Em Portugal, existe um banco onde a moeda não é o dinheiro e sim o tempo

18
23550

O Banco do Tempo funciona como um sistema de troca de ações solidárias. A instituição troca o dinheiro pelo tempo para que as pessoas possam fazer serviços umas para as outras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cada membro oferece e recebe um serviço. Por exemplo, tratando-se de um médico, ele pode oferecer uma consulta a quem não tem condições de pagar pelo serviço e, depois, receber um serviço em troca de outro membro.

“Através das trocas e dos encontros, o Banco de Tempo enriquece o mundo relacional das pessoas que nele participam, joga um papel importante na recuperação, em novos moldes, da solidariedade entre vizinhos e no combate à solidão; favorece a colaboração entre pessoas de diferentes gerações, proveniências e condições sociais. Contribui também para o desenvolvimento e partilha de talentos e facilita o acesso a serviços que dificilmente poderiam ser obtidos, dado o seu valor de mercado. O Banco de Tempo suscita questionamentos e incentiva mudanças no modo como vivemos em sociedade”, diz o site do banco.

O serviço é pago com um “cheque do tempo”. Quem prestou o serviço deposita o cheque, que é creditado em sua conta, e pode a partir daí obter serviços oferecidos pelos outros membros do banco.

Cada hora de trabalho prestada por um membro equivale a uma hora de serviço qualquer que ele precise no futuro. O bacana é que todas as horas têm o mesmo valor, independente do serviço oferecido. Uma economia solidária e justa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Atualmente, o Banco do Tempo possui 28 agências espalhadas por várias cidades portuguesas. Entenda mais:

banco-do-tempo2 12321311_980405595357098_8098301507970093031_n

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

18 COMENTÁRIOS

  1. O que tem de justo num serviço que 100 mil pessoas na cidade saber fazer e um outro que 300 sabem custar o mesmo preço?

    • a justiça esta no fato de que uns tem CONDIÇÕES de dar mais do que outros, e cada um oferece o que TEM.

    • não é apenas saber fazer, mas querer fazer, pode fazer, dever fazer e precisar ser feito. ou seja, é pessoal, subjetivo e relativo. e livre.

    • Tempo é nosso recurso não renovável mais caro. Se você avaliar a proposta do Banco do Tempo com os olhos do “mercado”, de fato a coisa não funcionará. Em verdade, não se trata de algo novo, mas retomar algo que pautou a vida social por milênios. Pena que há pessoas que só compreenderão essa “outra lógica” quando for tarde demais e tenham gastado todo o seu… tempo!

  2. Que maravilha! Deveria existir esse banco em todas as cidade e países.

  3. Genial ! agora se existisse uma forma de estocar esse tempo gasto no banco para poder usar em outros estabelecimentos o tempo investido seria verdadeiramente genial ! a espera, existe, se chama dinheiro, eu dedico 8h diárias, 40h semanais, 880h mensais em média, e recebo um “vale” esforço, ai eu passo esse vale pra minha dentista, meu padeiro, no supermercado. muito bom ainda assim, vc participa exatamente como o sistema capitalista quer que vc participe, mas vc se sente legal, revolucionário e revoltado contra o sistema.

    • É realmente genial. Só não entendi como eu faço o capital tempo, trabalhar sozinho, assim como no banco tradicional. Tipo como funciona para uma aplicação de 20 horas mensais, num prazo de 3 anos? Quantas horas vai render?

    • a diferença é que as tuas 8h diárias dão te um “vale” de um certo tamanho, enquanto que as 8h de alguem valem + ou – (diferença entre salários), enquanto que aqui, o tempo é igual para todos, tornando a coisa mais justa 🙂

    • Não sei onde você vive, mas aqui no Brasil pagamos muitos impostos, eles são embutidos em toda cadeia de produção e distribuição, além de ser retido na fonte e em transações bancárias. Exite também um conceito chamado mais valia..aconselho você ler na wiki sobre este conceito de Marx. Além disto, a função do banco não é esta que você acredita, tem uma função social. Ninguém deixa de fazer outras coisas.

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Mais-valia

      • Samuel *pagamos impostos demais em troca do que recebemos* isso ele escreveu

  4. As criticas eventuais são desnecessárias, nao captaram a ideia, sou medico, bem sucedido, consultorio etc, e a vida toda desde recem formado atendo uma consulta gratis dia com qualidade a pessoa pobre, somos 400 mil medicos no Brasil, se a pratica pegasse seria excelente e faço minha parte, repensem antes de criticar, e outra, somos um dos paises que pagam menos impostos no mundo, e so viajar e conhecer, conheço mais de 50 paises, o poblema e que brasileiro vive de freases que ouvem aqui e ali, na verdade, pagamos impostos demais em troca do que recebemos, e outra apenas 10% das pessoas pagam a conta, profissionais liberais entendem o que digo, repensem, antes de criticar, tomara que exista em cada cidade do mundo uma filial do banco do tempo, eu breve farei uma aqui em campo grande, sei que no mundo existem mais péssoas que como eu, nao ficaram mais ricas e nem mais pobres se dedicarem uma hora mes que seja aos outros, sucesso. dr juatel becker, medico, [email protected]

    • Fantástico, Juatel! Que clareza, que bom senso! Eu estava estimuladíssimo a tentar aqui em São Paulo e, agora, lendo seu post, fiquei ainda mais. Nem mais ricos e nem mais pobres, financeiramente falando, mas provavelmente mais felizes, satisfeitos e solidários! Sorte e felicidade a todos.

  5. A ideia é interessante não como forma de substituição do sistema de mercado tradicional, mas como exceção paralela. Se fosse regra geral, penso que teria consequências ruins. Eu mesmo tenderia a exercer funções mais simples do que, p. ex., fazer um mestrado como faço hoje. Para que me especializar se minha hora de trabalho teria o mesmo valor da hora de trabalho de quem gastou um ano para aprender sua função? Faltaria, na minha opinião, incentivo para desenvolvimento técnico.
    Porém, como algo paralelo, parece ser uma experiência muito rica. Tenho comigo que o objetivo está em fomentar a compreensão do fator humano no valor do trabalho, além de incentivar que as pessoas saiam do isolamento, conhecendo melhor quem está ao redor. Hoje eu não sei o que meus vizinhos fazem da vida e isso representa oportunidades perdidas, até mesmo quando o foco é o sistema de mercado atual. Manifesto meu apoio a quem pretende implantar em sua cidade.

Comments are closed.