Enfermeira adota bebês gêmeos com doença genética abandonados em hospital

Ao descobrir que dois bebês gêmeos foram abandonados no hospital onde trabalha, com apenas quatro semanas de vida, a enfermeira norte-americana Linda Pfeiffer, 58 anos, decidiu adotá-los e levá-los para casa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Matthew e Marshall nasceram com uma rara doença genética.

Sensibilizada pela situação dos pequenos, Linda se registrou como candidata à mãe adotiva e aguardou uma resposta da Justiça. Quando entrevistada por um assistente social, que indagou se ela gostaria de adotar apenas um dos gêmeos, ela recusou-se a separar os irmãos: adotaria os dois juntos!

“Quando eu vi eles pela primeira vez achei as crianças mais adoráveis! Eles tinham aquelas cabeças grandes e corpos pequenos, pesavam apenas 3, 6 kg cada um. Eles tinham o tamanho de um recém-nascido, mas boa parte do peso estava nas suas cabeças. Eu me apaixonei por eles assim que os vi, eu sabia no meu coração que eles eram os meus meninos”, disse a enfermeira em entrevista ao jornal New York Post.

enfermeira adota bebês gêmeos abandonados hospital

Experiência como enfermeira facilita cuidados

Linda afirma que os conhecimentos adquiridos em sua profissão proporcionam um melhor atendimento às necessidades específicas dos bebês.

“A condição deles faz com que pais que não têm um preparo como o meu tenham maior dificuldade. Por causa da minha formação eu consigo cuidar deles sem maiores problemas.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Enfermeiras fazem fichas de bebês à mão com desenhos fofos e muito amor

A enfermeira, que já tem três filhos biológicos e três netos, foi muito criticada por amigos por ter adotado os pequenos aos 58 anos. “Mas eu nem ligo para isso. Meus amigos e familiares dizem que eu deveria estar pensando em me aposentar e descansar. Mas eu quero ficar com eles, dar qualidade de vida para eles me dá muita alegria.”

enfermeira adota bebês gêmeos abandonados hospital

Síndrome de Pfeiffer

Os gêmeos nasceram com a chamada Síndrome de Pfeiffer, uma doença rara de origem genética que afeta aproximadamente uma criança a cada 100.000 nascimentos.

A síndrome causa o fechamento prematuro do crânio das crianças. Além disso, os pequenos também têm má formações nas mãos e pernas e problemas de visão.

Desde seu nascimento, Matthew e Marshall já passaram por três cirurgias cada um. As operações foram feitas para abrir os crânios das crianças novamente para que seus cérebros tenham espaço para crescer.

“Dá muito trabalho cuidar deles, mas também é muito diversão. Eles são muito felizes e sorridentes. Sempre que um dos gêmeos começa a sorrir, o outro automaticamente ri também”, relatou a mãe.

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

Fonte: Bebê Mamãe/Fotos: Reprodução

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,264FãsCurtir
1,760,762SeguidoresSeguir
8,609SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fábio Assunção dá a volta por cima um ano depois de virar ‘piada’ no Carnaval

É impressionante o quanto as coisas podem mudar em apenas um ano, né? Olha o caso do ator Fábio Assunção, 48 anos. No Carnaval do...

Fotos de abelhas cansadas dormindo de “bumbum pra cima” dentro de flores viralizam

Uma série de fotos de abelhas tirando um cochilo dentro de flores com o bumbum cheio de pólen está fazendo o maior sucesso na...

No Pará, há mais de 40 anos existe um bloquinho infantil que homenageia os animais da Amazônia

Cada vez mais os blocos carnavalescos estão inovando e usando e abusando da criatividade, mas o que falar deste bloquinho infantil, do interior do...

O primeiro dia de aula do menino desnutrido que foi resgatado há um ano

O primeiro dia de aula é uma data marcante, que estabelece que seu filho(a) está crescendo e ganhando o mundo. Mas, para um menino em...

USP retira coágulo de artéria no cérebro e devolve movimentos a vítimas de AVC

Cientistas adjuntos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto desenvolveram uma técnica eficaz na redução de quase a totalidade...

Instagram