Alunos de escola pública em Juscimeira (MT) realizam prova com lanternas e professor abre discurso sobre educação no Brasil

O professor da escola João Matheus Barbosa, no Mato Grosso, fez um grande discurso sobre a educação no Brasil após ver cena impactante de alunos fazendo prova com as lanternas de seus celulares após queda de energia.


PUBLICIDADE ANUNCIE

A cena aconteceu na Escola João Matheus Barbosa, em Juscimeira, Mato Grosso, município de aproximadamente 15 mil habitantes na região sul do Estado, a 200 km da capital, Cuiabá. Durante uma avaliação bimestral da disciplina de Sociologia com a turma do 2º ano B, o professor de História, Filosofia e Sociologia, Fernando Garcia, precisou se ausentar.

E foi nesse momento, à procura de um agente de pátio para ficar em seu lugar e acompanhar as avaliações que houve uma queda de energia devido a manutenções de rede. “Então retornei para a sala e quando cheguei, me deparei com todos os alunos em posse de seus celulares, os usando para iluminarem e realizarem a avaliação. Vale ressaltar que foi uma ação espontânea deles, em momento algum cogitaram o encerramento ou adiamento, pelo contrário, quando sugeri que se acaso houvesse demora no retorno, adiaríamos, todos se negaram e entraram em comum acordo de que a falta de energia não os comprometeria”, conta o professor a Redação do Razões para Acreditar. A publicação foi essa.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

A avaliação se tratava da construção de melhores condições e acerca do papel social de cada um de nós referente às desigualdades sociais e parece que cada um dos alunos estava mais do que destinado a escrever sobre o assunto durante a avaliação não importando se estavam com ou sem luz durante o processo. Segundo o professor, os estudantes daquela turma sempre pareceram entusiasmados, o que o fez propor inúmeras atividades que consistiam na prática do bem-estar comum.

[Matéria continua depois do vídeo abaixo]

Convidamos cinco mulheres que enfrentaram o câncer de mama para falar sobre suas experiências. Mas elas não sabiam que, durante a gravação do vídeo, seriam surpreendidas. Nesta linda homenagem, as filhas presenteiam suas mães com um sutiã especial (para quem viveu o câncer) acompanhado por uma prótese externa, uma espécie de enchimento que encaixa na lingerie. Assista o vídeo e prepare o lencinho:

Mas foi naquele dia específico que ele percebeu a efetiva relação entre processo de ensino-aprendizagem e relações cotidianas. “Presenciei os frutos de tudo aquilo que debatemos e problematizamos durante as aulas. Para um professor que acompanha os desafios cotidianos dos estudantes, aquela não foi uma imagem de alunos que usaram a lanterna do celular para fazerem uma avaliação, era a concretização e a valorização do acreditar no outro como agente capaz de compor seu próprio destino e tornar-se cidadão crítico e reflexivo”, revela.

Leia também: LêComigo promove ação com entrega de livros em escola pública de São Paulo

Abaixo você pode ver alguns projetos que eles realizam na escola com a turma da foto com os celulares e com outras:

Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação Brasil
“Decoração do banheiro feminino como forma de criarmos novos ambientes na escola e promovermos a ideia de coletivização e melhoria dos espaços”, explica o professor Fernando Garcia

Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação Brasil Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação Brasil

Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação Brasil

PUBLICIDADE ANUNCIE

Para Fernando, aquele momento se tornou uma marca do respeito e comprometimento com a educação, afinal eles não continuaram ali por causa da nota em si. “Ultrapassamos a relação de pontuações, foi a prova do comprometimento com a educação e uma das tantas demonstrações de que devemos acreditar nas pessoas e como sempre comento nas aulas: é preciso que sejamos incentivadores de pessoas e bons exemplos”, conta.

Ele que entrou na escola há pouco mais de um ano, iniciou seu trabalho de professor a partir do momento que foi aprovado no concurso público estadual. E foi aí que tudo começou a clarear para ele. Com uma turma tão motivada, Fernando sabia que deveria fazer algo para desenvolver cada vez mais cada um daqueles alunos. Para o professor, hoje a educação brasileira se alicerça em desafios cada dia maiores. “Nós profissionais da educação recebemos e carregamos conosco toda responsabilidade de parte da formação de cidadãos com valores morais e éticos, os é responsabilizado tarefas que talvez não sejam exatamente papel da “escola’, por outro lado, é necessário que nos entendamos como parte de um processo de formação humana e que a educação só alcançará seus reais objetivos quando o processo de ensino aprendizagem consiste e desencadeia na formação igualitária entre estudantes e profissionais da educação”, revela. O principal desafio, segundo ele, é a necessidade de construírem juntos gerações capazes de se relacionar socialmente, lidando com todas as evoluções proporcionadas pelo avanço da tecnologia. Não é a toa que nos vemos diante de reformulações para que haja uma reflexão e autoanálise dos papéis sociais para encarar tais desafios socioculturais trazidas pelo século XXI.

Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação Brasil
“Espalhamos balões em forma de corações pela cidade durante a madrugada,  ao amanhecer todos foram surpreendidos com o gesto que simbolizava o amor e a compreensão”, conta o professor
Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação Brasil
“Os estudantes criaram este perfil para promover o amor entre as pessoas. A ideia consiste em uma espécie de correio em que as pessoas tecem elogios aos outros de forma anônima ou não, com a finalidade de valorizar os seres humanos e suas subjetividades. Ele foi criado por alunos que apesar de eu saber quem são,  não querem se identificar pois acreditam que o sigilo possibilita que as pessoas expressem de forma menos velada os sentimentos”, conta Fernando

Em relação à juventude brasileira, um momento representado por constantes transformações, vemos a tecnologia trazendo ainda mais mudanças com tantas informações circulando em suas mãos. “O jovem se vê diante do desafio de se formar enquanto cidadão diante flexibilização de conceitos, normas e até mesmo da ética”, diz Fernando. Assim, se olharmos pelo ponto de vista cultural, como sugere o professor, vemos que a juventude vai se construindo por meio das diferenças e complexidades desses novos tempos. E é por isso que temos que olhar pelo viés da educação, entendendo o seu papel diante disso, onde os professores são essenciais para viabilizar escolhas cada vez mais sensatas para que cada um possa acreditar e apoiar mais seus semelhantes, indiferente de suas peculiaridades, como explica Fernando.

E é assim que o professor vê a educação: positivamente. Para ele, a educação brasileira evolui, apesar de em passos lentos, porém firmes que dificilmente regredirão. “Falo de uma educação que sobrevive e sobreviveu a diversos ataques em suas raízes com a finalidade de construírem-na enquanto meio de preservação de desigualdades. Acredito na educação e nos educadores que ultrapassam os limites das salas de aula e se reafirmam como incentivadores de sonho. Venho de uma família pobre e enfrentei duras condições para alcançar a formação e o tão sonhado curso superior, não fiz isso sozinho, contei como oportunidades que me foram dadas ao longo da vida e acredito exatamente nisso, na educação que oportunize, esta sim é capaz de mudar histórias, culturas e estatísticas”, como revela Fernando.

E é por essas e outras razões que devemos entender a educação como parte de todos nós, como ensina o professor, como um processo contínuo que se constrói ao longo da vida, de forma individual e também coletiva. Segundo ele, devemos acreditar na capacidade alheia “para que alcancemos uma educação capaz de completar todo ciclo de formação humana e criar, ao longo do tempo, gerações críticas, reflexivas e pautadas no respeito às diferenças’’, completa. E como podemos fazer isso? A partir de políticas públicas e incentivos governamentais para que então possamos criar um incentivo forte desde o início da vida escolar até as pós-graduações, para que assim uma mudança efetivamente aconteça. “Por fim, não menos importante, é preciso que sejamos “incentivadores de pessoas” é preciso “comprarmos” as idéias e sonharmos juntos”, revela.

Assim, a educação é realmente algo que deve cada vez mais ser levado em conta. O que aconteceu na escola em Mato Grosso é um exemplo disso. As crianças querem estudar, estão dispostas a isso, a ganhar conhecimento, a ter uma base teórica para se tornarem críticos no futuro, se tornando pessoas responsáveis. E é a partir disso que vemos que a educação tem tudo para se transformar cada dia mais e possibilitar milhares de possibilidades para cada indivíduo. E você? Como vê a educação nos dias de hoje?

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Alunos escola pública Juscimeira realizam prova lanternas professor abre discurso educação BrasilFotos disponibilizadas por Fernando Garcia

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar