Pastoras evangélicas se unem para combater violência contra as mulheres nas igrejas

A iniciativa visa promover a sensibilização dos líderes das igrejas sobre o tema, além de capacitar as vítimas que não possuem independência financeira.


Pastoras evangélicas se unem para combater violência contra as mulheres nas igrejas 1
PUBLICIDADE ANUNCIE

Um grupo de pastoras evangélicas de diferentes denominações protestantes se uniu para debater ações práticas de combate à violência contra as mulheres dentro das igrejas.

A iniciativa visa promover a sensibilização dos líderes das igrejas sobre o tema, além de capacitar as vítimas que não possuem independência financeira.

O projeto foi elaborado há quase seis meses e será colocado em prática agora. As igrejas que aderirem à proposta ganharão um selo especial: o “Viver em Paz“.

Ajuda para família retirada de casa com risco de desabamento

Segundo a líder da Igreja Batista Evangélica de Vitória do Espírito Santo (IBEV—ES), Andreia Bolzan,o grupo é composto por 20 pastoras pertencentes a mais de 15 denominações protestantes diferentes, entre pentecostais, não-pentecostais e neo-pentecostais.

As líderes enfrentarão um tema que ainda hoje é considerado um tabu dentro das igrejas. “São mulheres corajosas que se levantaram para dizer que existe sim o problema da violência contra a mulher no meio cristão. Não deveria existir e queremos acabar com isso”, destacou.

Pastoras evangélicas se reúnem na igreja para discutir a violência contra as mulheres

Violência contra as mulheres

Apesar da carência de informações por parte do estado, um levantamento sobre o assunto promovido pela Casa Sofia (espaço de atendimento para as mulheres alvos de violência em São Paulo) revelou que 40% das mulheres atendidas declararam serem evangélicas. No Brasil, estima-se que 30% da população seja protestante.

A escritora e socióloga Valéria Cristina Vilhena, doutora em Educação, História e Cultura, mestre em Ciências da Religião, autora do estudo, afirma que trabalhos deste tipo demonstram o reconhecimento de que as mulheres evangélicas não estão isentas da violência, pelo contrário.

Leia também:

Infelizmente, há muitos casos e depoimentos coletados que mostram que elas são orientadas por líderes a permanecerem no casamento, mesmo sendo alvos das mais variadas formas de violência, inclusive a física.

“[Um pastor] Orientou uma mulher a ter mais paciência, a aprender a lidar com o marido. Aquela mulher decidiu que nunca mais buscaria ajuda do pastor. Terminou se separando, mas não abandonou a igreja. O exercício da fé a mantinha forte, mas preferia sentar no último banco da igreja”, contou Valéria.

Ajuda para família retirada de casa com risco de desabamento

Casos de feminicídio são crônicos

O feminicídio, isto é, o assassinato praticado contra a mulher em decorrência do fato de ela ser mulher ou em decorrência de violência doméstica, apresenta números preocupantes: 21 mulheres foram vítimas fatais neste ano. No ano passado, foram 33 casos.

Outra informação que escancara o problema é o número de boletins de ocorrência referentes a qualquer tipo de violência praticada contra a mulheres que foram registrados nos últimos sete meses: 42 por dia.

Cientes do desafio a ser encarado pela frente, as próprias lideranças femininas buscam renovar a estrutura de poder das igrejas baseada em alguns conceitos. Um deles é o casamento indissolúvel — quando não se aceita o divórcio — , o perdão e a resiliência em relação aos problemas do casamento, e que elas avaliam estarem sendo mal interpretados.

“Existe uma falsa interpretação que bloqueia o entendimento das pessoas sobre o tema. É como se fosse pecado”, destaca Andreia Bolzan, líder da Igreja Batista Evangélica de Vitória do Espírito Santo (IBEV—ES).

PUBLICIDADE ANUNCIE

Ela enfatiza que professar a fé não impede de maneira alguma uma mulher denunciar o seu agressor.

Pastoras evangélicas se reúnem na igreja para discutir a violência contra as mulheres

O papel da igreja

A coordenadora de base do Ministério Bálsamo Gileade, Iara Rocha, em Campo Grande, afirma que o projeto retoma um papel que é da própria igreja. “A igreja tem o papel de olhar, de cuidar do indivíduo”.  A proposta de Iara não se restringe a balançar uma bandeira de combate à violência contra a mulher.

“Não é apenas isso, queremos ajudar no resgate da verdadeira identidade da mulher, sensibilizando o homem de que eles não foram criados desconectados. São papéis conectados, e eles precisam atuar nestas identidades. E caminho de volta para estas identidades”, assinala.

De início, será necessário sensibilizar e conscientizar os pastores, líderes de cada uma das igrejas evangélicas. “Eles precisam ser ouvidos, precisam receber o projeto, e nos autorizar a estar em diferentes reuniões, fazendo ações especificas para homens, para os agressores, para as mulheres, para as vítimas”, conta.

É importante também orientar não somente os líderes, mas a própria comunidade de cada igreja sobre as etapas da violência contra a mulher, e que ela não corresponde apenas as situações de agressões físicas. “Há também a violência emocional, psicológica, moral, patrimonial. E será preciso sensibilizar, ensinar, orientar e ajudar estas pessoas na prevenção e na correção dos fatos, para mudarmos esta realidade. Há situações em que muitos desconhecem até os instrumentos que já existem”, pondera Iara.

Ajuda para família retirada de casa com risco de desabamento

O projeto

Simbolicamente, o projeto teve início no dia 8 de março deste ano, Dia Internacional da Mulher, em uma reunião das pastoras e líderes de igrejas com a vice—governadora Jaqueline Moraes.

“Seis meses após esta reunião elas apresentaram o projeto, um trabalho pioneiro, sem placas, que surgiu da união de mulheres que tem se posicionado por não silenciar diante da violência contra a mulher”, assinalou a vice-governadora, que também é evangélica há quase 30 anos.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui

Haverá dificuldades, segundo Jaqueline, como em qualquer outro segmento social. “As dificuldades existem em todas as camadas sociais. Mas a vantagem é que teremos no meio evangélico mulheres capacitadas a nos ajudar na reeducação social, que permitirá homens e mulheres a viverem com respeito e igualdade”, pontua.

O grupo visa promover, nas igrejas evangélicas, alguns tipos de ações, tais como:

  • Sensibilizar os pastores, líderes das igrejas, a se comprometerem com o projeto
  • Criar um selo “Viver em Paz?’ para as igrejas que adotarem o projeto
  • Criar multiplicadores nas igrejas para o trabalho de orientação e conscientização
  • Criar rodas de conversa sobre o tema
  • Realizar palestras de prevenção para crianças, adolescentes, jovens, mulheres e homens
  • Atuar na identificação da profissionalização das mulheres, ajudando—as na busca de independência financeira
  • Oferecer ou orientar sobre como obter apoio para as questões emocionais
  • Capacitar as instituições e membros da comunidade para lidar com o tema
  • Realizar, mais a frente, pesquisa no meio evangélico sobre o tema
  • Criar uma campanha de incentivo ã denúncia, por vizinhos e familiares, além das vítimas

Fé-ministas

Quem desenvolveu a base para o projeto “Viver em Paz” é Valéria Cristina Vilhena. Ela é autora de um livro lançado em 2009, “Uma Igreja Sem Voz”, pilar da fundação do grupo “Evangélicas pela igualdade de gênero”.

O coletivo de mulheres é formado por diversas denominações, que discutem regularmente o tema. O grupo ganhou o apelido de Fé-ministas.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Gazeta Online/Fotos: Reprodução/Felipe Ventura

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar