Empresa de tecnologia ensina Libras para integrar colaborador surdo

Jean Carlos Paes, 32 anos, é deficiente auditivo e está no seu segundo emprego na área de tecnologia. Mas é a primeira vez que se sente totalmente integrado ao time. Isso porque os colegas fizeram um curso de Libras para que pudesse se integrar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Há dois anos, ele é assistente de infraestrutura da HBSIS, empresa de tecnologia de Blumenau, em Santa Catarina. Nos primeiros dias, descobriu que 35 pessoas tinham feito o curso de Libras para que se sentisse parte do time. Mal ele sabia que o projeto teve mais de 70 interessados em participar.

A ideia da empresa é ter profissionais em todos os setores que estejam capacitados para se comunicar com Jean e com outros quatro profissionais como ele já contratados depois de sua entrada – a empresa tem mais de 580 colaboradores em quatro unidades.

Leia também: Empresa contrata candidato sem requisitos por causa do seu caráter

Na capital catarinense, dos cerca de 40 mil postos de trabalho dedicados a esses profissionais, apenas 1,8 mil estão preenchidos, segundo o Ministério do Trabalho. Empresas com mais de 100 colaboradores precisam dedicar de 2% a 5% das vagadas para PcDs (Pessoas com Deficiências).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Tenho um amigo que é surdo e também trabalha numa empresa de tecnologia. Ele me relata o mesmo isolamento que eu sentia antes da HBSIS. Fico surpreso e muito feliz por saber que esse tipo de preocupação existe. Só me faz ter mais vontade de crescer profissionalmente aqui”, relata Jean.

O coordenador de infraestrutura da HBSIS, Fernando Michels, nunca tinha trabalhado com alguém com deficiência. “Pensei que seria difícil conseguirmos manter o ritmo, já que a tecnologia é uma área que tem mudanças rápidas e que precisam de fluidez na equipe. Tanto o Jean quanto o time souberam quebrar a barreira da comunicação com esforço dos dois lados”, aponta.

Michels se comunica de uma forma tranquila em Libras, embora não se considere em nível avançado. “O processo de aprendizado é o mesmo de qualquer outra língua: exige dedicação e aplicação. A vantagem na HBSIS foi ter um grupo que estava envolvido e conseguimos praticar com o Jean no dia a dia”, acrescenta.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

crédito da foto: Reprodução/HBSIS

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

Relacionados

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

995,550FãsCurtir
1,910,079SeguidoresSeguir
9,306SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Idosa de 87 anos confecciona máscaras de proteção para distribuir gratuitamente no MA

Sem conseguir encontrar máscaras de proteção, a professora, bióloga e engenheira civil Renatha Costa uniu forças com sua avó, dona Bernarda, 87 anos, para...

Magazine Luiza doa 1.000 colchões e travesseiros para moradores de rua em Belém (PA)

Desde o último sábado (21), o Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, passou a receber centenas de pessoas em situação de rua da Região Metropolitana...

Após ver família comendo restos do lixo, homem abre restaurante para servir pessoas carentes

O dono de um restaurante em Vila Velha (ES) abriu seu estabelecimento para atender gratuitamente pessoas em situação de rua durante a pandemia de...

Angelina Jolie doa R$ 5 milhões para manter merenda de alunos durante quarentena

A atriz Angelina Jolie, 44 anos, doou US$ 1 milhão (R$ 5,2 milhões) para manter a distribuição de merendas escolares para crianças de baixa...

Coronavírus ‘sela paz’ entre palestinos e israelenses: saúde é prioridade máxima!

Há anos o mundo não via um encontro pacífico entre palestinos e israelenses. A Autoridade Palestina e Israel sentaram na mesma mesa para firmar...

Instagram