Empresa de tecnologia contrata grávida de 9 meses

Em toda empresa, o principal requisito para a contratação de um profissional deveria ser sua competência. Mas, não é bem assim que as coisas funcionam na prática. A designer Marcela Caldeira, 35 anos, é uma exceção. Ela foi contratada grávida por uma empresa de tecnologia americana.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Muito perto de dar à luz, Marcela tem carteira assinada, direitos assegurados e seis meses de licença-maternidade. “Queria que minha experiência fosse algo rotineiro”, diz ela ao site Uai. Com nove meses de gestação, ela foi contratada pelo escritório da ThoughtWorks em Belo Horizonte.

Leia também: Aos 97 anos, mulher recebe diploma depois de ser expulsa da escola por gravidez em 1938

Felizmente, Marcela não é mais um número na estatística de demissões após a gravidez. Em 2017, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou um estudo feito com 247 mil mulheres dois anos após terem dado à luz. Metade delas estava desempregada 12 meses após o nascimento do bebê.

Marcela não estava desempregada antes de ir para a ThoughtWorks. Ela trabalhava em uma startup há três anos, mas sempre esteve atenta a novas ideias e tendências do mercado. Além do mais, a empresa de tecnologia é conhecida por se aliar a movimentos pró-diversidade – uma motivação a mais para mudar de emprego.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No sétimo mês de gravidez, ela foi chamada para participar de um processo seletivo e em momento algum a condição foi um impeditivo para ficar com a vaga. “Estar grávida não foi um obstáculo. Eles deixaram claro que era a minha competência que estava sendo avaliada”, lembra.

Como designer de experiência, Marcela é responsável por entender o comportamento dos usuários e propor soluções a partir de um novo software, uma nova interface ou um novo dispositivo.

A designer concorda que a gravidez é entendida equivocadamente no mercado de trabalho e que a mulheres sofrem discriminação. Segundo ela, temos um paradoxo: enquanto a sociedade pressiona as mulheres para terem filhos, elas são excluídas do mercado de trabalho quando ficam grávidas.

“Quando se está grávida o medo de ser demitida é iminente. A gente se cobra para sermos igualmente valorizadas. Uma fase que deveria ser leve, vira um momento de provação”, afirma.

A mamãe de primeira viagem diz que vai descobrir o gênero do bebê apenas quando ele nascer – e pode ser a qualquer momento. Na verdade, Marcela não penso muito no gênero da criança. Ela quer que ele ou ela nasça saudável e cresça desassociado de estereótipos: “Só estamos esperando a Gaia ou o Gael querer nascer”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

crédito da foto: Marcela Caldeira/Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

[VÍDEO] Shopping atende pedido e cede espaço para pequena ginasta competir em torneio on-line

Sem ter um espaço adequado para competir em mais um torneio on-line de ginástica rítmica, Lavínia Ferraz, de 12 anos, tentou a sorte e...

Cozinha do bem ajuda em doações para instituições beneficentes

As pessoas são melhores do que imaginam. Fazemos diariamente pequenas ações que tem grande significado. Quer ver: Quem nunca cedeu seu assento para um idoso?...

Relato emocionante: Filha divide conquista com o pai falecido, enviando mensagem mesmo após sua morte

Só quem já passou pela perda de um pai pode entender o sofrimento e a beleza do ato dessa filha. Jéssica passou na prova...

Jovem do RN se forma em Medicina graças à mãe: ‘Fazia faxinas para me ajudar na faculdade’

Com a ajuda e apoio incondicional da mãe, que fazia faxinas para garantir a continuidade dos seus estudos na faculdade, a estudante Raiane Oliveira...

Funcionário de loja para tudo pra dar atenção a menino autista não-verbal e atitude viraliza

Alguns meses atrás, Dave Gamble foi até um supermercado com o filho em Victoria, na Austrália, para fazer compras. O menino tem autismo não-verbal,...

Instagram

Empresa de tecnologia contrata grávida de 9 meses 1