Ele se (re)descobriu autista aos 35 anos

Imagina só você passar três décadas da sua vida sofrendo bullying e pensando que é apenas “esquisito”? Essa foi a vida do Fábio, que se (re)descobriu autista aos 35 anos de idade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desde que estava na barriga da mãe, ele já era diferente. Fábio não era um bebê que se mexia muito, então o médico de sua mãe disse que ele era preguiçoso. Aos três anos ele não falava, nem andava, e o veredito do pediatra foi o mesmo: criança preguiçosa.

Ninguém nunca reparou nessas diferenças do Fábio com um olhar humano. Nem mesmo na escola, já que o garoto tinha muitas dificuldades em matemática, por exemplo – o que mais tarde ele entendeu ser discalculia, muito comum em pessoas autistas.

fabio segura uma faixa azul escrito "autista" em foto para o canal ter.a.pia
Fábio hoje luta para ajudar outros autistas a lidarem melhor com sua condição

Aliás, a falta de informação e conhecimento sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), como é conhecido o autismo cientificamente, é o principal motivo pelo qual a condição ainda sofre preconceitos e tenha diagnósticos tardios, como o Fábio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quem percebeu que ele tinha muitas características do espectro autista foi sua esposa, anos depois de casados.

Ela estava grávida e pesquisando sobre assuntos relacionados a bebês quando se deparou com informações sobre a síndrome.

A alta sensibilidade do Fábio à luz e sons, sua rotina metódica, sua alta capacidade visual foram algumas das características que ela percebeu em seu marido que se encaixavam no espectro autista.

No início, ele negou e até fiquei bravo pela insinuação da esposa, mas depois de alguns meses e muitos estudos (que até hoje não cessaram), Fábio entendeu que a explicação para todas as suas questões era essa: ele é autista.

Passado o choque inicial e o processo de luto para reconstrução de quem ele realmente era, Fábio passou a dedicar muito do seu tempo a estudar, conviver com outros autistas e a escrever muito sobre esse assunto. “É legal conviver com pessoas iguais a você e ver que não precisamos de uma solução porque somos perfeitos”, comenta ao canal ter.a.pia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele conta mais da sua história de redescoberta na sessão 50 do canal ter.a.pia:

Conteúdo do ter.a.pia, canal parceiro do Razões.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

Relacionados

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

995,564FãsCurtir
1,910,541SeguidoresSeguir
9,309SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Idosa de 87 anos confecciona máscaras de proteção para distribuir gratuitamente no MA

Sem conseguir encontrar máscaras de proteção, a professora, bióloga e engenheira civil Renatha Costa uniu forças com sua avó, dona Bernarda, 87 anos, para...

Magazine Luiza doa 1.000 colchões e travesseiros para moradores de rua em Belém (PA)

Desde o último sábado (21), o Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, passou a receber centenas de pessoas em situação de rua da Região Metropolitana...

Após ver família comendo restos do lixo, homem abre restaurante para servir pessoas carentes

O dono de um restaurante em Vila Velha (ES) abriu seu estabelecimento para atender gratuitamente pessoas em situação de rua durante a pandemia de...

Angelina Jolie doa R$ 5 milhões para manter merenda de alunos durante quarentena

A atriz Angelina Jolie, 44 anos, doou US$ 1 milhão (R$ 5,2 milhões) para manter a distribuição de merendas escolares para crianças de baixa...

Coronavírus ‘sela paz’ entre palestinos e israelenses: saúde é prioridade máxima!

Há anos o mundo não via um encontro pacífico entre palestinos e israelenses. A Autoridade Palestina e Israel sentaram na mesma mesa para firmar...

Instagram