Dinamarca é o primeiro país a não classificar mais transexualidade como doença mental

A Dinamarca deu um passo importante, e inspirador, na luta contra a transfobia. O parlamento do país anunciou recentemente que não vai mais considerar a transexualidade como doença mental.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A decisão foi publicada pela revista Scientific American. Ela vai dissociar as pessoas transexuais de palavras como distúrbio e transtorno. A Dinamarca é o primeiro país no mundo a tomar essa decisão.

Os ativistas do país esperam que a mudança também ajude a diminuir o tempo de espera de crianças para a cirurgia de redesignação de gênero, que pode levar de dois a dez anos no país.

Com a decisão, os médicos dinamarqueses usarão um código próprio, válido somente no país, no qual a condição sexual do paciente não aparece mais no diagnóstico, o que poderia causar problemas na hora de conseguir um emprego.

Infelizmente no Brasil a transexualidade ainda é classificada uma patologia. Em uma entrevista ao Sindicato dos Psicólogos no Paraná,  a ativista transexual Rafaelly Wiest, aprovada em 1º lugar em Ciência Políticas pelo ProUni em uma faculdade de Curitiba, disse:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

rafaelly_wiest_2-900x600“Eu gostaria de propor ao profissional da Psicologia um exercício sincero: feche os olhos e se imagine com o corpo oposto ao que você tem. Isso é a transexualidade. Você pode apanhar, você pode ser morto (e como matam…), mas você não vai mudar porque você se sente assim. A pessoa trans precisa de apoio para reverter esse quadro ou então ela vai fazer o que tiver que fazer: automedicação, automutilação, injeção de silicone industrial… Por conta dessa violência, a maioria não tem acesso à educação, ao trabalho e vive constantes situações de vulnerabilidade”, reflete.

Para a ativista, despatologizar a transexualidade não significa negar que a população trans precisa de acesso à saúde. “Por exemplo, uma mulher grávida não está doente, mas existe um procedimento clínico para ela por ser gestante. É a mesma coisa para pessoas trans. Só não queremos ser consideradas doente mentais”, questiona Rafaelly. Leia a entrevista completa aqui.

Veja também:

Menina transgênero será capa da edição de janeiro da National Geographic

Menina trans manda recado contra o preconceito: “Eu não sou doente e você não pode me mudar”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações do superpride / Foto via

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,833,091SeguidoresSeguir
24,659SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cachorro adotado por gari ganha uniforme e faz sucesso limpando ruas do RJ

Pretinho, o cachorro do gari Alcenir de Aguiar Oliveira, de 50 anos, ficou famoso em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Indiano cria garrafa de água feita de bambu que pode ser reutilizada indefinidamente

Talvez um dos grandes desafios do século XXI seja observar e sentir o impacto da mudança climática e do aquecimento global e não saber...

Arquitetos constroem minicasas em apenas 6 horas para pessoas em situação de rua

A “Community First Village” fica no estado do Texas. Ela é capaz de fabricar 240 minicasas com tudo o que uma moradia comum tem.

“Filha de pobre também pode ser médica”: Ex-aluna de escola pública tira nota 1000 na redação do Enem

O dia mais importante na vida de um jovem, talvez seja quando ele descobre que entrou na tão sonhada universidade. Podemos multiplicar essa felicidade...

Instagram

Dinamarca é o primeiro país a não classificar mais transexualidade como doença mental 3