Desconhecidos compram livro para ajudar escritora que se endividou com gráfica

Essa história daria um livro! Qual jovem que gosta das letras nunca sonhou em publicar um livro? Esse era o desejo de Caira Lima, 22, mas o sonho virou pesadelo, só que com final feliz.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Caira se endividou toda para publicar a primeira edição do “A dor mais doída”. Gastou o que tinha e o que não tinha, levou um calote da editora, teve que procurar uma gráfica, gastou mais, publicou e, de repente, veio a pandemia e ela não teve mais como vender os exemplares nos eventos e feiras literárias.

Essa é a sinopse da história. A paraense de São Félix do Xingu foi estudar jornalismo em Palmas (TO). O TCC foi um livro-reportagem sobre o tema violência obstétrica e o material ficou tão bom que ela decidiu publicar. E aqui começa a saga.

Ela contratou uma editora e realizou um primeiro pagamento através de uma vaquinha que tinha feito. A data de lançamento foi marcada, mas na véspera a editora disse que o livro não ficaria pronto e sugeriu cancelar o lançamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Aí não dava, minha família toda já tava vindo pra Palmas. Até uma tia funcionária pública mudou as férias para vir. Não dava pra cancelar”, relembrou. Para não frustar a família, Caira correu e imprimiu os livros na própria cidade. “Um material bem ruim, sem ISBN, fiquei triste, mas foi”, disse.

Mão segurando livro
Livro publicado com nova editora saiu rapidinho. Foto: Arquivo pessoal

Em resumo, a editora não mandou os livros e ela teve que contratar uma gráfica. “Muita gente já tinha pago e eu tinha que entregar. Já era Natal, eu ia voltar pra minha cidade e tinha que levar os livros. Então peguei meu décimo terceiro e mandei rodar em uma gráfica”, explicou.

Nossa, essa história faz pensar na insistência em torno de um sonho né? E a menininha que fazia livros à mão para vender e conseguir reformar a casa da família. Conheça essa história linda clicando aqui.

Pandemia cancelou eventos, escritora não vendeu os livros, mas internautas compraram

Em posse dos 500 exemplares, bastava a Caira vender os livros para quitar a dívida com a gráfica. Mas aí veio um novo e inesperado capítulo nessa história: a pandemia do coronavírus.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Caixa de livros
Livros ficaram engavetados porque não tinha como vender. Foto: Arquivo pessoal

Os eventos foram cancelados e ela não conseguiu vender os livros. Aí surgiu a ideia de postar sobre o problema no Twitter. “Não achei que fosse dar certo. Achei que ia ser muito criticada, de acharem que era mentira”.

Mas foi exatamente o contrário, muita gente apoiou e encomendou o livro. Ela já recebeu o pedido de 200 pessoas depois da postagem. Foi tanta mensagem que o DM travou.

“Fiquei muito surpresa, a repercussão foi enorme, com respostas muito positivas. Eu chorei de tanta alegria e tô até agora assim anestesiada de saber que existe tanta gente boa no mundo“, disse. Tem sim, Caira, muita gente boa nesse mundo!

Foi muita gente encomendando o livro logo após a postagem:

Print do Twitter

Com as vendas depois da postagem, ela já conseguiu o dinheiro e quitou a dívida com a gráfica.

Ajude você também um homem que mora num castelo de areia a viver numa casa digna. Morar em castelo de areia parece coisa de livro ou filme, mas aconteceu no Rio de Janeiro. Criamos uma vaquinha no VOAA. Clique e contribua!

Tio de Caira fez ilustrações do livro à mão e mandou por ônibus

Esse é um livro literalmente feito a muitas mãos. As ilustrações da edição foram feitas pelo tio de Caira, Jhol Alves. Ele mora no pequeno distrito de Taboca e enviou as obras em um ônibus para São Félix do Xingu, onde o pai de Caira recebeu, digitalizou e enviou para ela.

Ilustrações

Depois uma amiga computadorizou as imagens. “Quero conseguir vender livros suficientes para presenteá-lo com equipamentos profissionais para ele fazer ilustrações“, disse.

Ilustrações

A jovem escritora sempre teve incentivo dentro da família para seguir com os estudos e a leitura, apesar das dificuldades financeiras. “Aprendi a ler muito cedo, com 4 aninhos de idade, e sempre fui muito motivada a ler, pelos pais, tias”. Tanto é que todos participaram desse momento do lançamento do seu primeiro livro.

Foram madrugadas e madrugadas escrevendo, produzindo. Uma amiga fez a diagramação de graça. “Eu sempre acreditei que a informação, a leitura, pode mudar o mundo. O livro é a realização da minha vida, a melhor coisa que eu já fiz“.

Caira tem apenas 22 anos. Foto: Arquivo pessoal

Livro fala sobre violência obstétrica

“A dor mais doída” é um livro-reportagem que trata de um tema muito delicado: a violência obstétrica, que muitas mulheres sofrem na hora do parto.

“É um assunto pouco explorado. Me aprofundei no tema, entrevistei mulheres que sofreram, especialistas, relatos muito profundos. É muita dor, dá vontade de chorar, uma dor que não passa. Mulheres com parto traumático, 20 anos atrás, que ainda sofrem e tudo acontece por negligência, por falta de informação, de conhecer seus direitos e de empatia da equipe médica”, disse.

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

Caira estudou em escola pública, enfrentou dificuldades e foi fazer faculdade em Palmas morando de favor. “Eu quis fazer algo que voltasse pra sociedade porque eu estudei numa escola pública e é mantida pelo dinheiro público e sempre quis que voltasse para a sociedade esse investimento. Por isso o livro-reportagem”, disse.

Cartaz de anúncio de livro

Ainda há exemplares disponíveis e você pode pedir clicando aqui. “Queria que todas as mulheres pudessem ler esse livro pra se informar, que todos os médicos pudessem ler esse livro para saber que a dor que eles causam nunca vai passar”, finalizou.

O livro foi literalmente um parto, mas foi assim que “A dor mais doída” se transformou em alegria para Caira.

selo conteúdo originalFotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,838,442SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Revista transforma camisas de time em batas de hospital para dar força a crianças

Em momentos de dificuldade, nada pode ser mais poderoso para uma criança do que usar sua imaginação. Por meio dela, momentos inquietantes e difíceis...

Hotel abre cozinha para produzir 900 marmitas por dia para famílias carentes no PR

A solidariedade e a empatia se tornaram protagonistas desta pandemia. Pessoas tem se unido em causas e projetos de ajuda ao próximo, doando o...

Por que as notícias do bem não aparecem nas grandes mídias

As grandes corporações midiáticas descobriram que o cérebro humano é programado para ficar mais atento a coisas que nos colocam em perigo do que as que nos fazem felizes: o nome disso é Complexo Reptiliano.

Documentário mostra como mulheres bikers estão quebrando paradigma no Afeganistão

Quão importante é nosso direito de ir e vir? E o valor que damos à nossa liberdade? Até que ponto as escolhas são nossas? Acredito que são estas respostas...

Mãe cria página no facebook para filho de 4 anos gostar de usar óculos

Noah Fisher de apenas quatro anos ficou muito triste e chorou quando sua mãe disse que precisaria usar óculos. “Todos vão rir de mim...

Instagram