Documentário conta história de Zélia Amador, 1ª reitora negra de uma universidade brasileira; assista

Professora, pesquisadora, artista e militante do movimento negro e feminista. A história de Zélia Amador de Deus é cheia de nuances e acontecimentos, como ter se tornado a primeira reitora negra de uma universidade brasileira.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na última segunda-feira (13), foi lançado um documentário gratuito que conta a história de Zélia, celebrando seus anos como educadora e prestando à ela homenagens.

A paraense é considerada um dos nomes mais importantes na luta antirracista e pelos direitos da população negra. Ela também é reconhecida como referência na luta dos povos quilombolas, indígenas e a população LGBT+.

Documentário conta história de Zélia Amador, 1ª reitora negra de uma universidade brasileira; assista 2

Nascida na Ilha de Marajó, no norte do Pará, e criada pela mãe, que era empregada doméstica, Zélia se tornou professora da Universidade Federal do Pará (UFPA), e pouco depois coordenadora da Assessoria de Diversidade e Inclusão Social.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Também foi atriz e diretora de teatro, priorizando produções ligadas ao Movimento Negro. Ao longo de sua docência, foi co-fundadora do Centro de Estudo e Defesa do Negro no Pará (Cedenpa) e do Grupo de Estudos Afro-Amazônicos (GEAM-UFPA).

Em 2012, participou ativamente da criação da “Lei de Cotas” (Lei nº 12.711/2012), sendo forte defensora do sistema de cotas para negros, pardos e pobres nas instituições federais.

Uma história tão rica não poderia deixar de ser celebrada: por isso, os cineastas Glauco Melo e Ismael Machado se uniram para contar a história de Zélia. Tudo foi condensado em um curta-metragem de 24 minutos (disponível logo abaixo).

Além do caráter biográfico, o documentário mostra reflexões de Zélia pontuando a sua relação com a autoestima enquanto mulher negra e seu processo de aceitação.

“O black power foi a minha libertação. O meu cabelo cresceu, foi-se. Bem, eu tinha orgulho do meu black, aí passei a me aceitar e a entender que esse meu corpo tem uma história, história de um povo que foi vilipendiado, história de um corpo que carrega história”, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assista ao vídeo:

Veja também:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Agência Belém
Fotos: Reprodução / YouTube

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,805,747SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileiro pede ajuda para custear estudos em Oxford e promete devolver dinheiro emprestado

Não é novidade pra ninguém que o país está carente de projetos que invistam na educação dos brasileiros. Homero Esmeraldo, de 27 anos, é...

Pais salvam bebê com tratamento descoberto na internet

Um casal do País de Gales conseguiu a cura para seu bebê, que sofria de uma malformação rara, após solicitar aos médicos que ele...

No CE, filha e pai faxineiro são aprovados juntos em universidade federal

Entrar na faculdade depois de passar pelo tão temido vestibular já é emocionante por si só, imagina então quando pai e filha entram ao...

Foto de duas crianças com câncer se abraçando comove a internet

A imagem mostra duas meninas com câncer que, abraçadas, olham a vista do Hospital Infantil de Pittsburgh, no Estado norte-americano da Pensilvânia. A foto foi tirada e divulgada...

Dumont destina parte da venda de coleção para ajudar fundação que combate o câncer de mama

Com essa parceria nasceu a campanha #MulheresdePulso, que está contando histórias de luta e determinação de mulheres em tratamento de câncer.

Instagram

Documentário conta história de Zélia Amador, 1ª reitora negra de uma universidade brasileira; assista 4