Meninas moradoras do Morro do Alemão vão estudar na Escola de Balé do Theatro Municipal


Meninas moradoras do Morro do Alemão vão estudar na Escola de Balé do Theatro Municipal
PUBLICIDADE ANUNCIE

Kethellyn Rafaela, Bianca de Oliveira e Ingrid Vitória são as mais novas alunas da escola de balé do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, uma dos mais prestigiadas e relevantes casas de espetáculos do Brasil.

Moradoras do Complexo do Alemão, comunidade localizada na zona norte da cidade do Rio, elas entraram no teatro graças ao Projeto Vidançar, uma organização não-governamental sediada na comunidade cuja rede de voluntários oferecem aulas gratuitas de dança e teatro para crianças que não têm condições de pagar pelas mensalidades de uma escola de arte.

O trabalho da ONG, criada por Ellen Serra, da Cia Ratos de Teatro, é exercido por profissionais da pedagogia e professores formados em dança e teatro. Graças à ação do projeto, dois alunos foram na Escola Bolshoi, uma tradicional escola de balé de Joinville e agora, três alunas aprovadas no Theatro Municipal.

Leia tambémAlunos da UniFavela passam no vestibular e projeto consegue sala de aula de verdade

Em uma publicação no Facebook, a página do Projeto Vidançar comemorou a entrada das meninas na casa de espetáculos.

“É com muita felicidade e gratidão, que nós anunciamos as mais novas alunas da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, a tão sonhada escola de Balé do Theatro Municipal do Rio de Janeiro,” diz o post.

PUBLICIDADE ANUNCIE
Meninas moradoras do Morro do Alemão vão estudar na Escola de Balé do Theatro Municipal
Kethellyn, Bianca e Ingrid, aprovadíssimas na Escola de Balé do Theatro Municipal.

“Gostaríamos de agradecer o importante apoio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e tantos voluntários que preparam nossos alunos de forma maravilhosa, acreditam e contribuem para que histórias, sejam de fato, mudadas para melhor. Gratidão a todos que torcem, apoiam e nos ajudam a fazer a diferença!”, conclui.

O Projeto Vidançar oferece reforço escolar e exige dos seus alunos que eles estejam matriculados numa escola pública e com boas médias

Leia tambémProjeto “Arquitetura na Periferia” ensina mulheres a construir suas próprias casas

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Voz das Comunidades
Fotos: Reprodução / Facebook

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar