Educador físico usa o esporte para levar mais esperança a pessoas com deficiência

“O esporte tem o poder de fazer com que as pessoas voltem a gostar de viver”, foram as palavras do educador físico Atalício do Amarante, que viu no tênis uma oportunidade de resgatar o sorriso no rosto de pessoas com deficiência. Há 10 anos na profissão, sempre teve identificação com esse público.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Depois de trabalhar em APAEs, com idosos, deficientes visuais e auditivos, se tornou empreendedor em uma academia de musculação, onde continuou a atuar com Pessoas com Deficiência (PCDs).

Hoje, atende cinco desses alunos e com o apoio de instituições que acreditaram no seu projeto, deu início a um novo trabalho: o tênis solidário, que será desenvolvido em Abelardo Luz, uma pequena cidade no Oeste catarinense.

Leia também: Professor de boxe revive paixão de avô doente e dá aulas gratuitas a crianças com paralisia cerebral

Atalício conta que conheceu a modalidade por influência da esposa. “Eu jogava futebol profissionalmente e quando parei acabei me encantando pelo tênis. Comecei a disputar torneios amadores e,vendo minha empolgação, meus alunos começaram a demonstrar grande curiosidade e interesse pelo esporte. Foi aí que pensei: por que não?”, lembra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Educador físico usa o esporte para levar mais esperança a pessoas com deficiência
Foto: Luiz Cândido / LuzPress

Perguntou para os aprendizes se eles não tinham vontade de arriscar em um exercício diferente e eles adoraram a ideia. “O tempo passou e a ela ficou um pouco adormecida, mas quando um deles me chamou e perguntou ‘e aí, professor! Quando é que vamos no clube bater uma bolinha?’, me senti tocado, comovido e resolvi reascender este sonho”, relata.

Inspiração

Um tenista que o educador físico tem grande admiração é o atleta paraolímpico, natural de Santa Catarina, Ymanitu Silva. “Sempre segui ele nas redes sociais e, sem dúvidas, é uma inspiração não só pra mim, como para os meus alunos e todos que são apaixonados pelo esporte”, conta.

Como os equipamentos e acessórios para a modalidade não são tão acessíveis, para viabilizar o projeto, Atalício foi em busca de subsídios e a primeira pessoa com quem entrou em contato foi com Ymanitu. “Eu estava em busca de cadeiras de rodas adaptadas e perguntei a ele como eu podia obter esse auxílio. Imediatamente recebi uma resposta e de forma muito solícita ele me colocou em contato com a Federação Catarinense de Tênis (FCT)”, explica.

Em pouco mais de uma semana, o sonho começou a se tornar realidade. A gerente da FCT, Andreia Schülter Buss, foi uma das responsáveis por essa ajuda. “Fiquei muito comovida com a história e lembrei que tínhamos duas cadeiras de rodas que poderiam ser de grande utilidade pra ele. Montamos os equipamentos, fizemos a manutenção e as enviamos para o Oeste”, diz.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com as cadeiras em mãos, o Clube Real Abelardo Luz também apoiou a iniciativa e disponibilizou gratuitamente a quadra de tênis para a realização do trabalho. “Vamos iniciar com cinco pessoas, mas a intenção é ampliar o projeto. Só tenho a agradecer aos que acreditaram em mim e nos deram essa oportunidade de trazer mais esperança, atividade física e vida para essas crianças”, diz.

As aulas serão realizadas em dois dias da semana, de forma voluntária. “A gente não consegue mudar o mundo sozinho, mas se fizermos algo ao nosso redor e que está ao nosso alcance, tenho certeza de que podemos ser a diferença na vida de muitas pessoas”, finaliza o educador físico.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,860,568SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Já experimentou dançar como se ninguém tivesse te olhando?

A sensação é muito boa! Essa jovem fez isso, e quer saber? Deu vontade de fazer também! 🙂 Vejam ela na lavanderia: E um dos mais...

Nova Barbie ganha novos tons de pele, olhos e cabelos e não usa mais salto

Finalmente, a boneca que fez a felicidade de muita gente na infância atualizou seu portfólio de bonecas, agora com aparências diversas, abrangendo mais cores,...

De louco a herói: Indiano escava canal por quase 30 anos e leva água a vila que sofria com a seca

Loungi Bhuiya foi chamado, muitas vezes de louco. Morador da aldeia de Gehlaur, no leste do estado de Bihar, na Índia, ele estava determinado...

Repórter chora ao noticiar alta de 1.037 pacientes da Covid-19 e emociona a web

O repórter Paulo Paixão chorou ao noticiar a alta médica de 1.037 pacientes que venceram o coronavírus em Manaus (AM). Paulo pediu desculpas à âncora...

Escola pública transforma espaço vazio em horta

A E.E. Professora Maria da Conceição Oliveira Costa, na zona leste da capital, juntamente com a ONG Cidades sem Fome, transformaram um espaço vazio...

Instagram