Ele se (re)descobriu autista aos 35 anos

Imagina só você passar três décadas da sua vida sofrendo bullying e pensando que é apenas “esquisito”? Essa foi a vida do Fábio, que se (re)descobriu autista aos 35 anos de idade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desde que estava na barriga da mãe, ele já era diferente. Fábio não era um bebê que se mexia muito, então o médico de sua mãe disse que ele era preguiçoso. Aos três anos ele não falava, nem andava, e o veredito do pediatra foi o mesmo: criança preguiçosa.

Ninguém nunca reparou nessas diferenças do Fábio com um olhar humano. Nem mesmo na escola, já que o garoto tinha muitas dificuldades em matemática, por exemplo – o que mais tarde ele entendeu ser discalculia, muito comum em pessoas autistas.

fabio segura uma faixa azul escrito "autista" em foto para o canal ter.a.pia
Fábio hoje luta para ajudar outros autistas a lidarem melhor com sua condição

Aliás, a falta de informação e conhecimento sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), como é conhecido o autismo cientificamente, é o principal motivo pelo qual a condição ainda sofre preconceitos e tenha diagnósticos tardios, como o Fábio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quem percebeu que ele tinha muitas características do espectro autista foi sua esposa, anos depois de casados.

Ela estava grávida e pesquisando sobre assuntos relacionados a bebês quando se deparou com informações sobre a síndrome.

A alta sensibilidade do Fábio à luz e sons, sua rotina metódica, sua alta capacidade visual foram algumas das características que ela percebeu em seu marido que se encaixavam no espectro autista.

No início, ele negou e até fiquei bravo pela insinuação da esposa, mas depois de alguns meses e muitos estudos (que até hoje não cessaram), Fábio entendeu que a explicação para todas as suas questões era essa: ele é autista.

Passado o choque inicial e o processo de luto para reconstrução de quem ele realmente era, Fábio passou a dedicar muito do seu tempo a estudar, conviver com outros autistas e a escrever muito sobre esse assunto. “É legal conviver com pessoas iguais a você e ver que não precisamos de uma solução porque somos perfeitos”, comenta ao canal ter.a.pia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele conta mais da sua história de redescoberta na sessão 50 do canal ter.a.pia:

Conteúdo do ter.a.pia, canal parceiro do Razões.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,493,634SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

‘Drag Síndrome’: pessoas com Down conectam-se à arte drag e mostram ao mundo quem são

A rede britânica de televisão BBC divulgou recentemente um documentário que mostra a vida de pessoas com síndrome de Down que encontraram na arte...

Como me sinto quando exerço assistência sexual e afetiva?

“Sá, você nunca me contou sobre isso e sou uma das suas melhores amigas! Como assim?” “Imagina sofrer um acidente e por conta disso, não...

10 anos depois, ex-viciado devolve dinheiro e pede desculpas à loja que havia roubado

Um homem anônimo deixou um bilhete de desculpas e US$ 400 na porta de uma loja em Nashville, no Estado americano do Tennessee, no último...

Casal vence o câncer por três vezes e ganha o casamento de presente

Não foi uma, mas três veze que o casal Bruna Batista Padtilha, de 24 anos, e Gabriel Delallo Caus, de 25 anos, de Cascavel,...

A simplicidade (e beleza!) do amor resumida em uma foto

A imagem de dois pais de primeira viagem segurando seu filho pela primeira vez após o nascimento tornou-se viral no mundo inteiro, são eles BJ...

Instagram