Na pandemia, ela enfrentou longas viagens de barco para levar comida e remédios onde a ajuda não chegava

No auge da pandemia, Maria do Socorro Elias Gamenha, 45 anos, do povo Baniwa, residente em Manaus, ajudou comunidades indígenas a ter acesso a comida e medicamentos e a recuperar saberes ancestrais. Aqui, ela conta como essa rede de mulheres arregaçou as mangas para garantir a sobrevivência dessas comunidades:

“Viver em comunidade é algo muito natural para os povos indígenas. Mesmo quando moramos na cidade, trazemos conosco esse forte senso de pertencimento. Não à toa chamamos os indígenas de outros povos de parentes.

No estado do Amazonas, a pandemia afetou diretamente os recursos e a sobrevivência dos indígenas. Diante da omissão do governo, que praticamente não chegava às comunidades rurais e ribeirinhas, nos unimos em um grupo de quatro pessoas e arregaçamos as mangas para levar comida e medicamentos até essas regiões, algumas delas localizadas a cinco ou seis horas de barco de Manaus.

Como já fazíamos parte de uma rede de mulheres indígenas no Amazonas, ficou mais fácil conseguir ajuda financeira para reunir recursos e doações. O difícil mesmo foi a parte emocional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Resgatar os saberes ancestrais

Levávamos os donativos ao mesmo tempo em que enfrentávamos o medo da doença e o luto pela perda dos nossos parentes.

Em algumas comunidades, também organizamos rodas de conversa para resgatar os saberes ancestrais por meio das plantas nativas, criamos hortas e conseguimos mobilizar tanto os mais velhos quanto os mais novos, que se viram interessados em aprender sobre o uso das plantas medicinais para amenizar os sintomas da covid.

À medida que a cidade vai chegando às aldeias, muitos de nós perdemos o interesse pelos conhecimentos tradicionais. Foi estendendo a mão para os nossos parentes que resgatamos também a nossa força, nos unimos e nos aproximamos das nossas origens e raízes. Isso nos fortaleceu enquanto povo e mulheres indígenas.”

Texto: Gabriela Portilho
Foto: Alberto Araújo

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #44, em julho de 2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

Artista e fazendeira preserva mata nativa, protege animais e enfrenta machismo nos campos do sul do país

À frente da Fazenda Cerro dos Porongos, nos arredores do Alegrete (RS), Graça Tirelli concilia a carreira de artista plástica com a de produtora...

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

+ DO CANAL

Ela criou caderneta para empoderar agricultoras que não conheciam o valor do seu trabalho

Ao longo da história, os quintais foram vistos apenas como uma extensão da casa, um lugar de descanso e reunião entre amigos e familiares....

Casal decide conhecer todos os parques nacionais para chamar a atenção para a causa do meio ambiente

Ao se verem sozinhos diante de uma paisagem linda em um parque nacional, a psicóloga Letícia Pereira Alves, 37 anos, e o economista Dennis...

Ex-catadora de latinhas vira a primeira mulher negra latino-americana a chegar ao topo do Everest

Desde pequena, no bairro de Jardim Capivari, na periferia de Campinas (SP), Aretha Duarte aprendeu a buscar diferentes maneiras para superar as dificuldades e...

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

“Reuni um grupo de mulheres da favela para aprenderem a reformar suas próprias casas”

Durante a pandemia, Ester Carro, 27 anos, arquiteta, reuniu um grupo de mulheres para aprenderem a reformar suas próprias casas em Paraisópolis, São Paulo....

Instagram