Empresa de tecnologia ensina Libras para integrar colaborador surdo

Jean Carlos Paes, 32 anos, é deficiente auditivo e está no seu segundo emprego na área de tecnologia. Mas é a primeira vez que se sente totalmente integrado ao time. Isso porque os colegas fizeram um curso de Libras para que pudesse se integrar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Há dois anos, ele é assistente de infraestrutura da HBSIS, empresa de tecnologia de Blumenau, em Santa Catarina. Nos primeiros dias, descobriu que 35 pessoas tinham feito o curso de Libras para que se sentisse parte do time. Mal ele sabia que o projeto teve mais de 70 interessados em participar.

A ideia da empresa é ter profissionais em todos os setores que estejam capacitados para se comunicar com Jean e com outros quatro profissionais como ele já contratados depois de sua entrada – a empresa tem mais de 580 colaboradores em quatro unidades.

Leia também: Empresa contrata candidato sem requisitos por causa do seu caráter

Na capital catarinense, dos cerca de 40 mil postos de trabalho dedicados a esses profissionais, apenas 1,8 mil estão preenchidos, segundo o Ministério do Trabalho. Empresas com mais de 100 colaboradores precisam dedicar de 2% a 5% das vagadas para PcDs (Pessoas com Deficiências).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Tenho um amigo que é surdo e também trabalha numa empresa de tecnologia. Ele me relata o mesmo isolamento que eu sentia antes da HBSIS. Fico surpreso e muito feliz por saber que esse tipo de preocupação existe. Só me faz ter mais vontade de crescer profissionalmente aqui”, relata Jean.

O coordenador de infraestrutura da HBSIS, Fernando Michels, nunca tinha trabalhado com alguém com deficiência. “Pensei que seria difícil conseguirmos manter o ritmo, já que a tecnologia é uma área que tem mudanças rápidas e que precisam de fluidez na equipe. Tanto o Jean quanto o time souberam quebrar a barreira da comunicação com esforço dos dois lados”, aponta.

Michels se comunica de uma forma tranquila em Libras, embora não se considere em nível avançado. “O processo de aprendizado é o mesmo de qualquer outra língua: exige dedicação e aplicação. A vantagem na HBSIS foi ter um grupo que estava envolvido e conseguimos praticar com o Jean no dia a dia”, acrescenta.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

crédito da foto: Reprodução/HBSIS

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,829,971SeguidoresSeguir
24,609SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Médicos trocam remédios por aulas de surf no combate a doenças crônicas

Na cidade de Biarritz, no litoral francês, está acontecendo um lindo movimento para tornar os tratamentos médicos mais eficientes e prazerosos. Conforme noticiado pelo jornal britânico The...

Jovem de 27 anos adota adolescente de 18 que tinha relacionamento difícil com família biológica

Elas têm idade para ser irmãs, você deve achar, mas são mãe e filha. A Juliana tinha 27 anos quando adotou a Maria Eduarda,...

Conheça o almanaque de empreendedorismo social para crianças

Um grupo de jovens da zona oeste do Rio de Janeiro desenvolveu um almanaque para democratizar o empreendedorismo social e desenvolver nas crianças competências...

Menina dá a policial seu boneco Elmo para ele não trabalhar sozinho

Uma garotinha deu a um policial seu boneco Elmo, personagem da “Vila Sésamo”, para ele não trabalhar sozinho.

A emocionante reação de adolescentes órfãos ao irem à praia

Entenda por quê esses adolescentes jamais vão esquecer essa experiência.

Instagram

Empresa de tecnologia ensina Libras para integrar colaborador surdo 2