Ela mostra que pessoas com deficiência não tem “cara”, mas sonhos e conquistas

Clique e ouça:

Taís Santana Leite tem 20 anos, trabalha, faz faculdade e adora estar com os amigos. Talvez, se você passasse por ela na rua, nem perceberia que ela tem deficiência intelectual. O diagnóstico veio aos sete anos de idade, após enfrentar muita dificuldade para entender a matemática na escola.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Minha mãe percebeu que eu tinha muita dificuldade com a matemática e por mais que eu estudasse muito, eu não conseguia entender a matéria. Passamos por vários médicos que não descobriam o que era, até que cheguei a APAE DE SÃO PAULO e, finalmente, tive o diagnóstico”, conta.

A aceitação veio aos poucos, já que há alguns anos não se falava muito sobre o assunto e até os próprios pais careciam de informações. “Foi um choque para toda a família. Eu só sabia que tinha uma deficiência, mas não sabia quais eram as características e por que tinha dificuldade em uma determinada coisa. Hoje, temos mais amparo para os pais saberem lidar com os filhos”, relata.

Com as terapias de estimulação e apoio psicológico, Taís conseguiu finalizar os estudos, entrar na faculdade de pedagogia e no mercado de trabalho. “Entrei como atendente de RH. Com o tempo, o diretor gostou muito do trabalho e me colocou na recepção da empresa. Além disso, me formo em pedagogia ano que vem e meu TCC falará sobre a inclusão das pessoas com deficiência intelectual no mercado de trabalho”, diz.

mulher deficiência intelectual

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar das conquistas na vida pessoal e profissional, Taís ainda tem de lidar com o preconceito no dia a dia. A deficiência intelectual, por não ser algo visível, ainda é motivo de discriminação e confusão entre as pessoas. “Recentemente, estava passando pela catraca do ônibus e um homem me abordou dizendo: nossa, usando carteirinha de deficiente sem ser! Respondi dizendo que tenho deficiência sim, mas ele não acreditou e falou: mentira! Eu nunca vi uma pessoa com deficiência fazer faculdade. Encerrei a discussão falando que sou uma pessoa com deficiência sim, mas me esforço para superar”, revela.

Na faculdade, a jovem também enfrenta dificuldades, por não ter os apoios necessários para entendimento da matéria. Pela Lei Brasileira de Inclusão, ela tem direito a provas adaptadas, mas em três anos de graduação, nunca conseguiu. “Quando eu recebi o diagnóstico, ouvi que não iria passar do ensino fundamental. E graças aos estímulos, eu venho superando cada vez mais. Eu tenho muita dificuldade em entender certas matérias na faculdade, mas peço ajuda as pessoas e com esforço, estou conseguindo superar”, pontua.

Além da faculdade e trabalho, Taís participa do Programa de Autodefensoria da APAE DE SÃO PAULO junto com outras pessoas com deficiência intelectual. O principal objetivo do grupo é lutar pelos direitos das pessoas com deficiência intelectual e para que mais ninguém seja discriminado. Eles participam de audiências públicas, conselhos municipais e demais atividades políticas.  “Você saber dos seus direitos e compartilhar suas experiências é algo tão enriquecedor não só para as pessoas com deficiência, mas para as pessoas que não sabem o que é”, conta.

Taís gosta de ver o céu estrelado, de estar com a família, com os amigos, de dar risada, de bater um papo. A deficiência não a define.

Sobre a APAE DE SÃO PAULO

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A APAE DE SÃO PAULO é uma Organização da Sociedade Civil, sem fins lucrativos, que há 57 anos previne e promove a saúde das pessoas com deficiência intelectual, além de apoiar a sua inclusão social e a defesa de seus direitos, produzindo e disseminando conhecimento. Atua desde o nascimento ao processo de envelhecimento, propiciando o desenvolvimento de habilidades e potencialidades que favoreçam a escolaridade e o emprego apoiado, além de oferecer assessoria jurídica às famílias acerca dos direitos das pessoas com deficiência intelectual. Pioneiro no Teste do Pezinho no Brasil e credenciado pelo Ministério da Saúde como Serviço de Referência em Triagem Neonatal, o Laboratório APAE DE SÃO PAULO é o maior da América Latina em exames realizados. Por meio do Instituto APAE DE SÃO PAULO, a Organização gera e dissemina conhecimento científico sobre deficiência intelectual com pesquisas e cursos de formação. Para colaborar, os interessados podem ligar para: 11-5080-7000, acessar www.apaesp.org.br ou enviar e-mail para [email protected].

crédito das fotos: Divulgação

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,060,352FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
18,721SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem com deficiência cria lindas caminhas para cães e gatos, mãe pede apoio, e ele vende tudo!

O garoto Elías tem uma deficiência, mas quem diz que ela o impede de fazer caminhas para cães e gatos que são a coisa...

Estudante que trabalhou como gari para pagar a faculdade é aprovado em direito em Harvard

“Uma carta aberta para o meu irmão mais velho”. Foi assim que o mais novo estudante de Direito em Harvard começou um post que...

Babá eletrônica flagra gatinho que fingia não gostar da bebê fazendo carinho e dormindo com ela

Sabe aquela história de que quando estamos sozinhos (ou assim pensamos...) temos atitudes diferentes das que temos quando sabemos que estamos sendo observados? Esta...

Estudante mexicana cria plástico de casca de laranja que se decompõe em 90 dias

A estudante mexicana Giselle Mendonza venceu um concurso nacional apresentando um bioplástico que ela criou da casca de laranja. Giselle disse que sua ideia surgiu...

Vovô de 91 anos pede ajuda para a sua loja de tecidos e recebe encomendas do país inteiro

Com a retomada do comércio em Guarulhos (SP), a Aon Tecidos ganhou um garoto propaganda para lá de especial: o Sr. Youssef. O comerciante...

Instagram

Ela mostra que pessoas com deficiência não tem “cara”, mas sonhos e conquistas 13