Empresa de tecnologia contrata grávida de 9 meses

Em toda empresa, o principal requisito para a contratação de um profissional deveria ser sua competência. Mas, não é bem assim que as coisas funcionam na prática. A designer Marcela Caldeira, 35 anos, é uma exceção. Ela foi contratada grávida por uma empresa de tecnologia americana.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Muito perto de dar à luz, Marcela tem carteira assinada, direitos assegurados e seis meses de licença-maternidade. “Queria que minha experiência fosse algo rotineiro”, diz ela ao site Uai. Com nove meses de gestação, ela foi contratada pelo escritório da ThoughtWorks em Belo Horizonte.

Leia também: Aos 97 anos, mulher recebe diploma depois de ser expulsa da escola por gravidez em 1938

Felizmente, Marcela não é mais um número na estatística de demissões após a gravidez. Em 2017, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou um estudo feito com 247 mil mulheres dois anos após terem dado à luz. Metade delas estava desempregada 12 meses após o nascimento do bebê.

Marcela não estava desempregada antes de ir para a ThoughtWorks. Ela trabalhava em uma startup há três anos, mas sempre esteve atenta a novas ideias e tendências do mercado. Além do mais, a empresa de tecnologia é conhecida por se aliar a movimentos pró-diversidade – uma motivação a mais para mudar de emprego.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No sétimo mês de gravidez, ela foi chamada para participar de um processo seletivo e em momento algum a condição foi um impeditivo para ficar com a vaga. “Estar grávida não foi um obstáculo. Eles deixaram claro que era a minha competência que estava sendo avaliada”, lembra.

Como designer de experiência, Marcela é responsável por entender o comportamento dos usuários e propor soluções a partir de um novo software, uma nova interface ou um novo dispositivo.

A designer concorda que a gravidez é entendida equivocadamente no mercado de trabalho e que a mulheres sofrem discriminação. Segundo ela, temos um paradoxo: enquanto a sociedade pressiona as mulheres para terem filhos, elas são excluídas do mercado de trabalho quando ficam grávidas.

“Quando se está grávida o medo de ser demitida é iminente. A gente se cobra para sermos igualmente valorizadas. Uma fase que deveria ser leve, vira um momento de provação”, afirma.

A mamãe de primeira viagem diz que vai descobrir o gênero do bebê apenas quando ele nascer – e pode ser a qualquer momento. Na verdade, Marcela não penso muito no gênero da criança. Ela quer que ele ou ela nasça saudável e cresça desassociado de estereótipos: “Só estamos esperando a Gaia ou o Gael querer nascer”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

crédito da foto: Marcela Caldeira/Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,569,612SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Dentista atende crianças fantasiada para espantar ‘medo’ dos pequenos

A dentista Aline Morais inovou para acabar com o 'medo' das crianças que atende no seu consultório, em Fortaleza (CE). Ao invés da tradicional roupa...

Cristãos vão à Parada LGBT de São Paulo espalhar o amor

Esse tipo de atitude me deixa com os olhos lacrimejando, elas me emocionam pois afirmam o que tenho certeza: existem pessoas cristãs extremamente sensatas,...

Aretha Oliveira mobiliza a internet para ajudar homem que prefere dormir na rua a abandonar sua cachorrinha em SP

Aretha ainda os levou para casa de amigos, para que eles pudessem ficar lá enquanto a situação deles não for resolvida. <3

Voluntários impactam milhares de pessoas com o programa “Transformando Comunidades”

O bacana é ver centenas de voluntários com o objetivo de ajudar a melhorar a realidade de instituições que tanto precisam de auxílio.

A Equipe do RPA esteve com os ‘Chefs Especiais’, um projeto que utiliza a gastronomia para promover a inclusão social

Desde 2006 a iniciativa dos ‘Chefs Especiais’ tem transformado a vida de pessoas com Síndrome de Down. O que era para ser apenas um...

Instagram