Após precisar fechar o próprio negócio, ele criou um curso sobre empreendedorismo na periferia

Depois de perceber a dificuldade de acesso a informações sobre administração e negócios, Luis e a sócia, Jennifer, de São Paulo, criaram um curso voltado especificamente ao empreendedor da periferia.

“Sempre quis empreender e, em 2013, abri uma loja de roupas femininas no Jardim São Luiz, bairro onde moro, na periferia de São Paulo. Porém, não tinha muita noção de administração e comecei a contrair dívidas. Nessa época, passei a buscar informações sobre gerenciamento de negócios e percebi que só havia cursos no centro da cidade. Na internet, as informações vinham em linguagem técnica ou cheias de termos em inglês. Ou seja, não eram acessíveis.

Precisei fechar o meu negócio. Mas decidi começar um blog para compartilhar meus aprendizados sobre empreender na periferia. Chamei minha esposa, Jennifer, para fazer a revisão. Logo no início, os acessos cresceram muito. Isso nos estimulou a buscar mais informações e, após assistirmos à palestra do vencedor do Nobel da Paz Muhammad Yunus [economista, ‘pai’ dos negócios sociais], tivemos um insight: criar uma escola voltada a empreendedores de moradias populares, comunidades e favelas.

“Com o nosso curso, os alunos, todos da periferia, vêm triplicando o seu faturamento.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desenvolvemos uma metodologia que resultou no curso ‘Despertando o Empreendedor’, conseguimos espaço para as aulas em uma ONG do bairro e, em 2015, reunimos a primeira turma, com dez alunos. Um equívoco foi achar que essas pessoas seriam as pagadoras do nosso negócio, já que, em geral, elas têm poucos recursos financeiros. Demoramos até chegar a um modelo em que empresas interessadas no desenvolvimento desse público patrocinam cotas do curso, e os empreendedores são os beneficiários. Com o Empreende Aí, que é itinerante, já impactamos cerca de 920 pessoas.”

Texto: Romy Aikawa
Foto: Marcus Steinmeyer
Conteúdo extraído da reportagem “Estamos juntos!”, publicada originalmente na Sorria #72, em março de 2020.

Relacionados

Com apoio de ONG, mulher vence distúrbio no rim e realiza o sonho de ser mãe

Após alguns episódios de inchaço nos olhos quando tinha 7 anos, Nathalia Ulbrich descobriu que sofria de síndrome nefrótica, um distúrbio renal que causa...

Faz bem para o corpo inteiro! Conheça 9 motivos para beber mais água

Nada de ficar esperando a sede para tomar um gole! A água é fundamental para o bom funcionamento do organismo, para a produtividade e...

+ DO CANAL

Ela se formou pedagoga aos 52 anos e decidiu dar aulas para idosos

Por ter trabalhado desde muito nova, Eunice dos Santos só se formou na faculdade aos 52 anos, em 2014. Com o diploma de pedagoga,...

Germana fundou uma associação para apoiar crianças com microcefalia. Conheça a história dela

Na União de Mães de Anjos (UMA), Germana Soares, de Recife (PE), se uniu a outras mães de criança com microcefalia, como seu filho,...

Ele fundou e mantém circo em homenagem a mãe, artista circense. Conheça a história de Círio

Filho de artistas circenses, Círio Brasil, de 47 anos, de Fortaleza (CE), tem paixão pelo picadeiro. Em 2002, sua mãe, famosa por seus números...

Ela fundou um projeto que incentiva crianças em abrigos a contar suas histórias para transformar a própria vida. Veja!

A psicóloga Cláudia Vidigal, de São Paulo (SP), criou o Instituto Fazendo História, em que crianças que vivem em abrigos são encorajadas a registrar...

Ela aprendeu a bordar com a avó e hoje ajuda a transformar a vida de presidiários

A empreendedora Milena Curado, de 46 anos, da Cidade de Goiás (GO), começou a se familiarizar com as técnicas do bordado aos 8 anos,...

Instagram