Na Ilha do Bororé, zona sul de SP, um espaço promove ecologia e cultura


PUBLICIDADE ANUNCIE

Nas margens da represa Billings, península na zona sul, região rural-floresta com balsa pelo Grajaú, está a Casa EcoAtiva.

Ali se reúnem grupos, coletivos, organizações, escolas e agora até universidade, para promover a permacultura, desenvolver comunidade e expandir ainda mais uma economia criativa da periferia.

Tecnologias permaculturais de todos os tipos são aplicadas: captação de água da chuva, reuso, banheiro seco, construção de pau a pique, telhado verde, parquinho de bambu, mobiliário de reuso, bicicletário de pallet, agrofloresta, horta, minhocário, gestão de resíduo, painéis com tinta de terra, tratamento das águas cinza e marrom, alimentação saudável, com direito à cozinha comunitária permacultural.

      

Já são 20 anos no bairro onde há 80% da vegetação Mata Atlântica, que o espaço se reinventa como escola aberta, lugar de educação, arte, cultura e meio ambiente.

A partir da construção ecológica, é um verdadeiro local de impacto social e ambiental positivo, criador de tecnologia de bem viver, nas potências das bordas urbanas.

Durante todos esses anos, centenas de vivências, oficinas, cursos e rodas de conversas foram realizados ali.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Virou quase que o quintal, uma extensão mesmo da Escola Estadual Prof Adrião Bernardes. Das crianças pequenas aos adolescentes, todos se envolvem e frequentam o espaço. Com os menores, o contato primeiro com a natureza; com a juventude, há muito também a linguagem do grafite. É o projeto Adrião Escola Aberta.

Mais recentemente, estão com duas novidades. Numa parceria com um programa de extensão da FAU-USP. O grupo formado por um professor e quatro arquitetos bolsistas, realizam atividades com os jovens de cartografia afetiva, conceito de bairro educador, técnicas de mapeamento, técnicas urbanísticas, configurando dados e fazendo leituras de paisagens.

E agora também estão conseguindo articular um ecossistema financeiro local. Uma geração de renda, a partir da entrega de cestas de orgânicos pro Grajaú. Além de fazer circular a moeda local e democratizar o acesso à alimentação saudável, a rede de proteção e de apoio se expande cada dia mais.

Como nos contou Jai, que faz parte da gestão do espaço, é a “periferia sem estereótipos”, abundante, consolidando um trabalho que sempre foi feito e que agora se valida economicamente.

Depois de tantos trabalhos burocráticos, indas e vindas, viradas sustentáveis, o primeiro sonho de gestão ambiental participativa se torna modelo para tantas outras comunidades onde a cidade e a floresta se encontram.

Crédito Imagens: Divulgação EcoAtiva

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar