Início INSPIRAÇÃO Superação Ela desenvolveu um jeito próprio de tocar violino por causa de doença...

Ela desenvolveu um jeito próprio de tocar violino por causa de doença rara e encanta com uma sonoridade única

As limitações de Gaelynn Lea não definem quem ela é nem a impedem de tocar violino. Ela nasceu e vive em Suluth, cidade no estado americano de Minnesota, onde também nasceu e cresceu Bob Dylan.

Lea tem Osteogénese, uma doença óssea rara e agressiva, que a deixou presa em uma cadeira de rodas. Mas sua criatividade, imaginação e musicalidade eram tão livres, que, aos 10 anos, começou a estudar violino.

Relacionado: Dia Mundial das Doenças Raras incentiva conhecimento sobre o tema que afeta mais de 13 milhões de brasileiros

Para tocar o instrumento, Lea precisou desenvolver uma técnica especial: posicionando o violino à sua frente, e não em seu ombro. “Minha deficiência e minha música não são a mesma coisa. Eu não penso sobre minha deficiência quando estou tocando. Eu me sinto como eu mesma”, declarou Lea.

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

A violinista é praticamente uma orquestra de violinos de uma pessoa só. Ela tem um pedal de loop que lhe permite tocar sozinha, gravar o que acabou de tocar, reproduzir e tocar por cima acompanhando a si mesma. Tocando o pedal com o joelho, de um jeito só dela, Lea produz uma sonoridade própria.

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

Essa sonoridade e seu espírito de superação chamaram a atenção do músico Chris Funk, da banda The Decemberists. Ele viaja pelo mundo atrás de pessoas com grande talento para a música. Ao saber da história de Lea, Chris teve certeza que precisava conhecê-la, para inclusive ter a oportunidade de tocar com ela.

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

“É incrível desenvolver uma voz e uma forma de expressão únicas. Limpa minha mente e eleva meu espírito como nada mais é capaz.”

ela desenvolveu jeito próprio tocar violino doença rara

Como coloca em suas palavras, fazer música para Lea é como meditar, e com isso ela também transforma a arte em algo mais inclusivo, transbordando uma emoção que nenhuma limitação jamais será tão forte quanto.

Veja Lea tocando com o músico Chris Funk:

Dia Mundial das Doenças Raras

Para mostrar a importância de falar sobre doenças tão raras e tão pouco conhecidas, criou-se o Dia Mundial das Doenças Raras, celebrado no último dia de fevereiro, e que esse ano é celebrado com a campanha mundial Show your rare, show your care, traduzida para o Brasil como “As doenças podem ser raras, mas o cuidado não! Mostre que você se importa.”

Todos podem participar da campanha pintando o rosto, e registrando esse momento nas redes sociais com a #showyourrare ou a #rarediseaseday. No site também é possível encontrar fotos para da campanha para incluir nas suas redes sociais.

Além de aumentar a visibilidade geral sobre o tema, a iniciativa também quer atingir os decisores políticos, para que entendam e lutem pelas necessidades dos pacientes e suas famílias. Dessa forma, ontem, dia 27 de fevereiro, ocorreu uma Sessão Solene na Câmara dos Deputados, em Brasília. A iniciativa foi liderada pelo Deputado Federal Diego Garcia (PODE/PR), com apoio institucional da INTERFARMA e das empresas Alexion, BioMarin, PTC, Sanofi, Sarepta Takeda.

Leia também: Professor usa a criatividade para aluna com deficiência dançar na apresentação da escola

crédito das imagens: Reprodução/YouTube Great Big Story

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,422FãsCurtir
1,681,743SeguidoresSeguir
8,252SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Mãe pede pizza só para ver o filho entregar no primeiro dia de trabalho

Lindo gesto de amor da mãe para incentivar o filho no novo trabalho!

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Jovem abre espetinho e amigos aparecem para ‘dar uma força’ em Curitiba (PR)

No início deste mês, o usuário @Chrystofer_99 comentou no seu Twitter que planejava abrir um espetinho. A ideia era fazer um 'teste' com sua família,...

Instagram