fbpx

Brasileira de 17 anos cria “isopor” biodegradável a partir da cana-de-açúcar


PUBLICIDADE ANUNCIE

Tudo começou em uma das tarefas mais cotidianas: compras no supermercado.

A estudante do ensino médio em Curitiba, Sayuri Miyamoto Magnabosco, de 17 anos, observou que diversas embalagens eram de isopor, material que leva de 100 a 300 anos para se decompor, ou seja, nada bom para o ambiente.

Foi quando ela teve uma grande sacada: por que não produzir bandejas a partir do bagaço da cana-de-açúcar?

Junto com sua mãe e professores, ela desenvolveu uma bandeja biodegradável que já acumula muitos prêmios e até um pedido de patente.

São medalhaspelas feiras de ciências da Usina de Itaipu, da Universidade de São Paulo (USP), a maior do país, e da chamada Olimpíada dos Gênios, realizada em Nova York.

Com orientação do professor Cornélio Schwambach, Sayuri arranjou cana com um vendedor de caldo, a bateu em um liquidificador, misturou com cola branca caseira (farinha de trigo e água fervidos) e deixou a fórmula secar ao Sol.

 

Mas ainda faltava algo, uma “solução básica” para misturar ao bagaço para impedir a fermentação. “Pesquisei nos produtos de limpeza, vi o que era utilizado, e encontrei uma substância que não teria nenhum efeito tóxico sobre o bagaço”, explica ao jornal Gazeta do Povo.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Essa é uma etapa fundamental pois a bandeja não podia estragar antes do alimentom ela tinha que durar tanto quanto ele no mínimo.

Com ajuda da mãe farmacêutica achou o produto ideal.

Sayuri é da segunda geração de orientados do programa de Iniciação Científica (IC) para o ensino médio do Colégio Bom Jesus.

 

 

“O que nós fazemos é formatá-los para o trabalho científico, colocar objeto de pesquisa, justificativa, essas coisas”, conta o professor Schwambach, coordenador da IC na unidade Centro, do colégio.

bandeja-biodegradavel-412x600

Fonte: eco4planet

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar