Enfermeira adota bebê rejeitado pelos pais por ter síndrome de Down: “Ele é tudo para mim”

0
556
enfermeira com bebê no colo em uti neonatal

O ano é 2012 e o que parecia ser mais um dia de trabalho como qualquer outro, acabou sendo aquele que marcou a vida de Marcela Casal Sánchez, uma enfermeira de 48 anos que trabalha no Sanatorio Mater Dei em Buenos Aires, na Argentina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Naquele ano, Marcela cuidou de um recém-nascido que foi rejeitado pelos pais por ter síndrome de Down. Embora nunca os tenha visto, soube que eles pediram que o berço fosse retirado do quarto da mãe e que devolveram a certidão de nascimento ao hospital, e ainda contaram aos parentes que o menino havia morrido. 💔

Marcela e seus colegas de trabalho ficaram muito aflitos com a situação, pois nunca tinham visto nada parecido. Achavam que era questão de tempo, mas os pais estavam decididos a manter a decisão como se nada tivesse acontecido.

Enfermeira adota bebê rejeitado pelos pais por ter síndrome de Down: "Ele é tudo para mim" 2
Foto: Infobae

Enquanto os advogados do hospital e um tribunal trabalhavam no assunto, o bebê foi para a UTI neonatal para ser mais observado, onde também recebeu alimentação, cuidados, atenção e muito amor.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Naquela época ele estava nos braços de todos. Nós o trouxemos da UTI neonatal. Nós o tiramos. Colocamos ele no berço, no ovinho, ele passou de braço em braço, como eu digo, com todas as tias. Vieram também de outros serviços para ver”, disse a enfermeira.

Com o passar do tempo, Marcela esperava que um parente fosse buscar o bebê, mas isso nunca aconteceu. Além disso, o menino ganhou um nome novo, passando de Franco para Santiago.

Adoção

Semanas depois, Santiago havia sido enviado para um lar temporário, e foi aí que Marcela decidiu reunir toda a papelada necessária para entrar na fila de adoção e ser selecionada. 

Finalmente, a juíza María del Carmen Bacigalupo de Girard convocou Marcela e seu companheiro e lhes deu a boa notícia de que seriam os pais de Santiago. 

“E caímos em lágrimas. O juiz estava chorando, os presentes estavam chorando, foi muito, muito emocionante”, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enfermeira adota bebê rejeitado pelos pais por ter síndrome de Down: "Ele é tudo para mim" 3
Foto: Infobae

Marcela não precisava mais se preocupar com o destino de Santiago porque sabia que tudo ia ficar bem. E embora com o tempo o seu companheiro tenha decidido seguir outro caminho, sente-se feliz por ter o filho e toda a família do hospital que esteve presente quando a criança mais do que nunca precisou.

Hoje com 10 anos, Santiago é uma criança feliz e grata por estar cercada por pessoas que o amam e o aceitam como ele é. ❤️

“Ele é tudo para mim e meus pais. Ele é uma criança extraordinária, muito carinhosa e extremamente sociável. Ele ama a natureza e ama seus animais de estimação: tem cachorros e gatos”, concluiu Marcela.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: UPSOCL

Quer mais uma história inspiradora? Então, dá o play!

Perdi minha mãe para o câncer e por isso criei um aplicativo para ajudar outras pessoas com a doença

O César Filho transformou a dor e a saudade em amor. Depois que a mãe dele partiu por conta do câncer, ele criou um aplicativo chamado wecancer para ajudar outras pessoas que estão em tratamento por conta da doenç4.

Publicado por Mais Razões em Sexta-feira, 28 de outubro de 2022

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.