudo isso é que com esperança, trabalho, força, acreditando, a gente consegue”, afirma.

chef em cima de bicicleta adaptada para vender suas quentinhas na rua
Maria encarou as dificuldades com um sorriso. Foto: Maria da Conceição Melo/arquivo pessoal

Na casa nova, Maria montou uma pequena cozinha industrial, onde, desde junho do ano passado, prepara as quentinhas que vende pessoalmente, por telefone e pelo aplicativo 99Food, o aplicativo de delivery da 99.

Maria pensava que o app era apenas para os grandes restaurantes

E você acredita que Maria achava que só os grandes restaurantes poderiam usar a plataforma?

“Foi uma amiga quem indicou. Eu ficava meio receosa de me cadastrar. Mas aí ela falou que era fácil e simples. Achava que o aplicativo era só para restaurantes grandes”, conta.

Segundo ela, foi uma das melhores coisas que aconteceu para o seu negócio!

“Eles dão uma visibilidade muito grande. Minha comida já chegou em lugares que eu nunca imaginei que chegariam. Eu fico curiosa, né? Pergunto aos entregadores. Muitas vezes, falam que vão pra um bairro que eu nunca pensei. Os bairros mais nobres de Recife”, diz, surpresa.

chef prepara comida em cozinha dentro de casa
Maria montou uma pequena cozinha industrial na sua casa. Foto: Maria da Conceição Melo/arquivo pessoal

“Tem pessoas que ligam porque viram as Quentinhas da Cheff no app. Achava que o aplicativo era só para restaurantes grandes. Mostrou o quanto o meu trabalho é bom como de qualquer outro restaurante”, conclui a chef.

O próximo grande sonho de Maria é fazer uma pós-graduação em cozinha pernambucana, para trazer maior diversidade ao seu cardápio e conquistar ainda mais o paladar de seus clientes.

Só vai, Maria, e se um dia eu passar por essas bandas, quero provar o menu completo! 😍

Relacionados

Em Fortaleza, motorista de app encontra R$ 8 mil e devolve para passageira

“Não é questão de honestidade, mas de respeito, bom trato e bom senso”, afirma o motorista parceiro da 99, Eduardo Parranhos Neto. Ele encontrou um...

Amor de pai! Após perder a esposa, viúvo dá exemplo de paternidade ativa sem (falso) heroísmo

Erivaldo Aparecido da Silva, 38 anos, trabalhador, viúvo. Pai-herói por criar os dois filhos sozinho? O motorista parceiro da 99 dispensa o rótulo. “Se...

+ DO CANAL

Em Fortaleza, motorista de app encontra R$ 8 mil e devolve para passageira

“Não é questão de honestidade, mas de respeito, bom trato e bom senso”, afirma o motorista parceiro da 99, Eduardo Parranhos Neto. Ele encontrou um...

Com dinheiro de corridas, motorista faz faculdade de psicologia para atender usuários da Cracolândia de SP

Com horário certo para entrar e outro para sair nas empresas de telemarketing por onde passou, Juliana dos Santos, de 34 anos, decidiu se...

Amor de pai! Após perder a esposa, viúvo dá exemplo de paternidade ativa sem (falso) heroísmo

Erivaldo Aparecido da Silva, 38 anos, trabalhador, viúvo. Pai-herói por criar os dois filhos sozinho? O motorista parceiro da 99 dispensa o rótulo. “Se...

Mulher ao volante: motorista é premiada com maior número de avaliações positivas no RJ

Quem nunca ouviu, ou repetiu, mulher no volante, perigo constante? Claudia Grugel dos Santos é motorista parceira da 99 há três anos e por...

Em vez de usar cupons de desconto, influenciadora doa refeições a moradores de rua e crianças com câncer

A digital influencer Andréia Porto Costa e a 99Food, plataforma de entrega de comida, se uniram em uma ação de solidariedade e cidadania. Déia, como é conhecida nas redes sociais,...

Instagram