Dinamarca é o primeiro país a não classificar mais transexualidade como doença mental

A Dinamarca deu um passo importante, e inspirador, na luta contra a transfobia. O parlamento do país anunciou recentemente que não vai mais considerar a transexualidade como doença mental.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A decisão foi publicada pela revista Scientific American. Ela vai dissociar as pessoas transexuais de palavras como distúrbio e transtorno. A Dinamarca é o primeiro país no mundo a tomar essa decisão.

Os ativistas do país esperam que a mudança também ajude a diminuir o tempo de espera de crianças para a cirurgia de redesignação de gênero, que pode levar de dois a dez anos no país.

Com a decisão, os médicos dinamarqueses usarão um código próprio, válido somente no país, no qual a condição sexual do paciente não aparece mais no diagnóstico, o que poderia causar problemas na hora de conseguir um emprego.

Infelizmente no Brasil a transexualidade ainda é classificada uma patologia. Em uma entrevista ao Sindicato dos Psicólogos no Paraná,  a ativista transexual Rafaelly Wiest, aprovada em 1º lugar em Ciência Políticas pelo ProUni em uma faculdade de Curitiba, disse:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

rafaelly_wiest_2-900x600“Eu gostaria de propor ao profissional da Psicologia um exercício sincero: feche os olhos e se imagine com o corpo oposto ao que você tem. Isso é a transexualidade. Você pode apanhar, você pode ser morto (e como matam…), mas você não vai mudar porque você se sente assim. A pessoa trans precisa de apoio para reverter esse quadro ou então ela vai fazer o que tiver que fazer: automedicação, automutilação, injeção de silicone industrial… Por conta dessa violência, a maioria não tem acesso à educação, ao trabalho e vive constantes situações de vulnerabilidade”, reflete.

Para a ativista, despatologizar a transexualidade não significa negar que a população trans precisa de acesso à saúde. “Por exemplo, uma mulher grávida não está doente, mas existe um procedimento clínico para ela por ser gestante. É a mesma coisa para pessoas trans. Só não queremos ser consideradas doente mentais”, questiona Rafaelly. Leia a entrevista completa aqui.

Veja também:

Menina transgênero será capa da edição de janeiro da National Geographic

Menina trans manda recado contra o preconceito: “Eu não sou doente e você não pode me mudar”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações do superpride / Foto via

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,769,066SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Artista argentino cria tanque de guerra munido da arma mais poderosa: livros

Já dizia Nelson Mandela: "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo". Talvez esta frase tenha inspirado...

Sem poluição, Himalaia fica visível pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial

Desde o fim do mês passado, a Índia decretou ordem de quarentena para seus 1,3 bilhão de habitantes. A decisão visa conter a proliferação...

Projeto Rapunzel Solidária, mobiliza-se para levantar a auto-estima de mulheres que lutam contra o câncer.

Para muitas mulheres, os cabelos representam uma marca registrada, símbolo de feminilidade e beleza. Agora imagine, perde-los do dia para a noite. Pois é isso...

Chuveiro itinerante dá “ducha” de dignidade para moradores de rua

Eles recebem sabonete, xampu, condicionador e toalha.

Casal encontra foto tirada em Woodstock e recria momento 50 anos depois

O casal Judy e Jerry Griffin se conheceu no mítico dia 15 de agosto de 1969 - o primeiro dia do Festival de Woodstock,...

Instagram